domingo, 27 de novembro de 2016

BUTCH CASSID AND SUNDANCE KID ( Filme 1969 )


Butch Cassidy and the Sundance Kid (Butch Cassidy (título no Brasil) ou Dois Homens e um Destino (título em Portugal)) é um filme estadunidense de 1969, dirigido por George Roy Hill. O filme é estrelado por Paul Newman e Robert Redford.


Butch Cassidy e Sundance Kid são dois ladrões e ganham a vida assim. Certo dia assaltam um comboio de uma pessoa muito importante, que não vai dar tréguas aos dois amigos, contratando um grupo de cowboys comandado por um xerife incorruptível. Ao longo do filme, vai-se desenrolando uma série de peripécias, onde os dois amigos fazem de tudo para escapar, até que, num ato de desespero, fogem para a América do Sul -mais precisamente para a Bolívia - devido aos problemas que tinham com a justiça dos Estados Unidos. Um western cheio de ação com os astros Paul Newman e Robert Redford.

Venceu nas categorias de melhor roteiro original, melhor fotografia, melhor trilha sonora e melhor canção original (Raindrops Keep Fallin' on My Head, interpretada por B.J. Thomas).
 Recebeu ainda outras três indicações, nas categorias de melhor filme, melhor diretor e melhor som.
O personagem "Sundance Kid" foi primeiramente oferecido (e aceito) ao ator Steve McQueen. Porém, como tanto McQueen quanto Newman estavam no auge de suas carreiras, surgiu o problema de qual nome apareceria primeiro nos créditos do filme, tendo sido proposto que os nomes dos dois aparecessem antes do título do filme, o que daria uma ideia de igualdade. Newman concordou com a ideia mas McQueen desconfiou que a proposta fosse na verdade um truque e resolveu desistir do filme e o personagem acabou com Robert Redford.

O ator Warren Beatty recusou o papel de "Sundance Kid" pois preferiu atuar em outro filme.
 A produção queria que Bob Dylan cantasse a famosa canção de Burt Bacharach, mas ele não aceitou o convite.
 Ao ver a cena em que Newman experimenta uma bicicleta, o futuro diretor Redford não teria gostado, sugerindo que a mesma fosse cortada do filme. A cena, com a música de Burt Bacharach, acabou se tornando uma das mais famosas do cinema.

domingo, 20 de novembro de 2016

SAM & DAVE

Sam & Dave foi um duo de soul e rhythm and blues norte-americano, que se apresentaram juntos entre 1961 e 1981. O duo era composto por Sam Moore (nascido em 12 de outubro de 1935), e Dave Prater (9 de maio de 1937 – 9 de abril de 1988).

Em 26 anos de carreira, foram incluídos no Rock And Roll Hall of Fame, ganhadores de um Grammy e possuem múltiplos Discos de Ouro certificados pela RIAA. Trouxeram os sons da música gospel para a música pop. Filiados principalmente a Stax Records, em Memphis, Tennessee, de 1965 a 1968, incluíram "Soul Man", "Hold On, I'm Comin", "I Thank You", "When Something is Wrong with My Baby", "Wrap It Up", e outros clássicos do soul de Memphis. Tiveram 20 singles e 10 LPs no topo das paradas. "Soul Man" tem sido reconhecida como uma das canções mais influentes da história pela revista Rolling Stone.
Apelidados de "Double Dynamite", "Sultans of The Sweat" e "The Dynamic Duo" por suas performances infundidas do gospel, Sam & Dave foram um dos maiores ícones da década de 1960. Eles foram influência para muitos músicos famosos, incluindo Bruce Springsteen, Al Green, Tom Petty, Phil Collins, Michael Jackson, Elvis Costello, Teddy Pendergrass, Billy Joel, Steve Winwood e The Blues Brothers, que ajudaram a ressurgir a popularidade do soul, R&B, e blues nos anos 1980, Sam & Dave escreveram um sucesso que ressurgiu mais tarde no filme Blues Brothers, no qual interpretam a canção "Soul Man". Sua letra cita "(…) eu sou um homem negro (…)".
Dave Prater faleceu no dia 9 de abril de 1988, após ser vítima de um acidente automobilístico em Sycamore, Geórgia. O último show de Dave Prater e Sam Daniels foi no Atlanta Civic Center, no dia 3 de abril de 1988, junto com Isaac Hayes. Foi enterrado no Holy Sepulchre Cemetery em Totowa, Nova Jérsei.


domingo, 13 de novembro de 2016

THE DOORS

The Doors foi uma banda de rock psicodélico norte-americana formada em 1965 em Los Angeles, na Califórnia. O grupo era composto por Jim Morrison (voz), Ray Manzarek (teclados), Robby Krieger (guitarra) e John Densmore (bateria). A banda recebeu influências de diferentes estilos musicais, como o country e folk.

Canções como "Break on Through (To the Other Side)", "Light My Fire", "People Are Strange" ou "Riders on the Storm", aliadas à personalidade e escândalos grandiosos protagonizados por Jim Morrison, contribuíram de sobremaneira para o aumento da fama do grupo.
As origens dos The Doors surgem de um encontro ao acaso entre dois estudantes da escola cinematográfica UCLA, Jim Morrison e Ray Manzarek, em Venice Beach, na Califórnia em Julho de 1965. Morrison disse, então, a Manzarek, que andava a escrever canções e, a pedido de Manzarek, cantou "Moonlight Drive". Impressionado pelas letras de Morrison, Manzarek sugeriu que formassem uma banda.

O tecladista Ray Manzarek estava numa banda chamada Rick And The Ravens com o seu irmão Rick Manzarek, enquanto Robby Krieger e John Densmore tocavam com os The Psychedelic Rangers e conheciam Manzarek das aulas de ioga e meditação. Em agosto, Densmore juntou-se ao grupo e, juntamente com os membros dos Ravens e o baixista Patty Sullivan, gravaram uma demo de seis canções em setembro de 1965. A demo foi bastante pirateada e acabou por surgir completa mais tarde, em 1997, em coletânea dos Doors.
Nesse mesmo mês, o grupo recrutou o guitarrista Robby Krieger e o alinhamento final estava formado — Morrison, Manzarek, Krieger e Densmore. A banda retirou o seu nome do título de um livro de Aldous Huxley, "The Doors of Perception", que, por seu turno, havia sido "emprestado" do verso de um poema do artista e poeta do século XIX, William Blake: "If the doors of perception were cleansed, every thing would appear to man as it is: infinite" (em pt: "Se as portas da percepção fossem abertas, tudo apareceria como realmente é: infinito").
Os Doors não tinham uma formação comum à maioria dos grupos de rock porque não possuíam qualquer baixo quando atuavam ao vivo. Deste modo, Manzarek tocava as seções de baixo com a sua mão esquerda no recentemente inventado Fender Rhodes bass keyboard, uma variação do conhecido piano eléctrico Fender Rhodes, enquanto tocava as partes de teclado com a sua mão direita. Já nos álbuns de estúdio, os Doors usaram diversos baixistas, tais como Jerry Scheff, Doug Lubahn, Harvey Brooks, Kerry Magness, Lonnie Mack, Larry Knechtel, Leroy Vinegar e Ray Neapolitan.
Muitas das canções originais dos Doors eram compostas pelo grupo, com Morrison ou Krieger a contribuírem com a letra e melodia inicial, e os restantes com as sugestões rítmicas e harmônicas ou até seções inteiras (por exemplo, a introdução de Manzarek em "Light My Fire").
Em 1966, o grupo tocava no clube The London Fog, tendo, pouco tempo depois, passado para o Whisky a Go Go.  A 10 de agosto, foram vistos pelo presidente da Elektra Records, Jac Holzman, que se encontrava presente sob recomendação de Arthur Lee, vocalista do Love, que estava ligado à Elektra. Após Holzman e o produtor Paul A. Rothchild verem duas performances da banda no Whisky a Go Go, os Doors assinaram contrato com a Elektra Records a 18 de agosto, tendo iniciado aí a longa e bem-sucedida parceria com Rothchild e o engenheiro de som Bruce Botnick.

A hora foi fortuita, pois, a 21 de agosto, o clube despediu a banda após tocarem a canção "The End". Num incidente que serviu de presságio para a polémica que seguiria o grupo, um Morrison sob o efeito de drogas recitou a sua própria interpretação do drama grego "Oedipus Rex", no qual o protagonista Oedipus mata o seu pai e faz sexo com a sua mãe. A versão de Morrison consistia em "Father? Yes son? I want to kill you. Mother? I want to fuck you" (em pt: "Pai? Sim, filho? Eu quero matar-te. Mãe? Eu quero foder-te").
Após a dissolução da banda no início da década de 1970, e especialmente desde a morte de Morrison em 1971, o interesse nas músicas dos Doors se manteve elevado, ultrapassando mesmo, por vezes, o que o grupo teve enquanto esteve ativo. Em todo o mundo, os seus discos já venderam mais de 80 milhões de cópias e de seus DVD's 5 milhões, e continuam a vender cerca de 2,5 milhões anualmente.

domingo, 6 de novembro de 2016

ANTONIO MARCOS

Antônio Marcos Pensamento da Silva (São Paulo, 8 de novembro de 1945 — São Paulo, 5 de abril de 1992) foi um ator, compositor, humorista e cantor brasileiro.
Antônio Marcos trabalhou como office-boy, vendedor de varejo e balconista de loja de calçados, passando pelos programas de calouros, para chegar ao rádio e finalmente à televisão. De 1960 a 1962, destacou-se no programa de Estevam Sangirardi, cantando, tocando violão e fazendo humorismo.

Em 1967, integrou o coral Golden Gate e atuou nas peças Pé Coxinho e Samba Contra 00 Dólar, de Moraci do Val, no Teatro de Arena. Convidado por Ramalho Neto, gravou seu primeiro disco pela RCA, como integrante do conjunto Os Iguais, tornando-se logo solista e fazendo sucesso com a música Tenho Um Amor Melhor Que O Seu (Roberto Carlos).
A partir daí, seguiram-se outros sucessos, como Oração De Um Jovem Triste (Alberto Luís) e Como Vai Você (com Mário Marcos). Foi lançado no cinema por J. B. Tanko, no filme Pais Quadrados... Filhos Avançados (1970), participando também de Som, Amor E Curtição (1972) e de outros, além de atuar em peças teatrais, como Arena Conta Zumbi (Teatro de Arena, direção de Augusto Boal, 1969) e Hair (Teatro Aquarius, direção de Altair Lima, 1970). Atingiu seu maior sucesso em 1973, com O Homem De Nazaré (Cláudio Fontana), que seria lançado no ano seguinte em espanhol. Um de seus últimos sucessos foi a canção-tema de O Profeta, telenovela da TV Tupi na qual participava sua futura esposa Débora Duarte. Já casado com a atriz, participaria com ela da telenovela da TV Bandeirantes, Cara a Cara, na qual também interpretava a canção-tema.
Durante a década de 1980, sua carreira entraria em declínio. Como consequência, Antônio Marcos se tornaria usuário de álcool e outras drogas, que levariam a sua internação em clínicas de reabilitação. Em 1991, pretendia lançar um LP contendo uma versão de Imagine, de John Lennon, mas Yoko Ono, viúva de John, vetou a versão, o que, aliado à falência da gravadora (Esfinge), impediu o lançamento do disco.

Antônio Marcos foi casado quatro vezes, sendo a cantora Vanusa sua primeira esposa — com quem teve as filhas Amanda e Aretha —, e com Débora Duarte — com quem teve Paloma Duarte. Também foi casado com a modelo Rose com quem teve um filho Antônio Pablo. Também teve um caso com a atriz Miriam Mota na época com quatorze anos de idade com quem teve o cantor Manoel Marcos. Nos últimos anos de sua vida, vivia com Ana Paula, filha de Cleonice Rossi Braga e enteada de Roberto Carlos.
Morreu em 5 de abril de 1992, vítima de insuficiência hepática, consequência do alcoolismo. Após sua morte, foram lançados os CDs Acervo (1994, coletânea RCA/BMG) e Aplauso (1996, coletânea RCA/BMG). A música Como Vai Você foi regravada pela intérprete Daniela Mercury.