quarta-feira, 30 de maio de 2012

ELTON JOHN


Elton Hercules John, nascido Reginald Kenneth Dwight, (Grande Londres, 25 de março de 1947) é um dos mais importantes cantores, compositores e músicos do Reino Unido.
Seu nome artistico advem de dois integrantes de sua antiga banda, Bluesology - Elton Dean (saxofonista) e Long John Baldry (lider da banda).
Nascido no subúrbio de Pinner, Middlesex, estudou na Pinner County Grammar School e ganhou uma bolsa escolar aos onze anos de idade para a Royal Academy of Music.
A carreira de Elton John atravessa a quarta década de ininterrupto sucesso. Nos anos setenta, época que muitos consideram como sendo o auge de sua carreira (foi considerado o segundo artista mais importante dessa década, superado apenas por Paul McCartney), já podia ser considerado como um dos maiores astros pop do planeta.

 Ainda na adolescência, integrou o grupo de blues Bluesology. Em 1967 estabeleceu parceria com o letrista Bernie Taupin, com o qual lançou grande parte de sua obra musical, mantendo-se a parceira até os dias de hoje.
Apesar de ter lançado o disco Empty Sky em 1969, que não trazia em seu repertório algum imediato sucesso , a guinada de sua carreira ocorreu com o lançamento do disco Elton John, de 1970, que o lançou como cantor de sucesso nos Estados Unidos e trouxe ao público um de seus maiores sucessos, a canção "Your Song".

Dentre seus discos de maior sucesso, destacam-se Goodbye Yellow Brick Road (1973) e Captain Fantastic and The Brown Dirt Cowboy, este último de 1975. São também os seus discos mais bem colocados no ranking de melhores discos do século XX elaborado pela revista Rolling Stone.
Além de Bernie Taupin, outros letristas trabalharam com Elton, entre os quais Gary Osborne e Tim Rice. Enquanto a parceria com o primeiro está presente nos discos A Single Man, 21 at 33, The Fox, Jump Up! e Leather Jackets, o trabalho com o segundo, iniciada com a música Legal Boys, de 1982, resultou anos depois na soundtrack dos filmes O Rei Leão (1994), com a qual Elton ganhou o Oscar de melhor trilha sonora, e O Caminho Para Eldorado (2001).

É o único artista que até hoje conseguiu obter seis lançamentos consecutivos no primeiro lugar da Billboard, sendo detentor, ademais, do recorde de single de maior vendagem da história, com a adaptação feita em 1997 da canção Candle in the Wind em homenagem à amiga pessoal, Princesa Diana, totalizando um total de quarenta milhões de cópias vendidas.
Elton John manteve-se em evidência na década de 1980, época em que lançou um álbum inédito por ano, levando ao público hits como I Guess That's Why They Call It The Blues, I'm Still Standing, Sacrifice, Nikita e diversos outros. Apesar de ter declarado sua bissexualidade em 1976, em entrevista à revista Rolling Stone, casou-se com a engenheira de som Renate Blauel em 1984, tendo a união se dissolvido em 1988. Em 2005 celebrou contrato de parceria civil com David Furnish, com o qual vive desde meados da década de 1990.


Embora tenha diminuído o ritmo de lançamento de novos discos, Elton John permaneceu em evidência na década de 1990, lançando canções de sucesso como Can You Feel The Love Tonight, The One, Something About The Way You Look Tonight, Blessed. É considerado um dos maiores e mais influentes artistas da atualidade, lançando novos trabalhos regularmente. Nos últimos anos compôs os musicais Billy Eliot e Lestat, que ficaram em cartaz na Broadway.
É filantropo: participou do Live Aid de 1985, ao lado de artistas como David Bowie, Sting, Phil Collins, entre outros, além de manter uma fundação para combate da Aids, tida como a maior do mundo no gênero, criada em 1992. No mesmo ano, se apresentou junto com o Guns N' Roses no Video Music Awards 92.

Elton sempre teve o sonho de ser dono de uma equipe de futebol pelo qual torcia, o Watford FC, tendo realizado esse projeto em 1976, quando então o clube figurava na série B da Liga Inglesa. Injetou recursos para contratações, levando a equipa até a primeira divisão. Vendeu-a em 1987. Também ajuda um clube de futebol da Austrália. É dono de um restaurante em Hollywood.
Em 1986, foi sujeito a uma intervenção cirúrgica na garganta, em virtude de lhe ter sido diagnosticado pequenos nódulos nas suas cordas vocais, consequência da quantidade de marijuana que fumava nessa altura. Este facto veio a impor uma mudança profunda na sua voz, que se tornou mais grave e profunda, perdendo por completo o seu famoso falsete.

Em 1992, Elton cantou com o Queen a música "The Show Must Go On" no Freddie Mercury Tribute Concert. Ele cantou neste mesmo concerto em homenagem ao Freddie Mercury, a música Bohemian Rhapsody, junto com Axl Rose e os integrantes restantes do Queen.
Em 2007, Elton John comemorou o seu aniversário de 60 anos realizando o seu sexagésimo show no Madison Square Garden, em Nova York. O discurso de abertura do espetáculo foi feito pelo ex-presidente dos Estados Unidos da América, Bill Clinton.



sábado, 26 de maio de 2012

FLAMING STAR (Filme com Elvis Presley)



Flaming Star (br: Estrela de Fogo; pt: A Lança em Chamas) é um filme  de 1960, do gênero faroeste, dirigido por Don Siegel. Estrelado por Elvis Presley, é considerado um dos melhores momentos de sua carreira cinematográfica. Muitos afirmam, que Elvis mostrou enfaticamente neste filme, que ele só necessitava de material de qualidade para que ele mostrasse o seu talento como ator.

Flaming Star (br: Estrela de Fogo; pt: A Lança em Chamas) é um filme  de 1960, do gênero faroeste, dirigido por Don Siegel. Estrelado por Elvis Presley, é considerado um dos melhores momentos de sua carreira cinematográfica. Muitos afirmam, que Elvis mostrou enfaticamente neste filme, que ele só necessitava de material de qualidade para que ele mostrasse o seu talento como ator.

A história se passa no ano de 1870 no estado do Texas. Elvis interpreta um descendente de índio, o seu pai é um homem branco e sua mãe é de descendência indígena. O filme trata da rivalidade entre os homens brancos e os índios, o personagem de Elvis, Pacer Burton, fica no meio desse conflito, tendo assim que escolher em qual lado ficar. Seu pai e seu irmão ficam do lado branco e tudo piora depois da morte de sua mãe. Talvez por isso ele defenda sua família dos ataques dos índios, a partir daí o conflito está armado.


Elenco

Elvis Presley .... Pacer Burton
Steve Forrest .... Clint Burton
Dolores del Rio .... Neddy Burton
Barbara Eden .... Roslyn Pierce

Trilha sonora

Flaming Star (Black Star)
Summer Kisses, Winter Tears
Britches
A Cane And a High Starched Collar



quarta-feira, 23 de maio de 2012

THE SHIRELLES

The Shirelles surgiu em 1958, tendo sido formado por Shirley Owens Alston Reeves, Doris Coley Kenner Jackson, Addie "Micki" Harris McPherson e Beverly Lee, quatro amigas de Passaic, New Jersey. No início, elas se chamavam The Poquellos e começaram a participar de concursos de talentos em sua escola, cantando à capela uma canção de sua autoria chamada I Met Him on a Sunday. Florence Greenberg. mãe de uma amiga comum do grupo ficou impressionada com sua performance e se tornou sua empresária. O nome do grupo foi mudado para The Shirelles, combinando o nome da vocalista principal Shirley com o nome de um grupo contemporâneo chamado The Chantels.
A música do grupo foi licenciada pela Decca Records e chegou ao Top 50 das paradas. Outros singles chegaram a ser lançados mas Greenberg preferiu criar um selo próprio, Scepter Records, onde o grupo gravou em 1959 o single Dedicated to the One I Love, música que elas aprenderam "de cor" ao verem a performance do grupo The 5 Royales. Nessa época, começaram a trabalhar com o produtor Luther Dixon, que seria o responsável pelo som característico do grupo.


Em 1960, gravaram seu segundo single pela Scepter, Tonight's the Night. Tanto o single anterior como este chegaram ao modesto posto Top 20 e Top 40, respectivamente. No mesmo ano, veio o grande sucesso do grupo, Will You Love Me Tomorrow? (de Goffin & King) que chegou ao primeiro lugar nos EUA nas paradas pop e em segundo na parada de R & B. The Shirelles foi o primeiro grupo vocal feminino a conseguir esse feito, com músicas nos primeiros lugares. Na Inglaterra, elas alcançaram a segunda posição nas paradas britânicas.
Nos três anos seguintes (1961 a 1963), o grupo continuou lançando êxitos. Em 1961, uma reedição de Dedicated to the One I Love chegou ao Top 5 das paradas e o single Mama Said conseguiu o mesmo. O single Big John foi mais longe, chegando ao segundo lugar. Em 1962, o single Soldier Boy (composição de Luther Dixon e Florence Greenberg) alcançou o primeiríssimo lugar. Baby It's You (de Burt Bacharach, Mack David e Luther Dixon usando o pseudônimo Barney Williams). Em 1963, o single Foolish Little Girl alcançou o quarto posto das paradas de R & B e o nono posto das paradas pop.

Em 1964, a parceria bem sucedida entre o grupo e seu produtor chegou ao fim ao mesmo tempo em que seus singles sumiram das paradas musicais, especialmente por causa do advento da Beatlemania e consequente Invasão Britânica, a Segunda Onda. Ironicamante, algumas de suas músicas (alguns números obscuros e grandes hits) relembradas através de covers gravados pelas bandas inglesas como os Beatles, como sua Baby It's You e Boys (lado B do grande êxito do grupo Will You Love Me Tomorrow) em seu álbum de estréia Please Please Me (1963) e o Manfred Mann que gravou Sha la la (1964), que foi um de seus grandes hits. Isso sem falar no sucesso alcançado pela banda americana The Mamas & The Papas com sua versão de Dedicated to the One I Love (1965). Após uma disputa judicial ocorrida nesse ano entre o grupo e a gravadora que foi logo resolvido com uma acerto financeiro, elas gravaram algum material para a trilha sonora do clássico dos filmes de comédia It's a Mad, Mad, Mad, Mad World (Deu a Louca no Mundo). Também ajudaram a gravadora Scepter a lançar uma jovem cantora americana chamada Dionne Warwick, que chegou a atuar como substituta de suas componentes Shirley e Doris, cobrindo suas respectivas licenças-maternidade. Ela acabou fazendo muito sucesso.

 Em 1967, o grupo fez sua derradeira aparição com o single chamado ironicamente Last Minute Miracle. Um ano depois, tiveram uma baixa: Doris Jackson decidiu sair das Shirelles para se dedicar à sua família. As outras decidiram manter-se juntas como um trio chamado Shirley & The Shirelles e passaram, sem alcançar nenhum sucesso, pelo selo Bell Records e pelas gravadoras United Artists e RCA até 1971.
Na década de 70, apesar de nunca mais terem visitado as paradas de sucesso, elas continuaram atuando no circuito de bandas revival. Em 1973, apareceram no documentário sobre grandes nomes do Rock dos anos 50 e início dos 60 chamado Let the Good Times Roll. Em 1975, a líder Shirley Reeves deixou o grupo para seguir carreira solo ao mesmo tempo que o grupo contava com o retorno de Doris Jackson. Entre 1979 e 1982, Doris deixou novamente o grupo e foi substituída por Louise Bethune.
Em 1982, Doris voltou ao grupo mas  uma das integrantes originais das Shirelles, Micki Harris acabou morrendo devido a um ataque cardíaco durante uma apresentação. Louise acabou sendo sua substituta. Após idas e voltas, em 1983, elas participaram como banda de apoio na versão de Dionne Warwick para seu clássico Will You Love me Tomorrow e na música Get Ride of Him (uma resposta a outro clássico das Shirelles Foolish Little Girl). O grupo finalmente foi desfeito em 1986. Doris começou uma carreira  solo contando com duas integrantes do grupo The Blossoms, Fanita James e Gloria Jones, além da ex-Honey Cone Carolyn Willis que trabalhava de forma ocasional. Beverly também formou seu próprio grupo.

Shirley Reeves, que havia saído do grupo na década anterior, continuou trabalhando com a Scepter Records e seu selo Strawberry, usando seus dois sobrenomes  Alston e Reeves. Ela começou a trabalhar com o selo Prodigal, trabalho paralelo do produtor da Motown Barney Ales. Nesse ano, ela gravou o álbum With a Little Help of My Friends, onde contou com grandes nomes do Doo Wop como Shep & The Limelites, Danny & The Juniors, The Flamingos, Lala Brooks (membro das Crystals) e The Drifters. O sobrinho de Shirley, Gerald Alston, fez parte do conhecido grupo de Soul The Manhattans.
As Shirelles sobreviventes (Shirley, Doris e Beverly) voltaram a se reunir nos anos 90 para um evento em sua escola em Passaic, New Jersey, onde o grupo fora formado. Em 1996, se reuniram de novo para participar de um disco de Bo Diddley, atuando em algumas faixas. Nessa época, elas foram introduzidas no Rock and Roll Hall of Fame.

Doris Colley Kenner Jackson morreu em 2000, aos 58 anos, devido a um câncer de mama e suas companheiras Fanita e Gloria retomaram The Blossoms. Em 2004, o grupo escolhido pela  revista Rolling Stone como um dos 100 melhores artistas de todos os tempos, na 76ª posição e duas músicas das Shirelles foram escolhidas para figurarem na lsita das 500 melhores canções de todos os tempos: Will You Love Me Tomorrow (125ª colocação) e Tonight's the Night (401ª colocação). Sua cidade natal, em homenagem a suas ilustres cidadãs, deu o nome de Shirelles Boulevard ao encontro de algumas vias principais de Passaic.

Beverly Lee tornou-se dona dos direitos sobre o nome do grupo, sendo a única remanescente da formação original. Além de manter o legado do grupo, fazendo apresentações em revivals, ela tem lutado para que sejam implementadas leis para ajudar aos membros veteranos de grupos vocais e artistas do Rock esquecidos.

Fonte: Wikipédia




domingo, 20 de maio de 2012

THUNDERBIRDS (Seriado)


Thunderbirds (ou Thunderbirds em ação) foi um seriado infanto-juvenil para televisão muito popular, produzido entre 1965 e 1966 por Gerry Anderson e Sylvia Anderson. O seriado consistia em animação com marionetes (chamado nos créditos da série de Supermarionation). O casal de produtores também produziu outros seriados com marionetes como Joe 90, Capitão Escarlate, Stingray e Fireball XL-5.

Thunderbirds tratava das missões de uma organização secreta de resgate internacional, formada pela família Tracy e alguns empregados, que possui um arsenal de foguetes e máquinas escondidas em uma ilha secreta. Seu lider é Jeff Tracy, um ex-astronauta milionário, pai de Scott Tracy, Virgil Tracy, Alan Tracy, Gordon Tracy e John Tracy. Compõem ainda os personagens da história Kyrano, empregado dos Tracy, e sua filha Tintin.


As máquinas mais conhecidas, que apareceram no seriado, foram:
    Thunderbird 1 - era uma nave que decolava como foguete, de baixo da piscina que se abria, mas voava como avião e era usada para ir na frente preparando a chegada dos equipamentos de resgate. Seu piloto é Scott Tracy;
    Thunderbird 2 - a nave de carga que levava os equipamentos para o local de ação, inclusive carregava frequentemente o Thunderbird 4 e/ou a "Toupeira (do original 'Mole')". Ele é pilotado por Virgil Tracy;
    Thunderbird 3 - era um foguete, que decolava em meio a um prédio, usado em missões no espaço. O astronauta que o pilota é Alan Tracy;
    Thunderbird 4 - um pequeno submarino, para missões no fundo do mar. Seu piloto é Gordon Tracy;
    Thuderbird 5 - era uma estação espacial para monitorar as comunicações da terra. Seu controlador é John Tracy;
    Toupeira (do original "Mole") - era um engenho mecânico, capaz de perfurar o solo para missões em baixo da terra.
Todas estas máquinas eram fruto da genialidade do engenheiro Brains, personagem que usava óculos "fundo de garrafa". A sequência de lançamento de cada uma das naves era deliciosa, incluindo escorregadores e rampas de lançamento, sempre com a música tema ao fundo.


Um outro personagem importante da trama é Lady Penelope, a agente de Londres, sempre com seu mordomo e motorista Parker (um ex-ladrão que de vez em quando voltava às velhas práticas), normalmente em aventuras a bordo de um incrível Rolls-Royce futurista de seis rodas chamado Fab-1.
Frequentemente o resgate internacional envolvia-se nas tramas armadas pelo seu arqui-inimigo, cujo nome era Hood. Hood, que é irmão de Kyrano, tinha poderes hipnóticos e era um mestre dos disfarces.
Também houve dois longa metragens para cinema, intitulados Thunderbirds are go e Thunderbirds 6, produzidos em 1966 por Sylvia Anderson, usando também marionetes e maquetes como na televisão. Finalmente, em 2004 foi lançada uma reedição de Thunderbirds are go, desta vez com atores de verdade e efeitos de computador.



AH!!...BONS TEMPOS

quarta-feira, 16 de maio de 2012

FATS DOMINO

Fats Domino (26 de fevereiro de 1928 - Nova Orleans, Louisiana) é um dos mais importantes cantores, compositores e pianistas do rock e R&B em todos os tempos. Seu nome completo de batismo é Antoine Dominique Domino.
Domino atraiu a antenção do nacional com a música "The Fat Man" em 1949 gravada pela Imperial Records. Essa música é uma das primeiras gravações de rock and roll, apresentando piano ritimado e Domino cantando "wah-wah" acompanhado de uma batida forte. A gravação vendeu mais de um milhão de cópias, e é tida como a primeira gravação de rock n roll a fazer isso.
 Fats Domino lançou uma série de hits com o produtor e co-compositor Dave Bartholomew, os saxofonistas Herbert Hardesty e Alvin "Red" Tyler e o baterista Earl Palmer. Outros músicos notáveis e companheiros de longa data na banda de Fats foram os saxofonistas Reggie Houston, Lee Allen, e Fred Kemp. Fats finalmente passou para o mainstream da música pop om "Ain't That a Shame" (1955), que alcançou o top 10, mais tarde Pat Boone alcançou a primeira posição com uma versão cover da música que obteve um alcance maior de audiência tocando em rádios na época da segregação racial. Domino teve 37 singles no Top 40.

O primeiro álbum de Fats Domino, "Carry on Rockin", foi lançado em novembro de 1955 e subsequentemente relançado como Rock and Rollin' with Fats Domino in 1956. Combinando uma quantidade de hits e algumas faixas que ainda não haviam sido lançadas como single o álbum alcançou com seu título alternativo o número 17 no Top 200 de álbums pop da Billboard. Sua versão para a música de 1940 de Vincent Rose, Al Lewis e Larry Stock, "Blueberry Hill" alcançou o segundo lugar no Top 40, foi primeiro lugar nas paradas R&B por 11 semanas, e foi seu maior hit. "Blueberry Hill" vendeu mais de 5 milhões de copias no mundo entre 1956 e 1957. A música havia sido gravada anteriormente por Gene Autry e Louis Armstrong entre outros. Ainda teve outros singles que viraram hits entre 1956 e 1959, incluindo "When My Dreamboat Comes Home" , "I'm Walkin'" , "Valley of Tears",  "It's You I Love", "Whole Lotta Loving", "I Want to Walk You Home" , e "Be My Guest
Fats aparece em dois filmes lançados em 1956: Shake, Rattle & Rock! e The Girl Can't Help it.
Em 2 janeiro de 1956 um tumulto acabou com um show de Fats Domino em Fayetteville, NC, a polícia teve que utilizar bombas de gás para controlar a multidão. Fats pulou de uma janela para evitar a briga; ele e outros dois componentes da banda tiveram ferimentos superficiais.
Até o começo de 1962 Fats continuou lançando uma série de sucessos pela Imperial Records, incluindo "Walkin' to New Orleans" (1960) , co-escrita por Bobby Charles, e "My Girl Josephine" no mesmo ano. Depois que a gravadora foi vendida no começo de 1963, Fats abandonou o selo. "Fiquei preso a eles até eles serem vendidos" foi o que declarou em 1979. Ao todo, Domino gravou mais de 60 singles pelo selo, colocando 40 músicas no top 10 das paradas R&B, e 11 singles no top 10 das paradas Pop. Vinte e dois dos singles por Fats na Imperial Records foram hits double-side.

Fats se mudou para a gravadora ABC-Paramount Records em 1963. A empresa fez com que ele fizesses gravações em Nashville ao invés de New Orleans. Também assinou com um novo produtor (Felton Jarvis); A colaboração de longa data de Domino com o produtor/arranjador/frequente co-escritor Dave Bartholomew, que participou de todos seus hits no tempo da Imperial, parecia ter acabado.
Apesar da falta de sucesso ele continuou gravando regularmente até meados de 1970, deixando a ABC-Paramount no meior de 1965 fazendo gravações para vários outros selos: Mercury, a pequena gravadora de Dave Bartholomew "Broadmoor", e Reprise. A última música de Fats que alcançou as paradas foi uma gravação feita pela Reprise, de uma cover música cover dos Beatles "Lady Madonna" que chegou ao número 100 em 1968. Ele também continuou se apresentando em shows durante a década.

Nos anos 80, Fats decidiu que não deixaria novamente Nova Orleans, pois recebia uma grande quantia com royalties e muito pouco com turnês, também alegou que não encontrava comida que gostasse em outros lugares. Sua indução ao Rock and Roll Hall of Fame e uma indicação para se apresentar na Casa Branca falharam em persuadir Fats a abrir exceções.
Lançou seu último álbum em 2006, “Alive 'n Kickin’”, em benefício da Tiptina Foundation, fundação que apóia a herança musical de New Orleans, principalmente após o Furacão Katrina que arrasou a cidade em agosto de 2005.




domingo, 13 de maio de 2012

Gary Lewis & the Playboys


Gary Harold Lee Lewis nasceu no dia 31 julho de 1946. Filho do comediante de Hollywood Jerry Lewis, sua mãe Patti era fã do ator Cary Grant e queria o nome de seu primeiro filho Cary, mas o hospital cometeu um erro e registraram o nome como Gary, em vez de Cary. Os familiares de Gary, porém acharam divertido implicar com o acontecido.



Quando adolescente, Gary apareceu em filmes, cantando e atuando antes da idade de 13 anos. Em seu aniversário de 14 anos, no verão de 1960, ganhou uma bateria. Quatro anos mais tarde, ele formou um grupo na área de Los Angeles com os guitarristas David Walker e Al Ramsey, e o guitarrista solo David Costell, o tecladista John West e Gary na bateria. Um dia, dois dos músicos estavam atrasados para o ensaio e quando finalmente chegaram, Gary perguntou: - Onde os Playboys foram? E os outros disseram: - Ei, esse é um bom nome!
Em 1964, a banda fez um teste para um emprego na Disneyland, sem contar aos empregados da Disney que o pai de Gary era uma celebridade. O diretor de entretenimento do parque de Walt Disney gostou do que viu e ouviu e contratou Gary e os rapazes, na hora, para tocar no Space Bar em Tomorrowland. Os meninos foram entusiasticamente aceitos pelo público na primeira noite e como a notícia se espalhou, não demorou muito para que eles estivessem tocando para uma casa lotada todas as noites. Neste momento a banda se chamava Gary and The Playboys, e o guitarrista Dave Walker era o líder musical e cantava a maioria dos vocais.

 Um produtor de discos chamado Snuff Garrett morava apenas a duas casas de Jerry Lewis. Jerry e Snuff tinham um amigo em comum, o maestro Lou Brown, que havia trabalhado com Jerry desde o tempo da dupla Dean Martin & Jerry Lewis. Snuff pensou que seria uma nova forma de promover um disco - o filho de um famoso artista! A mãe de Gary, Patty Lewis pagou a sessão de gravação que os músicos profissionais Tommy Alsup (guitarra), Carol Kaye (baixo), Leon Russell (piano) e Hal Blaine (bateria) fizeram a base de This Diamond Ring, para Gary cantar. A partir daí, oficialmente o grupo passou a ser Gary Lewis and The Playboys.
Entre 1965 e 1966, Gary Lewis and the Playboys lançaram vários singles. This Diamond Ring (número 1) - Count Me In (número 2) - Save Your Heart For Me (número 2) - She´s Just My Style (número 3) - Everybody Loves A Clown (número 4) - Sure Gonna Miss Her (número 9) e Green Grass (número 8). Apesar do nome da banda, Gary Lewis passou uma imagem sadia. Eles se apresentavam bem vestidos com aparência bem cuidada, cabelos cortados, ficando longe de drogas e álcool.


quarta-feira, 9 de maio de 2012

FRANKIE AVALON


O ator e cantor Francis Thomas Avallone (Frankie Avalon), nasceu em 18.09.39 na Philadelphia, Pennsylvannia, E.U.A.
Iniciou a sua carreira de ator aos 12 anos de idade, com participações em seriados da TV norte americana, tornando-se depois também um bem sucedido cantor “pop”.

O seu auge ocorreu entre os anos de 1958 e 1963, com dezenas de “singles” atingindo altas colocações nos “hit parades” mundiais e participações bem sucedidas em diversos filmes de Hollywood, tais como: “The Alamo”, “Voyage to the Bottom of the Sea”, e os “Beach Party Movies”, muito populares entre os jovens do início dos anos 60.
Os seus maiores sucessos musicais foram: “Venus” e “Why”, ambos “million-sellers”.


Em 1962, o sucesso de Avalon de quatro anos das paradas musicais foi chegando ao fim, mas sua carreira não . Ele se associou com Annette Funicello e se reinventou como um clean-cut, surfista menino-bonito em um lote de grande sucesso de filmes Beach Party. Como um símbolo de sua época, Avalon apareceu  em grease com tema musical em 1978, cantando "Beauty School Drop-out".


Avalon em 1987 junto com Annette Funicello reapareceu em " de volta para a praia", um retrocesso light-hearted que incluiu Dick Dale, "O Rei da Guitarra Surf". Avalon e Funicello continuou a se apresentar juntos em "Nostalgia" shows em todo o país até Funicello se aposentar do show business.

Em abril de 2009, Avalon apareceu como convidado no seriado, American Idol, cantando a música "Vênus".

Frankie Avalon foi considerado um " Pretty faces", junto com Paul Anka e Bobby Rydells.








domingo, 6 de maio de 2012

AVENTURAS SUBMARINAS ( Seriado)


Sea Hunt (br: Aventura Submarina / pt: Caça ao Mar) foi uma lendária série de televisão  protagonizada por Lloyd Bridges, exibida no final dos anos 50 até o começo dos anos 60 num total de 155 episódios pela Ziv produções. O seriado tornou-se muito popular e conhecido por décadas.


Mike Nelson era um mergulhador que vivia aventuras no fundo do mar, a bordo de um barco chamado Argonauta. Ancorado a 12 milhas da baía de Santa Monica, Mike efetua mergulhos freqüentes, pesquisando o fundo do mar. Está série foi criada em 1958 e contava com o ator Loyd Bridges como protagonista.
O barco utilizado para as filmagens era um Trojan Sea Breeze, modelo 346 Express Cruiser.

O seriado também contou em sua produção, com mergulhadores profissionais famosos como Zale Parry e Albert Tillman, que davam consultoria a várias cenas de mergulho, além da sensação da natação aquática feminina Wende Wagner.

Também contou com outros nomes ilustres, como um dos pioneiros da fotografia subaquática cinematográfia Lamar Boren, que trabalhou em outras produções de Ivan Tors, como Flipper e três filmes de James Bond.
No início o criador Ivan Tors teve dificuldade em vender o seriado. Apresentou a grandes redes como a CBS, NBC e ABC, mas nenhum deles mostrou interessado, pois nenhum deles acreditou num seriado de aventuras envolvendo um ex-mergulhador. Provavelmente eles devem ter se arrependido, pois a série passou a ser distribuída em syndicated e se tornou um dos programas mais assistidos de sua época.

A série foi criada, desenvolvida e produzida por Ivan Tors, tendo como produtores executivos Frederick W. Ziv e Maurice Zive e realizada através da Ziv TV, com música tema de abertura e encerramento composto por David Rose.
O seriado foi exibido originalmente nos Estados Unidos, em syndicated, entre 4 de janeiro de 1958 a 23 de setembro de 1961, num total de 155 episódios, de aproximadamente 30 minutos cada, em quatro temporadas, em preto e branco.
No Brasil Os episódios tinham 15 minutos de duração e eram apresentados nos anos 50 e 60, na TV Record, às 18h, aos sábados. Posteriormente a série foi apresentada em outros canais.
 

AH!!...BONS TEMPOS

quarta-feira, 2 de maio de 2012

JAMES TAYLOR


James Vernon Taylor

Nascido em 12 de março de 1948, em Belmont, Massachusetts (EUA)
Começou sua carreira no final dos anos 60, ligado a folk-rock da época. Como não conseguia espaço em seu próprio país, foi tentar a sorte na Inglaterra, sendo um dos primeiros contratados da gravadora dos Beatles, a Apple Records. Mas as gravações que realizou no período 68/69 não chamaram a atenção e ele voltou para os EUA.


Utilizou muitas músicas deste período para seu primeiro album de sucesso Sweet Baby James(69), lançado na América. A partir daí, colecionou hits: “Caroline on my mind”, “Fire and rain”, “Mexico”, “Her town too”, “Shower the people” e “How sweet is it” estão entre os mais destacados. Com vocais serenos, naturais, introduziu o que foi chamado nos anos 70 de soft-rock, uma sonoridade acústica, com pitadas de folk e pop, que fez muito sucesso.
Com este jeito calmo e introspectivo, o artista foi um ícone dos anos 70 e conquistou fãs em várias gerações. A maioria dos seus álbuns alcançou vendagens recordes, que lhe renderam um disco de diamante por bater mais de dez milhões de cópias em sua carreira.


Sua interpretação mais conhecida é a canção de Carole King, “You’ve got a friend”, gravada no álbum Mud Slide Slim and The Blue Horizon (1971), que foi responsável pelo Grammy de Melhor Cantor Pop que conquistou. O mesmo feito foi realizado novamente, em 1978, com “Handy Man", de JT (1977).
Apesar do sucesso, James Taylor foi dependente de heroína por muitos anos e isto prejudicou sua carreira. Os álbuns que lançou após 1977 foram mal recebidos pela crítica. Diziam que ele havia perdido sua inspiração como compositor. That’s Why I’m Here (1985), trabalho lançado após sua participação no Rock in Rio 1, representou uma retomada, recebendo uma acolhida crítica favorável.

James Taylor protagonizou um dos momentos mais emocionantes do festival brasileiro. Numa época em que ele enfrentava períodos ruins, com dependência de drogas e o divórcio com a também cantora Carly Simon, o músico declarou que pensava em abandonar a carreira logo depois de se apresentar no Brasil. Porém, comovido com a inesperada recepção do público brasileiro (cerca de 250 mil pessoas) decidiu ali, retomar as rédeas de sua carreira, versão que é sustentada pelo próprio até hoje, em entrevistas que concede. Em homenagem ao ocorrido, Taylor até compôs a balada "Only a dream in Rio" (Apenas um sonho no Rio), que integrou That's Why I'm Here, na qual declama versos em agradecimento como “I was there that very day and my heart came back alive” (“Eu estava lá naquele dia e meu coração voltou à vida”). Anos mais tarde, ao ser convidado para participar da terceira edição do evento, em 2001, Taylor declarou que para ele “era questão de honra” participar da festa.





Discografia:

James Taylor (1968)
Sweet Baby James (1970)
James Taylor and the Original Flying Machine (1971) — gravado 1966–1967
Mud Slide Slim and the Blue Horizon (1971)
One Man Dog (1972)
Walking Man (1974)
Gorilla (1975)
In the Pocket (1976)
Greatest Hits (1976)
JT (1977)
Flag (1979)
Dad Loves His Work (1981)
That's Why I'm Here (1985)
Never Die Young (1988)
New Moon Shine (1991)
(LIVE) (1993)
(Best LIVE) (1994)
Hourglass (1997)
Greatest Hits Volume 2 (2000)
October Road (2002)
The Best of James Taylor (2003)
James Taylor: A Christmas Album (2004);
One Man Band (2007)