quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

ELVIS PRESLEY Loiras, morenas e ruivas ( It Happened at the world's fair)

 Diversão, música e Elvis estão nesse filme com alguns dos melhores momentos de toda a filmografia do Rei. Presley interpreta o piloto de aluguel Mike, cuja esperança de começar seu próprio negócio é sempre aterrada pelo problema com as apostas de seu co-piloto Danny (Gary Lockwood).

Eles seguem para Seattle, onde Mike encontra um romance, Danny encontra marcas fáceis e ambos encontram problemas antes do Happy Ending. Kurt RusselI, estrela do filme biográfico de Elvis de 1979, interpreta a criança que chuta as canelas de Mike. E entre as 10 músicas estão I'm Falling in Love Tonight, Relax e One broken Heart for Sale.


Título original: (It Happened at World's Fair)
Lançamento: 1963 (EUA)
Direção: Norman Taurog
Atores: Elvis Presley, Joan O'Brien, Gary Lockwood, Vicky Tiu.





domingo, 24 de fevereiro de 2013

BARRY MANILOW


Barry Alan Pincus, mais conhecido como Barry Manilow, (Brooklyn, 17 de junho de 1943) é um cantor e compositor estadunidense, muito conhecido pelos seus hits dos anos 70 I Write the Songs, Mandy e Copacabana.
A carreira sem igual de Barry Manilow está calcada numa sólida reputação como cantor, compositor, arranjador e produtor. Ele lota casas de espetáculos, bate recordes de audiência na televisão, compõe trilhas de cinema e para a Broadway e já vendeu 60 milhões de discos no mundo todo. Seu sucesso está devidamente ilustrado por uma coleção de prêmios Grammy, Emmy e Tony Awards, além de uma indicação ao Oscar. Portanto, não é à toa que a bíblia da indústria fonográfica Radio & Records o considera imbatível na categoria Adulto Contemporânea de Todos os Tempos.

O envolvimento de Manilow com a música começou com aulas de piano e acordeão na casa de um vizinho. Ele ainda morava no Brooklin quando decidiu que faria disso uma carreira e assim que entrou na Escola de Música de Nova York, conseguiu um emprego de contínuo na CBS para pagar suas despesas, sem jamais imaginar que este seria o primeiro passo para o estrelato.
O golpe de sorte aconteceu numa tarde em que lhe pediram para procurar canções de domínio público para a adaptação do melodrama musical The Drunkard, mas ao invés de atender o pedido, ele compôs a trilha inteira! E o musical fez tanto sucesso que permaneceu em cartaz por oito anos.
Após o debut, Barry se tornou o diretor musical do seriado Callback, acumulando as funções de compositor, produtor e cantor dos jingles para a rádio e TV CBS. Paralelamente, também cantava no clube Upstairs at the Dowstairs, onde conheceu a atriz Bette Midler, que o convidou para ser o pianista e arranjador de seu primeiro disco, The Divine Miss M. Esse álbum recebeu disco de ouro e o Grammy de Melhor do Ano de 1972, o que induziu Barry a produzir o trabalho seguinte da cantora, o platinado Bette Midler (1973).

Na mesma época, ele assinou com a Bell Records — mais tarde, Arista Records — para gravar seu álbum de estréia, mas Midler o persuadiu a continuar como produtor em sua primeira turnê nacional. Ele aceitou, contanto que pudesse cantar três canções na segunda parte do show. Ela concordou. Quando Barry iniciou sua própria turnê em 1974, 'Mandy' já era um hit de 25 consecutivos Top 40, marca que foi superada nos anos seguintes por 'Even Now', 'This One For You', 'Weekend in New England', 'I Write the Songs', 'Trying to Get the Feeling Again' e outras canções de sua autoria.
Bastaram quatro anos para que ele igualasse o feito de Frank Sinatra e Johnny Mathis, com cinco álbuns emparelhados no topo das paradas. Um momento oportuno para a estréia do The Barry Manilow Special, show que obteve audiência de 37 milhões para a ABC-TV e um Emmy Award de Melhor Especial do Ano. Depois vieram The Second Barry Manilow Special (1978), The Third Barry Manilow Special (1979) e a superprodução One Voice (1980), que serviu de aquecimento para a turnê In the Round World (1981-82), cujos melhores momentos estão no box set que bateu o recorde de vendas dos Rolling Stones.

O último show dessa turnê aconteceu no Royal Albert Hall, as notícias da época contam que os fãs enfrentaram a pior tempestade da história inglesa para vê-lo desembarcar no aeroporto Heatrow. Havia trezentos policiais formando um cordão humano para conter o que o British Daily Mail descreveu como "uma histeria jamais vista desde o apogeu de Elvis e dos Beatles". Para retribuir a calorosa recepção, Manilow lançou Live in Britain e se tornou o primeiro americano a estrear no Reino Unido como o nº 1 das paradas na mesma semana de lançamento, conquistando três discos de platina consecutivos e o recorde dos Beatles.
Os dois anos seguintes foram dedicados à Around the World Tour in 80 Dates, que teve como ponto alto o show histórico no Palácio de Blenheim, na Inglaterra, ao qual Barry se refere como o evento mais importante de sua carreira. Ele encerrou a turnê com um concerto beneficente no Royal Festival Hall, tendo a princesa e o príncipe de Gales como anfitriões.
Em 1985, incansável, ele acrescentou um álbum de estúdio às paradas, o primeiro após três anos na estrada, e estreou na CBS a comédia musical Copacabana, baseada na canção homônima que ganhou o Grammy de 1978. Ele conta que a idéia da canção surgiu durante a viagem que fez ao Rio de Janeiro com seu parceiro de composições Bruce Sussman. Ficaram hospedados no Copacabana Palace e de tanto ler o nome do hotel em cinzeiros, toalhas e toda sorte de produtos, passaram a achar a palavra incrivelmente sonora. O espetáculo entrou no Top Ten de produções para TV daquele ano e foi revisitado em 2000 para comemorar os 54 anos de Manilow. A montagem com Franc D'Ambrosio e as Copa Girls foi novamente dirigida por ele e percorreu 32 cidades norte-americanas.


Entre turnês sucessivas, Barry produziu o álbum With My Lover Beside Me, da cantora de jazz Nancy Wilson, além de compor melodias para letras inéditas de Johnny Mercer. O que já havia feito, com a canção 'When October Goes', para o álbum Paradise Cafe (1984). Quando as gravações terminaram, ele partiu para uma aventura no mundo da animação, compondo trilhas para os filmes Thumbelina, The Peeble and the Penguin e Rapunzel.
Seu 30º álbum rendeu tributo a Frank Sinatra reunindo canções que fizeram grande sucesso na voz do cantor. O disco recebeu duas indicações ao Grammy de 1998 e entrou no repertório da turnê realizada no Reino Unido. No ano seguinte, Manilow recrutou trinta músicos de estúdio para encorpar a banda que o acompanharia ao Carnegie Hall, para um show em prol dos vitimados pela Aids.
Sem dúvida foi uma apresentação espetacular. Com quatro décadas de experiência, Barry Manilow sabe o que seus fãs querem ouvir: 'Even Know', 'Somewhere Down the Road', 'Copacabana', 'Can't Smile Without You', 'Mandy'… "Nunca houve uma escolha entre a música e qualquer outra coisa, ninguém, nada conseguiu despertar um sentimento aproximado a essa paixão que me guia através dos anos. Sou totalmente comprometido com a minha música e meus fãs", ele afirma com convicção.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

BO DIDDLEY

Bo Diddley (McComb, Mississippi, 30 de dezembro de 1928 — Archer, Flórida, 2 de junho de 2008), foi um influente cantor, compositor e guitarrista de blues norte-americano. Foi considerado o 27º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.
Batizado de Ellas Otha Bates, ele mais tarde mudaria seu nome para Ellas McDaniel devido à sua mãe adotiva, Gussie McDaniel. Entretanto ele usa o nome artístico Bo Diddley, provavelmente um jargão dos negros do sul dos Estados Unidos que significa "nada por enquanto". Outra fonte diz que este era seu apelido quando de sua carreira como boxeador.


Diddley ganhou a primeira guitarra de sua irmã ainda na juventude (na mesma época, frequentava aulas de violino). Sua principal influência para se tornar um artista de blues veio de John Lee Hooker.
Ele é mais conhecido pela "batida Bo Diddley", uma batida meio rumba feita usando-se a clave. Esta batida seria usada por vários outros artistas, incluindo Johnny Otis e sua "Willie and the Hand Jive" e Buddy Holly em "Not Fade Away", assim como canções mais obscuras como "In Love Again", de Gene Vincent e "Callin' All Cows" dos Blues Rockers.
O ritmo é tão importante na música de Bo Diddley que a harmonia é frequentemente reduzida a uma inclusão mínima. Suas canções (por exemplo, "Hey Bo Diddley" e "Who Do You Love?") na maioria não apresentam mudanças de acorde; isto é, elas não foram compostas com claves musicais, e o músico tem de cantar e tocar no mesmo acorde durante todo o tempo.

Vários artistas gravariam suas versões das canções de Diddley através dos anos. Os Animals gravaram "The Story of Bo Diddley", os Yardbirds "I'm a Man" e tanto os Woolies quanto George Thorogood alcançaram sucesso com "Who Do You Love", também a favorita dos The Doors.
Bo Diddley usa uma variedade de outros estilos entretanto, do back beat ao pop, frequentemente com o uso das maracas de Jerome Green. Ele foi também um influente guitarrista, com vários efeitos especiais e outras inovações no tom e no ataque. Ele também toca violino e violoncelo; este último é o destaque de sua triste instrumental "The Clock Strikes Twelve".
Embora Diddley tenha alcançado sucesso de público, ele raramente direcionava suas composições para o público adolescente. A exceção mais notável é provavelmente o álbum Bo Diddley's a Surfer, que apresentava a canção "Surfer's Love Call". Apesar de nunca ter subido numa prancha, Bo exerceu uma influência definitiva nos guitarristas de surf rock.

Em complemento às várias músicas lançadas por ele, Diddley escreveu o pioneiro sucesso pop "Love is Strange" para a dupla Mickey Baker e Sylvia Vanderpool (sob um pseudônimo, para aumentar seus royalties).
Em 17 de maio de 2007, foi anunciada a internação de Didley no Creighton University Medical Center em Omaha, Nebraska, depois de um derrame durante uma apresentação em Council Bluffs, Iowa, em 13 de maio. Ele já apresentava um histórico de hipertensão e diabetes, e exames indicaram que o derrame afetou o lado esquerdo de seu cérebro, compromentendo a fala e compreensão.

Em agosto de 2007, Diddley sofreu um incidente cardíaco enquanto se submetia a um check-up médico e foi internado em um hospital da Flórida.
Diddley veio a falecer em 2 de junho de 2008, aos 79 anos, em sua casa na Flórida, vítima de insuficiência cardíaca.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

MORRIS ALBERT



Morris Albert, nome artístico de Maurício Alberto Kaisermann, (Rio de Janeiro, 7 de setembro de 1951) é um cantor e compositor brasileiro, que vendeu discos em mais de 50 países, totalizando 160 milhões de cópias. Famoso por seu sucesso de 1975 "Feelings" e "She's my girl" bem como outras canções que compôs em inglês. Atualmente vive na Itália.
Com o sucesso como cantor, participou de alguns programas de Os trapalhões na fase da TV Tupi, quando eram colocados quadros musicais intercalados com os quadros cômicos. Outro cantor que teve participação na mesma época foi Ronnie Von. Um dos quadros mais hilariantes foi a "tradução" para o português de Renato Aragão para a canção Feelings, chamada por ele de "Filho"


Começou a carreira artística apresentando-se como cantor e instrumentista em diversos conjuntos. Em 1973 lançou a música "Feelings", em seu LP de estréia, que fez parte da trilha sonora da novela "Corrida do ouro", da TV Globo, exibida no ano seguinte. "Feelings" se tornou um enorme sucesso vendendo mais de 300 mil cópias não apenas no Brasil mas também na América Latina e nos Estados Unidos conhecendo inúmeras regravações entre outros por, Frank Sinatra, Johnny Mathis, Andy Williams, Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, Orquestras de Ray Connif, Percy Faith e Paul Mauriat, Dionne Warwick e Bobby Winton.



Chegou aos Estados Unidos em 1975 e permaneceu 32 semanas nas paradas norte americanas e dez semanas nas paradas inglesas sendo premiada com o Gold Award do ano. Ao longo do tempo esta mesma composições vendeu cerca de 10 milhões de discos. No mesmo período, recebeu o Disco de Ouro pela vendagem de 20 mil cópias na primeira tiragem de "Sentimientos", versão de "feelings" para o castelhano. Recebeu ainda Disco de Ouro nos Estados Unidos e de Prata na Inglaterra. Em 1975 gravou com sucesso nos Estados Unidos o compacto "Leave me". Em 1977 realizou show com grande público no Maracanãzinho no Rio de Janeiro.Em 1978 gravou com sucesso "She's my girl", de sua autoria. No ano seguinte teve a composição "Gonna love you more" gravada pelo guitarrista norte americano George Benson.




Músicas nas paradas de sucesso: Feelings, She´s my girl, Conversation, Woman, Do You Miss Me, Gonna Love You More, Memories, Sweet Loving Man, Heaven, Lady, Father, Paradise
Autor, compositor e intérprete de canções e temas musicais que fazem parte de mais de 100 filmes, seriados de TV, novelas e comerciais. Suas obras superam em 160 milhões de discos vendidos em mais de 50 países.
Seu primeiro "single", ou compacto simples, como foi mais conhecido no Brasil, tinha no lado A a canção Woman e no lado B, Feelings. Esta última estourou no mundo todo, teve mais de 100 regravações, está entre as 100 músicas mais conhecidas de todos os tempos e a do lado A, ninguém se lembra mais.


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

O MENINO DO CIRCO (Seriado)

O Menino do Circo era um faroeste infantil que narrava as aventuras de um garoto que vivia em um mundo onde várias crianças gostariam de estar, o mundo do circo.
A série que misturava comédia com drama na dose certa, estreou no dia 23 de setembro de 1956 nos Estados Unidos na ABC onde ficou apenas uma temporada, mas foi o suficiente para trazer para o estrelato o ator mirim Micky Dolenz. Depois, já na adolescência, Dolenz acabou virando o baterista do grupo Monkees.
Para promover a série, o ator Micky Dolenz e elefante Bimbo sairam em excursão pelas estradas dos Estados Unidos, promovendo shows onde Micky tocava guitarra e cantava a canção tema do seriado.
A série chegou ao seu final no dia 9 de agosto de 1958, segundos os produtores do programa o ator Micky Dolenz estava crescendo muito rápido, descaracterizando o seu personagem e como eles não queriam substituir o ator, optaram pelo cancelamento do programa
 A história da série tem início depois que os pais de Corky Wallace, conhecidos como "Os Falcões do Vôo" morreram num acidente no fio elevado. O menino de apenas 10 anos foi adotado pelo proprietário do circo Big Tim Champion (Robert Lowery). A partir de então Corky passa a montar o seu bebê elefante Bimbo, cuidando dos seus problemas corriqueiros da idade e ajudando os adultos a manter o circo em ordem em quanto viaja de cidade em cidade



Corky possuía muitos amigos com quem compartilhava o seu dia-a-dia agitado no circo, entre eles estava o tio Joey (Noah Beery Jr.) e o sempre energético Clown (Guinn 'Big Boy' Williams). O chimpanzé do circo, Bobô, acabou se afinizando ao garoto também, mas as travessuras do animal acabavam sempre arranjando alguma confusão. Por gostar muito de animais, Corky vivia visitando os bichos do circo como o tigre Sultão e Nuba o leão.
No Brasil o seriado foi exibido pela primeira vez no final da década de 1960 pela TV Excelsior. Durante a década de 1970, foi reprisado pela Tv Bandeirantes e Record.





sábado, 9 de fevereiro de 2013

JOHNNY CASH

Cantor e compositor estadunidense de música popular nascido em Kingsland, Arkansas, com uma carreira que durou quase cinco décadas, para muitos fãs a personificação do country. Conhecido por seus fãs como O Homem de Preto, era filho de um trabalhador rural pobre e alcoóolatra, que se mudou com sua família para uma fazenda em Dyess, Arkansas, onde com apenas cinco anos de idade, começou a trabalhar na colheita de algodão.

Começou a tocar violão e a compor ainda jovem e entrou para a Força Aérea Americana e serviu na Alemanha. Deixou a carreira militar e casou-se (1954) com Vivian Liberto, com quem teria 4 filhas e se divorciaria no início da década seguinte. Mudou-se (1954) para Memphis, Tennesse, onde inicialmente trabalhou como vendedor e, durante a noite, tocava com o guitarrista Luther Perkins e o baixista Marshall Grant, cantando músicas gospel.

Descoberto por um produtor da Sun, Jack Clement, foi levado a presença do poderoso Sam Phillips. Convencido por Clement e Phillips a mudar para a música country, com as gravações iniciais de Hey Porter e Cry Cry Cry (1955) estourou nas paradas de sucesso. Depois do enorme sucesso de Folsom Prison Blues, que alcançou a primeira colocação nas paradas (1956), tornou-se o primeiro artista da Sun Records a lançar um álbum completo (1957) e o cantor mais prolífico e mais lucrativo da gravadora na época. No ano seguinte deixou a Sun e foi para a Columbia Records, onde se tornou uma lenda country.

Após o nascimento de seu primeiro e único filho homem, John Carter Cash (1969), estrelou seu próprio programa musical televisivo pela rede ABC (1969-1971). Aos 48 anos de idade, tornou-se o mais jovem indicado ao Hall da Fama da Música Country (1980). Nos anos seguintes começou a trabalhar como ator, principalmente em filmes televisivos, como em The Pride Of Jesse Hallam (1981) e em Murder In Coweta County (1983). Publicou seu único romance, Man in White (1986). Com a saúde começando a debilitar (1997), não deixou de gravar e fazer shows sempre que suas condições físicas permitia.






Morreu aos 71 anos, segundo os médicos do Hospital Batista de Nashville, EUA, onde estava hospitalizado, vítima de uma complicação vascular causada por diabetes. Viúvo, que morreu no início do ano, aos 73 anos, seu último disco foi American Recordings IV (2002). Sua segunda esposa, June Carter Cash, faleceu de complicações decorrentes de uma cirurgia do coração em 15 de maio (2003), aos 73 anos de idade.






quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

DJ BIG BOY

Big Boy, pseudônimo de Newton Alvarenga Duarte (1 de junho de 1943 - São Paulo, 7 de março de 1977), foi o mais importante disc jockey de sua época, responsável por uma verdadeira revolução no rádio brasileiro.
Como locutor, introduziu uma linguagem jovem, mais próxima do público que o ouvia. Seu "hello crazy people!", a maneira irreverente como saudava os ouvintes, tornou-se marca registrada de um estilo próprio, descontraído, diferente da voz empostada dos locutores de então. Como programador, demonstrou extrema sensibilidade ao captar o gosto do público, observando as tendências musicais ao redor do mundo e inovando a partir de idéias que modificariam todo um sistema de programação estabelecido. Uma de suas grandes influências foi o grande DJ americano Wolfman Jack

Apaixonado por música desde a infância, iniciou uma coleção que chegou a 20 mil discos ainda adolescente, manifestando preferência pelo rock, o então novo ritmo americano que conquistou os jovens no mundo todo. Também costumava "peregrinar" na Rádio Tamoio do Rio de Janeiro - a rádio que apresentava a programação mais atualizada na época - procurando manter contato com os programadores e outros aficionados por rock em busca de informações e de uma oportunidade profissional - seu sonho desde então que procurou alcançar com obstinação. A oportunidade finalmente surgiu quando foi convidado para substituir um programador que entrara em férias. Assim, não hesitou em interromper a carreira de professor de geografia para tornar-se radialista.
Mais tarde foi convidado para participar de uma bem-sucedida tentativa de reformulação da Rádio Mundial AM, que se tornaria a rádio de maior audiência entre o público jovem do Rio de Janeiro. Foi ali que iniciou sua atuação como DJ, ganhou o apelido de Big Boy e criou o estilo inconfundível que continua até hoje influenciando locutores - inclusive das modernas rádios FM, cujas programações muitas vezes ainda seguem os moldes de seus programas. Com sua voz alegre e postura informal, complementava as músicas que tocava com informações "quentes" sobre o mundo do disco, impondo uma dinâmica irresistível ao programa; tudo isso sem perder o jeito de fã dos artistas, o que o aproximava ainda mais dos ouvintes.

Big Boy também pode ser considerado o primeiro "profissional multimídia" do show business brasileiro. Programador e radialista eclético, diversificava sua atuação mantendo a ligação da paixão pela música contemporânea nos seus diversos segmentos e movimentos. Além de manter dois programas diários na Rádio Mundial, Big Boy Show e Ritmos de Boite, um na Rádio Excelsior de São Paulo e um semanal especializado em Beatles, o Cavern Club, também na Mundial, atuava como programador, colunista em diversos jornais e revistas, produtor de discos e DJ dos Bailes da Pesada, onde mantinha um contato direto com o público que gostava especialmente de soul e black music, principalmente na Zona Norte do Rio de Janeiro. Em televisão, inovou ao apresentar em sua participação diária no Jornal Hoje da TV Globo, pela primeira vez, film clips com músicas de sucesso do momento. Em seu programa Papo Pop, na TV Record de SP, lançou grupos brasileiros de vanguarda. Foi também o responsável pela implantação do projeto Eldo Pop, no início das transmissões em FM no Brasil. A lendária rádio (antiga Eldorado FM), especializada em rock progressivo, visava contemplar um público restrito mas altamente especializado em seu gosto musical e que encontrava ali um veículo de expressão da autêntica música de vanguarda. Chegou a participar como ele mesmo da novela cômica Linguinha, ao lado do humorista Chico Anysio (TV Globo - 1970).
Ao longo de toda sua vida profissional, Big Boy continuou ampliando sua coleção. Em diversas viagens a outros países apurou seu acervo, buscando raridades como "discos piratas" de tiragens limitadíssimas. Ao morrer havia juntado cerca de 20 mil títulos, entre LPs e compactos, na maioria importados, que abrangem diversos gêneros musicais como rock, jazz, soul music, rock progressivo, música francesa, trilhas sonoras de filmes, orquestrais, etc. Como um todo, a discoteca Big Boy constitui-se num acervo cultural importantíssimo, pois retrata vários períodos do cenário discográfico mundial e, mais do que uma coleção, trata-se da síntese do trabalho de um profissional que ousou inovar.
Morreu sufocado por um ataque de asma, num quarto de hotel em São Paulo.


domingo, 3 de fevereiro de 2013

WILSON PICKETT


Wilson Pickett (18 de março de 1941– 19 de janeiro de 2006) era um cantor de soul music, que ficou conhecido pelos sucessos “Mustang Sally” e “In the Midnight Hour”.













Nascido em 18 de março de 1941 em Prattville, Alabama, Pickett cresceu em uma casa pobre ao lado de dez irmãos e irmãs, uma mãe violenta e um avô pastor que batia nele toda vez que o escutava cantando músicas pagãs.
Pickett mudou-se para Detroit ainda adolescente, com o pai, e viu-se atraído rapidamente pelo som feito por cantores locais como Jackie Wilson e Little Willie John.
Apesar de se considerar um cantor de gospel, o norte-americano foi convidado para ingressar em um grupo de R&B chamado The Falcons.


Em 1964, assinou com a Atlantic Records e foi enviado para gravar em Memphis depois de seus primeiros discos terem passado em branco.
Curiosidade: Pickett foi incluído no Hall da Fama do Rock em 1991 e viu sua carreira ressurgir naquele ano, quando foi lançado o filme “The Commitments - Loucos pela Fama”, sobre uma banda de Dublin que o idolatrava.