domingo, 30 de setembro de 2012

TRIO ESPERANÇA



Trio Esperança é um conjunto vocal formado no Rio de Janeiro em 1958 pelos irmãos Mário, Regina e Evinha.
Estreou em 1961 no programa de calouros de Hélio Ricardo e em seguida passou a apresentar-se no programa de José Messias, na Rádio Mundial, do Rio de Janeiro,




O sucesso foi atingido com o lançamento de Filme Triste (Sad Movie, versão de Romeu Nunes), incluído no LP "Nós Somos Sucesso" em 1963, ao lado da música, O Sapo (Jaime Silva e Neusa Teixeira).
O trio apresentou-se no programa Jovem Guarda, da TV Record, de São Paulo, destacando-se com Meu Bem Lollipop (My Boy Lollypop, versão de Gerson Gonçalves), Festa do Bolinha (Roberto Carlos e Erasmo Carlos), Gasparzinho (Renato Correia).




Em 1968 a cantora Evinha deixou o grupo e passou a atuar sozinha, conseguindo o primeiro lugar, no "IV FIC", com a música, Cantiga por Luciana (Paulinho Tapajós e Edmundo Souto).
Integrado por outra irmã, Marisa, o conjunto gravou o LP "Trio Esperança", em 1970, com Primavera (Cassiano e Rochael); "Trio Esperança", em 1971, com Na Hora do Almoço (Belchior); "Trio Esperança", em 1974, com Arrasta a Sandália (Roberto Correia e John Lemos); e "Trio Esperança", em 1975, com Marambaia (Henricão e Rubens Campos), todos na EMI-Odeon.
Residindo na Europa, as irmãs Eva, Regina e Mariza continuam ativas.

INTEGRANTES
    Mário Correia José Maria (Rio de Janeiro, 1948)
    Regina Correia José Maria (Rio de Janeiro, 1946)
    Eva Correia José Maria, a Evinha (Rio de Janeiro, 1951)
    Marisa Correia José Maria, (Rio de Janeiro, 1957)



terça-feira, 25 de setembro de 2012

CARLOS SANTANA

Carlos Alberto Santana Barragán, mais conhecido como Santana ou Carlos Santana (Autlán de Navarro, 20 de julho de 1947), é um conhecido guitarrista e compositor mexicano. Tornou-se famoso na década de 1960 com a banda Santana Blues Band, conhecida posteriormente apenas como Santana  mais precisamente com a sua atuação no Festival de Woodstock em 1969, onde ganhou projeção mundial.



 O pai de Carlos Santana era um violinista de mariachi, e o jovem Carlos inicialmente aprendeu o violino, porém mudou para a guitarra quando tinha 8 anos de idade. Depois que a família mudou-se para Tijuana, Santana começou a tocar em casas noturnas e bares. Ficou em Tijuana quando sua família decidiu mudar para São Francisco, nos Estados Unidos, porém logo se juntou a eles. Em 1966, ajudou a formar a Santana Blues Band, nome posteriormente encurtado para Santana. A banda começou a tocar no Fillmore West Auditorium, onde muitas das grandes bandas de São Francisco começaram. A primeira gravação de Santana foi The Live Adventures of Mike Bloomfield and Al Kooper, com Al Kooper e Mike Bloomfield.


Depois de assinar com a Columbia Records, Santana lançou um álbum auto-intitulado Santana. O grupo consistia, na época em: Carlos Santana (guitarra), Gregg Rolie (teclado e vocais), David Brown (baixo), Belen Garay (bateria), Jose Areas e Michael Carabello (percussão). Na turnê que fizeram para divulgar o álbum (que incluía os sucessos "Jingo" e "Evil Ways"), a banda tocou no Festival de Woodstock. A apresentação aumentou enormemente a popularidade do Santana. Santana se tornou um grande sucesso, tal como o álbum Abraxas, de 1970 (destacando a música "Oye Como Va") e Santana III, de 1971. Em seguida, a formação original do Santana se desfez. Gregg Rolie se tornou um dos fundadores da banda Journey.
Carlos Santana manteve o nome e utilizou diversos músicos diferentes para continuar a turnê pelo país, lançando vários álbuns. Durante este período, Carlos adotou o nome "Devadip", dado a ele pelo líder espiritual Sri Chinmoy. Vários álbuns foram lançados nas décadas de 1970 e 1980, incluindo colaborações com Willie Nelson, Herbie Hancock, Jones, Wayne Shorter, Ron Carter e The Fabulous Thunderbirds. Em 1991, Santana apareceu como convidado no álbum "Solo Para Ti", de Ottmar Liebert, nas músicas Reaching Out 2 U e numa versão de sua música Samba Pa Ti. Carlos Santana foi incluído no Hall da Fama do Rock em 1998.

                CARLOS SANTANA - EVIL WAYS

Carlos Santana lançou em 1999 o álbum Supernatural, que teve as participações de Rob Thomas, Eric Clapton e Lauryn Hill, ganhando prêmios Grammy em nove categorias, no ano seguinte, igualando um record histórico que somente Michael Jackson detinha.
Santana costuma usar guitarras PRS de modelo próprio (Signature). Foi aclamado pela revista Rolling Stone como o 20º melhor guitarrista de todos os tempos.

 SANTANA NO BRASIL

Santana esteve no Brasil por cinco vezes, 1971, 1973, 1991, 1996 e 2006.
Em 19 de janeiro de 1991, Santana se apresentou no Rock in Rio II, precedido por Vid & Sangue Azul, Supla, Engenheiros do Hawaii, Billy Idol e antecedendo INXS, que fechou a noite.
Em 24 de janeiro de 1991, Santana se apresentou por mais uma noite no Rock in Rio II, precedido por Serguei, Alceu Valença, Laura Finokiaro e antecedendo Prince, que fechou a noite.
Em 3 de junho de 2006, Santana actuou no Rock in Rio em Lisboa, precedido por Jota Quest, Rui Veloso e antecedendo Roger Waters, que fechou a noite.


domingo, 23 de setembro de 2012

JEANNIE É UM GÊNIO ( Seriado)

Jeannie é um Gênio (em inglês, I Dream Of Jeannie) foi uma série de televisão  transmitida de 1965 a 1970. Foi criada e produzida por Sidney Sheldon, distribuída pela Columbia Pictures, composta de cento e trinta e nove episódios. Seu famoso tema musical foi composto por Buddy Kaye e Hugo Montenegro.


O então Capitão Anthony Nelson, piloto da Força Aérea Americana e depois astronauta da NASA, cai acidentalmente numa ilha, onde encontra uma misteriosa garrafa. Ao abri-la, descobre que a mesma era a morada de uma moça chamada Jeannie, que é um gênio das histórias das Mil e Uma Noites, com incríveis poderes e que o chama de "amo". O piloto a liberta, mas a moça se apaixona por ele e o acompanha até sua casa nos Estados Unidos, onde passa a tumultuar a vida do pobre homem e do Dr. Bellows, médico e psiquiatra que acompanha Nelson e tenta descobrir a causa das coisas estranhas que passam a acontecer quando ele está por perto, mas sempre é convencido de que o louco é ele e não o piloto.




O melhor amigo de Nelson, o atrapalhado e metido a Don Juan Roger Healey, acaba por descobrir o segredo da garrafa ao tentar namorar Jeannie quando a conhece na forma de uma moça comum. Embora tente sempre aproveitar os poderes do gênio e até conquistar suas atenções amorosas, Healey se mantém fiel a Nelson durante a série e guarda o segredo do amigo, e até tenta ajudá-lo a sair das enrascadas em que Jeannie o envolve, o que quase nunca consegue.
Quando Nelson não se vê envolvido nas confusões de Jeannie, sofre com todo o tipo de invasão de parentes, amigos e até animais de estimação de Jeannie (um cão invisível que odeia uniformes), todos com poderes mágicos. O depois Major Nelson acaba se rendendo aos encantos de Jeannie e se casa com ela, fato geralmente apontado como o que levou ao fim da série

No Brasil

A série foi exibida primeiramente em 1966, pela TV Paulista, na época braço da Rede Globo em São Paulo e, ao contrário do que ocorreu nos Estados Unidos, foi um grande sucesso (primeira temporada).
Em 1968, a série foi adquirida pela Rede Excelsior, que tratou de providenciar a segunda temporada. Larry Hagman foi entrevistado em sua vinda ao Brasil e se assustou com a sofisticada produção da novela A Muralha.
Com a falência da Excelsior, a série foi para a Rede Record, onde também foram exibidas a terceira, quarta e quinta temporadas inéditas.
Foi reprisada em várias emissoras, como a Band, Rede Tupi e a própria Rede Record. Com a chegada da TV em cores, os episódios da primeira temporada (que haviam sido gravados em preto e branco nos Estados Unidos), foram retirados do ar.
Em 1996, a série retorna na TV por assinatura, pelo canal Warner Channel; a surpresa é a dublagem original preservada. Episódios da primeira temporada em preto e branco também aparecem, alterando a exibição com os coloridos das outras temporadas. Poucos episódios foram exibidos legendados, devido a danificação da dublagem original destes episódios. Ficou no ar até 1998.
A série retorna em 1999, na inauguração da RedeTV!, em pleno horário nobre, e com audiência que surpreende os diretores da emissora. Com isso, em 2001, a rede anuncia uma surpresa: a primeira temporada voltava ao ar, agora colorida por computador. E com a dublagem original. Saiu do ar em 2002, retornando em 2004 pela Rede 21, com exibições que variaram entre diárias e apenas duas vezes por semana.

Elenco

    Barbara Eden - Jeannie

    Larry Hagman - Major Anthony Nelson

    Bill Daily - Major Roger Healey

    Hayden Rorke - Dr. Bellows

    Emmaline Henry - Amanda Bellows

    Barton MacLaine - General Peterson

    Vinton Hayworth - General Shaeffer

    Bill McKinney
 

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

SMOKEY ROBINSON & THE MIRACLES

William "Smokey" Robinson, Jr. (nascido em 19 de fevereiro de 1940) é um cantor, compositor e produtor de R&B e soul norte-americano. Sua imagem é frequentemente associada à gravadora Motown, tendo sido vice-presidente da gravadora entre 1961 e 1988. Ficou, então conhecido como "King of Motown" (Rei da Motown).


William Robinson, Jr. nasceu e cresceu no distrito de North End, em Detroit, Michigan. Foi apelidado de "Smokey Joe" por seu tio que à época era fã de um personagem western. Anos mais tarde, William percebeu o significado pejorativo de seu apelido, que era dirigido como ofensa à pessoas negras. Durante a adolescência o apelido foi encurtado para "Smokey", e o futuro astro passou a dedicar-se especialmente à música. Era fã de Nolan Strong & The Diablos, um prestigiado grupo musical das décadas de 50 e 60, especialmente pela voz de tenor de Nola Strong. Em 1955, Robinson criou um grupo musical chamado The Five Chimes com seu melhor amigo Ronald White e seus amigos Pete Moore, Clarence Dawson e James Grice. Dois anos depois o grupo recebeu mais dois compenentes, os primos Emerson e Bobby Rogers.


Teve um papel importante na carreira de Michael Jackson à época da Motown, sua gravadora inicial. Veio a público, à época do falecimento deste, para dizer que não acreditava na culpa de Jackson com relação à acusação de pedofilia. Cantou a música "They Don't Care About Us", juntamente com Usher, Beyoncé, Carrie Underwood, em homenagem à Michael, no Grammy de 2010.

Smokey Robinson também participou e liderou  ativamente  com the Miracles. Fundando em Detroit, Michigan, os Miracles foram o primeiro grupo de sucesso produzido por Berry Gordy, dono da Motown Records, e um dos primeiros a assinar com a gravadora surgida no final da década de 1950.
Durante os seus dezenove anos na ativa, os Miracles emplacaram cerca de 50 de suas gravações nas paradas musicais dos Estados Unidos - entre canções de doo wop, soul, R&B e disco. Foram 26 canções que atingiram a lista Top 10 R&B da Billboard, sendo quatro delas primeiros lugares. Dezesseis canções dos Miracles estiveram no Top 20 Pop, sete chegaram ao Top 10 Pop e duas - "The Tears of a Clown", em 1970, "Love Machine" (Parte 1) - alcançaram o topo da principal lista da Billboard.


Em 2004, a revista Rolling Stone ranqueou Smokey Robinson & the Miracles na #32 em sua lista The Immortals: 100 Greatest Artists of All Time.


domingo, 16 de setembro de 2012

CHRIS MONTEZ

Chris Montez (Los Angeles, 1943) é um cantor estadunidense.Montez cresceu em Hawthorne e foi influenciado pela cultura hispânica e pelo rock 'n roll de Ritchie Valens em seus primeiros trabalhos. A música era parte integrante de sua vida familiar e Chris começou a cantar rancheras com seus irmãos mais velhos quando era menino. Eles o ensinaram a tocar violão e a cantar com notas altas. Pouco depois, Chris gravaria All You Had to Do Was Tell Me, que tornou-se um hit local.

Em 1962, Chris gravou o single Let's Dance, que chegou ao Top 10. Ele viria então a excursionar com Clyde McPhatter, Sam Cooke, The Platters e Smokey Robinson. No ano seguinte, enquanto estava em Liverpool com Tommy Roe, seu show foi aberto por um novo grupo inglês chamado The Beatles.
Após três anos na estrada, Montez voltou para casa em 1965 para terminar seus estudos e gravar um disco pela gravadora A & M. Herb Alpert, que sugeriu que ele cantasse baladas suaves. Em um estilo mais conservador, foram gravados os sucessos The More I See You, There Will Never Be Another You, Call Me e Time After Time.




Enquanto o rock britânico e o rock psicodélico invadiam os Estados Unidos, Chris trocou sua gravadora antiga pela CBS International e acumulou uma seqüência de hits fora dos EUA que o firmaram como uma estrela internacional. Ele tem músicas gravadas em inglês e espanhol que fizeram sucesso especialmente na Áustria, na Alemanha e na Holanda.


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

OS VIPS

Os Vips foi uma dupla vocal brasileira formada por Ronaldo Luís Antonucci e Márcio Augusto Antonucci.
No iníco da carreira cantavam sozinhos, sob os nomes Ronald Red e Jett Williams, mas no programa de TV Festival dos Bairros, em 1964, resolveram cantar em dupla. Palmeira e Alfredo Corletto, produtores da gravadora Continental, assistiam o programa, e os contrataram.

A primeira gravação da dupla em 1964 foi “Tonight”, composição deles com letra em inglês, incluída no LP da Record “Reino da juventude”, reunindo artistas participantes do programa homônimo apresentado por Antônio Aguilar. O nome da dupla foi escolhido por causa do filme The Vips (1963), com Richard Burton e Elizabeth Taylor, aqui traduzido como Alta Sociedade.
A dupla teve vários sucessos, na grande maioria composições de Roberto Carlos: “A volta” (1966); “Emoção” (1965); “Faça alguma coisa pelo nosso amor” e, com a mudança para a CBS, em 1968, com as músicas também de Roberto: “É preciso saber viver” (1968) e “Largo tudo e venho te buscar”.


Gravaram uma série de versões dos Beatles, como Menina Linda (I Should Have Known Better), Coisas Que Acontecem (Things We Said Today), Obrigado Garota (Thank You Girl), Michelle e Submarino Amarelo.
Em 1968 o programa Jovem Guarda foi cancelado pela TV Record; Márcio acabou se mudando para o Rio para trabalhar na Som Livre, enquanto Ronald permaneceu em Santana para montar negócios com o dinheiro ganho pela dupla. O primeiro empreendimento foi o Vip’s Burguer, de 1968, em Santana. O Vip’s Burguer virou rede, com uma filial aberta na Alameda Jaú, nos Jardins, e outra em Atibaia. Em 1969, teve início o Vip’s Buffet, na Avenida Nove de Julho. O bufê e as lanchonetes foram vendidos, posteriormente.
Em 1970, voltaram à Continental e, sob o nome artístico Márcio e Ronaldo, gravaram sucessos como “Só até sábado” (de Lilían Knapp). Em 1976, a dupla se separou e Márcio se tornou produtor da gravadora Som Livre.
Em 1990, um retorno da Jovem Guarda lotou o Asa Branca no Rio de Janeiro. Reunidos, gravaram um LP ao vivo pela Som Livre (“A volta”, lançado em janeiro de 1991 e que vendeu 300 mil cópias). Em 1995, foi lançado um CD quíntuplo com 29 artistas, capitaneados pelos Vips, para comemorar os 30 anos do movimento, e vendeu 3 milhões de cópias.

Fonte: Wikipédia

 

AH!!...BONS TEMPOS

domingo, 9 de setembro de 2012

NEIL DIAMOND

Neil Leslie Diamond nasceu numa família judaica, no Brooklyn, Nova Iorque, em 24 de janeiro de 1941. É um cantor e compositor, que compôs inúmeros hits nos anos 60, 70 e 80, e até hoje mantém uma multidão de fãs.
Estudou com Barbra Streisand na escola secundarista Abraham Lincoln e chegou a cantar com ela no coro da escola. Aprendeu a tocar guitarra após receber um presente no seu aniversário de dezesseis anos.


Diamond começou cedo sua carreira como compositor na Brill Building. Seu primeiro sucesso aconteceu em novembro de 1965, com a canção “Sunday and Me”, seguida de "I´m a Believer", "A Little Bit Me, A Little Bit You", "Look Out (Here Comes Tomorrow)" e "Love to Love", gravado e lançado por The Monkees. Em 1973, compôs a trilha sonora do filme "Fernão Capelo Gaivota". Freqüentemente Neil canta a história de sua vida, vivida essencialmente em Nova Iorque e Los Angeles. Alguns de seus êxitos: Sweet Caroline, Crackli, Rosie, Song Sung Blue, You D´ont Bring Me Flowers, Play Me, Be, Sepember Morn, Love on the Rocks, Hello Again, America, Heartlight, entre outros. O primeiro casamento de Neil foi com sua professora, Jaye Posner, com quem teve duas filhas, Marjorie e Elyn. O segundo foi com Marcia, com quem teve mais dois filhos, Micha e Joshua. Neil e Marcia se divorciaram também.


Muitos de seus discos ganharam certificados de ouro e de platina. Recebeu diversos Grammys ao longo de sua carreira. Atuou no filme The Jazz Singer, com Sir Lawrence Olivier, em 1980 e em Savins Silverman como ele mesmo. Seu CD mais recente foi lançado em 2008, intitulado Home Before Dark.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

I LOVE LUCY ( Série )

I Love Lucy estreou na emissora americana CBS  em 15 de outubro de 1951, alcançando picos de audiência nos Estados Unidos, onde até hoje Lucille Ball é lembrada como um marco na história da televisão.
O sucesso imediato da série se deveu a uma ideia simples, mas que marcou uma época: pela primeira vez, o cotidiano das famílias da classe média americana era retratado na televisão. O que tornava cada episódio especial era a incrível atuação de Ball e sua capacidade para fazer qualquer um rir. Some-se a isso o fato de que a atriz insistia em atuar com seu marido verdadeiro, Desi Arnaz, o que aumentava a química entre os atores. Inicialmente, os produtores não acreditavam que daria certo, mas Arnaz permaneceu fazendo o papel de Ricky até o fim, contribuindo também com sugestões de roteiro e músicas para a série. 

Os episódios eram filmados ao vivo, a pedido do próprio Arnaz. Três câmeras eram usadas nas gravações, uma técnica considerada ultrapassada na época, porque os patrocinadores não aprovaram a adoção de um sistema mais moderno. Mesmo assim, a produção não foi prejudicada e os esforços de Desi Arnaz permitiram que I Love Lucy acompanhasse a evolução dos programas de TV ao longo dos anos 60.
Consagrado no hall da fama dos programas de TV, I Love Lucy explorou pela primeira vez temas comuns hoje em dia, tais como companheirismo, machismo, feminismo e situações arriscadas que acabam dando errado. Depois, outras séries seguiram o mesmo caminho, mas nunca conseguiram dosar o humor tão bem em situações tão extravagantes. As incansáveis mentes criativas por trás desse projeto incluíam o produtor Jess Oppenheimer e o time de Madelyn Pugh e Bob Carroll - pessoas que Lucille Ball sempre citava como responsáveis por seu sucesso.

 I Love Lucy foi um dos programas mais bem sucedidos da história, permitindo a Ball e Desi comprarem os estúdios RKO para prosseguir com a filmagem da série. Apesar dos altos índices de audiência, os dois resolveram terminar com o seriado em 1957. O casal passou a filmar especiais de uma hora com os mesmos personagens, intitulados The Luci-Desi Comedy Show. Estes, por sua vez, prosseguiram até 1960, quando Ball e Arnaz se divorciaram.
A série ganhou vários prêmios. Em 1953 venceu o Emmy na categoria sitcom. No ano seguinte ela venceu na mesma categoria e a atriz Vivian Vance ganhou como melhor atriz coadjuvante. No ano de 1956 Lucille Ball ganhou o Emmy de melhor atriz. A série ainda recebeu quatorze outras indicações ao Emmy em diversas categorias.
Recentemente a última temporada da série, que não havia sido dublada,  recebeu esse trabalho com
um novo elenco

 A História.

Na serie, Lucy era uma dona de casa descendente de escoceses cujo nome de solteira é MacGillicuddy. Lucy era casada com o bandleader cubano Ricky Ricardo, radicado nos Estados Unidos, e que trabalhava no Tropicana Club. Lucy vivia querendo convencer Ricky de que era capaz de entrar para o showbiz, mas o marido achava que ela não tinha qualquer talento artístico, e impedia de todo jeito que ela participasse de seu show.
Por conta do descaso do marido com o seu talento, Lucy interferia frequentemente nos contatos dele, situação que proporcionava a presença nos episódios de figuras consagradas como Orson Welles e Bob Hope, em cenas hilárias. As gags mais conhecidas de Lucy são: o choro agudo e estridente no estilo de Stan Laurel e a boca aberta, característica dos comediantes do cinema mudo, quando não acreditam no que estão vendo.
Na temporada de 1956 -1957, Rick se torna proprietário do Babaloo Club. A principal gag de Rick era o inglês estropiado, possivelmente inspirado em Carmen Miranda, que divertiu os americanos desde que confundiu a pronúncia das palavras "south" com "sauce".
Lucy e sua melhor amiga, Ethel Martz  passavam o tempo todo esquematizando como deixar os maridos felizes, e colocar Lucy no showbiz. Nenhum dos planos funciona. Ricky e Fred, marido de Ethel, sempre descobriam tudo. Mas elas acabavam convencendo os maridos de que estavam tentando fazer o bem.
Lucy teve ainda um filho, chamado Little Rick Ricardo, cujo nascimento foi um evento nacional, pois propositalmente coincidiu com o nascimento real do filho de Lucille Ball e Desi Arnaz. Na telinha, o garoto vivido por Keith Thibodeaux, esteve presente nas temporadas de 1956 e 1957.



No Brasil.

No Brasil, a serie foi exibida pela TV Tupi entre 1958 e 1979; depois, pela TV Gazeta, em 1980, e pela TV Cultura de 1994 a 2000.
O enorme sucesso de I Love Lucy na TV Tupi de São Paulo logo inspirou o surgimento de uma versão nacional: Alô Doçura!, a primeira sitcom brasileira.



domingo, 2 de setembro de 2012

THE STYLISTICS

Os Stylistics nasceram em 1968, quando membros de dois grupos de soul da Philadelphia juntaram-se. Thompkins, James Smith e Airrion Love, do grupo The Monarchs, e James Dunn e Herbie Murrell, do grupo The Percussions. Em 1970, o grupo gravou "You're a Big Girl Now", primeiro hit da carreira.

O sucesso viria a partir de 1972, quando eles assinaram contrato com o selo Avco Records. Depois de trabalhar com os grupos The Spinners e The O'Jays, o compositor e arranjador Thom Bell começou a produzir para os Stylistics. Durante este período, a banda obteve 12 Top 10 consecutivos na parada norte-americana (Billboard), incluíndo "You Are Everything", "Betcha by Golly Wow!", "I'm Stone in Love With You", "Break Up to Make Up" e "You Make Me Feel Brand New", agradáveis baladas, compostas por Thom Bell e Linda Creed, que consagraram os Stylistics como um dos grupos de soul mais populares da primeira metade dos anos setenta - notadamente pelos falsetes de Russell Thompkins Jr. a magnífica produção de Bell.

Mas depois de Bell deixar de produzir o grupo, os Stylistics entraram em declínio nos Estados Unidos, mas ainda permaneceram populares na Europa, particulamente no Reino Unido. Em 1980, Dunn deixou o grupo por motivos de sáude, e anos mais tarde Smith fez o mesmo. Os Stylistics seguiu se apresentando como trio on oldies em concertos nos anos noventa.



 Membros principais

* Russell Thompkins Jr
* James Dunn
* Herbie Murrell
* James Smith
* Airrion Love