quarta-feira, 30 de novembro de 2011

RITMO ALUCINANTE " Don't knock the rock "



Rock'n Roll vai salvar o dia!!!com este clássico filme de rock ’n’ roll dos anos 50! O roqueiro Arnie Haynes (Alan Dale) e sua banda resolvem tirar merecidas férias da turnê e, ao retornarem para sua cidade natal descobrem que o prefeito baniu o rock ’n’ roll ! Com a ajuda do DJ e o publicitário Alan Freed e com lendárias performances de Bill Haley & Seus Cometas (Hot Dog Buddy Buddy, Rip It Up) e Little Richard (Tutti Frutti, Long Tall Sally), Arnie e a sua gangue querem provar para todos que rock ’n’ roll pode ser maluco, mas não é tão perigoso quanto parece!

ASSISTA O TRAILER




domingo, 27 de novembro de 2011

GENE VICENT



Gene Vincent ou Eugene Vincent Craddock (11 de fevereiro de 1935 - 12 de outubro de 1971) foi um músico norte-americano de rockabilly, mais conhecido por seu sucesso "Be-Bop-A-Lula".
Começou sua carreira tocando em diversas bandas de música country em Norfolk, Virgínia, depois de deixar a Marinha norte-americana com uma lesão permanente na perna. Assinou contrato com a Capitol Records com sua banda de apoio, The Blue Caps.


Depois que "Be-Bop-A-Lula" transformou-se num grande sucesso em 1956, Gene Vincent & os Blue Caps não conseguiram emplacar outros hits de tamanha repercusão, mas tiveram uma carreira pontilhada de sucessos como: "Bluejean Bop", "Race With the Devil", "Lotta Lovin'", "Crazy Legs" et "Baby Blue". Vincent inclusive foi um dos primeiros astros de rock a estrelar um filme, chamado The Girl Can't Help It.
Um fato marcante na carreira do cantor foi a morte de seu melhor amigo Eddie Cochran em um acidente automobilistico, durante uma turnê que ambos faziam pela Inglaterra no ano de 1960. Gene que também estava no veículo teve a antiga lesão de sua perna agravada e até o fim de sua vida não se recuperou psicologicamente do ocorrido.


                                                GENE VICENT AND HIS BLUE CAPS

A carreira de Gene teve uma enorme perda de popularidade a partir da metade dos anos 60, com a chegada das "english bands", embora ele continuasse a fazer sucesso na Europa, principalmente na Inglaterra e França.
Passou os últimos anos de sua vida tentando reconquistar o antigo sucesso, mas acabou afundando-se cada vez mais no álcool e na depressão. Faleceu na California em 1971, de cirrose gástrica.

Gene Vincent está sepultado no Eternal Valley Memorial Park em Newhall, Califórnia.
Forma junto com Buddy Holly e Eddie Cochran a quintessencia do rockabilly, sendo sem sombra de dúvidas, os maiores nomes do gênero.

DISCOGRAFIA
Albuns

Blue Jean Bop (Capitol T764 US) (8/13/56)
Gene Vincent and His Blue Caps (Capitol T811 US) (3 de abril de 1957)
Gene Vincent Rocks! And The Blue Caps Roll (Capitol T970 US) (3/58)
Gene Vincent Record Date (Capitol T1059 US) (11/58)
Sounds Like Gene Vincent (Capitol T1207 US) (6/59)
Crazy Times (Capitol T1342 US mono) (Capitol ST1342 US stereo) (3/60)

Singles

"Woman Love"/"Be-Bop-A-Lula" (Capitol F 3450 US) (6 de abril de 1956)
"Race With the Devil"/Gonna Back Up Baby" (Capitol F3530 US) (9 de outubro de 1956)
"Blue Jean Bop"/"Who Slapped John" (Capitol F3558 US) (10/56)
"Crazy Legs"/"Important Words" (Capitol F3617 US) (1 de julho de 1957)
"Five Days"/"Bi Bickey Bi Bo Bo Go" (Capitol F3678 US) (3/25/57)
"Lotta Lovin'"/"Wear My Ring" (Capitol F3763 US) (7/22/57)
"Dance to the Bop"/"I Got It" (Capitol F3839 US) (11/18/57)
"Lotta Lovin'"/Be Bop A Lula" (Capitol F3871 US) (11/20/57) (Re-issue)
"I Got a Baby"/"Walking Home From School" (Capitol F3874 US) (1/58)
"Baby Blue"/"True to You" (Capitol F3959 US) (5/58)
"Rocky Road Blues"/"Yes I Love You Baby" (Capitol F4010 US) (7/58)
"Git It"/"Little Lover" (Capitol F4051 US) (9/58)
"Say Mama"/"Be Bop Boogie Boy" (Capitol F4105 US) (11/58)
"Over the Rainbow"/"Who's Pushing Your Swing" (Capitol F4153 US) (1/59)
"The Night is So Lonely"/"Right Now" (Capitol F4237 US) (6/59)
"Wild Cat"/"Right Here on Earth" (Capitol F4313 US) (11/59)
"Anna Annabelle"/"Pistol Packin' Mama" (Capitol F4442 US) (9/60)

EP's

Hot Rod Gang (Capitol EAP 1-985 US) (9/58)




quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A HISTÓRIA DE KAREN CARPENTER ( O filme )


A trágica história da cantora Karen Carpenter, de sua meteórica ascensão com o grupo The Carpenters, que formou ao lado de seu irmão Richard, às graves crises provocadas por distúrbios alimentares, que acabariam lhe custando a vida.

domingo, 20 de novembro de 2011

CARPENTERS



Os Carpenters foram uma dupla musical da década de 1970, composta pelos irmãos Karen (1950-1983) e Richard Carpenter (1946). Com seu estilo melódico, eles levaram à parada de sucessos muitas canções no Top 40 da música americana, tornando-se representantes do soft rock e se incluindo entre os artistas mais representativos da década. Embora fossem referidos como "The Carpenters", sendo "the" o artigo definido em inglês, o nome oficial do duo era simplesmente "Carpenters" . Durante a década de 1970, quando bandas de rock pesado faziam muito sucesso, Richard e Karen produziram uma música suave e bem distinta daquilo, o que os colocou entre os artistas que mais venderam discos em todos os tempos.

No meio da década de 1970, o excesso de turnês e as longas sessões de gravação começaram a cobrar caro da dupla o esforço e contribuíram para as dificuldades profissionais enfrentadas no final dessa década. Karen fazia dietas obsessivamente e desenvolveu anorexia nervosa, a qual se manifestou pela primeira vez em 1975, quando uma exausta e enfraquecida Karen foi forçada a cancelar apresentações no Reino Unido e no Japão. Richard, enquanto isso, desenvolveu dependência de soníferos, que começaram a afetar seu desempenho no final dos anos 1970 e levaram ao fim das apresentações ao vivo da dupla em 1978 e à sua internação em uma clínica.

 No início de 1979, Karen, não desejando permanecer parada enquanto seu irmão se recuperava na clínica, decidiu gravar e lançar um álbum solo com o produtor Phil Ramone em Nova York. Seu disco (Karen Carpenter) tinha um estilo mais adulto e disco, em um esforço para mudar sua imagem. O resultado do projeto teve uma recepção morna de Richard e os executivos da A&M Records e no início de 1980 Karen primeiramente hesitou, abandonando por fim seu disco solo, que seria lançado apenas em 1996, 16 anos depois, 13 após sua morte. Karen preferiu lançar outro disco com Richard (já recuperado da dependência de soníferos), que se transformou no álbum Made in America, lançado em 1981.
Os problemas pessoais, entretanto, diminuíram as possibilidades de um retorno às paradas e Karen teve um casamento que não deu certo com Thomas Burris, a separação ocorreu um ano depois. Em 1982, Karen foi a Nova York procurar tratamento com o psicoterapeuta Steven Levenkrom para suas desordens alimentares decorrentes da anorexia nervosa, voltando naquele mesmo ano disposta a refazer sua carreira. Ela rapidamente ganhou 5 quilos em uma semana, o que aumentou os danos a seu coração, resultado de anos de dieta e abusos (especialmente - conforme se diz - com o uso do Xarope de Ipecac, um forte emético - para induzir vômito). Em 4 de fevereiro de 1983, Karen sofreu uma parada cardíaca na casa de seus pais em Downey e teve sua morte declarada no Hospital Memorial de Downey aos 32 anos. Karen, vestida de rosa, foi posta em um caixão aberto. Entre os que foram ao seu funeral estavam suas melhores amigas, Olivia Newton-John e Dionne Warwick



Durante sua carreira de aproximadamente 14 anos, os Carpenters gravaram 11 álbuns, cinco dos quais continham músicas que atingiram o Top 10 das paradas. Fizeram turnês nos Estados Unidos, no Reino Unido, no Japão, na Austrália, nos Países Baixos e na Bélgica. A carreira da dupla chegou ao fim com a morte de Karen em 1983 de parada cardíaca em função de complicações da anorexia nervosa. A cobertura jornalística dada ao fato na época aumentou a consciência da opinião pública sobre as consequências das disfunções alimentares.

Muitas das canções dos Carpenters são populares ainda hoje, tais como: "Close to You", que é cantada em bares de karaokê e "We've only just begun" continua popular em casamentos. A dupla ainda marcaria presença em duas trilhas sonoras de novelas brasileiras: "I Need To Be In Love" foi tema da personagem Lina (Renata Sorrah) na novela O Casarão, em 1976; e "Make Believe It's Your First Time" embalava a história de Liliane, personagem de Cristina Mullins na novela Voltei Pra Você, em 1983.

DISCOGRAFIA

1969 - Ticket to Ride (originalmente lançado como Offering)
1970 - Close to You
1971 - Carpenters
1972 - A Song For You
1973 - Now & Then
1975 - Horizon
1976 - A Kind of Hush
1977 - Passage
1978 - Christmas Portrait
1981 - Made in America
1983 - Voice of the Heart



OUÇAM OS GRANDES SUCESSOS DOS CARPENTERS

BAIXAR CD

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

ROCK AROUND THE CLOCK " Ao balanço das horas "



Quando um promotor de grandes bandas frustrado e um músico (Johnny Johnston e Henry Slate) decidem passar a noite em uma pequena cidade no caminho para Nova York, eles descobrem um amável grupo de garotos dançando e cantando em um novo tipo de ritmo que eles chamam de rock ´n´ roll! É o tipo de som novo que eles estavam procurando e esses caras farão de tudo para levar o rock ´n´ roll para o resto do mundo.

AO BALANÇO DAS HORAS é a aventura do rock ´n´ roll onde tudo começou! Apresentando grandes sucessos e performances de Bill Haley & Seus Cometas (See You Later Alligator, Razzle Dazzle) e The Platters (The Great Pretender, Only You).

ASSISTA O TRAILER



domingo, 13 de novembro de 2011

LITTLE RICHARD



Nasceu Richard Wayne Penniman, no dia 5 de dezembro de 1932 em Macon, Georgia, Estados Unidos.

Little Richard tem lugar cativo na história do rock’n’roll como um de seus pioneiros e maiores nomes em todos os tempos. Sua postura cênica, seu confrontamento radical aos tabus raciais e sexuais, o ritmo selvagem e primitivo de sua música, seu estilo de vida, seu jeito de vestir-se, falar e dançar o transformaram-no perante a juventude, num símbolo da rejeição aos valores da classe média.

Assim que sua música e sua voz começaram a ser ouvidas para além dos pequenos bares e clubes da Georgia, Richard conheceu o sucesso com hits inesquecíveis como “Tutti Frutti” (de onde veio o grito de guerra “A wop-bop-a-loo-mop-alop-bam-boom”), “Rip it up”, “Ready Teddy”, “Long Tall Sally”, “Good Golly Miss Molly” e tantos outros.

No início dos anos 60 (após escapar ileso de um acidente aéreo), Richard abandonou o rock e tornou-se pastor evangélico. Tentou voltar em 1975 com uma turnê desastrosa (vibrante pela Europa), mas a morte de um irmão o levou de volta à igreja para somente na segunda metade da década de 80 voltar a emplacar um sucesso nas paradas, “Great Gosh a Mighty” do filme Beverly Hills Cop.


Isto lhe permitiu uma volta também ao meio artístico e uma aparição histórica na entrega dos prêmios Grammy ao clamar para si próprio o troféu que deveria entregar.

Continua a atuar e a ser uma das figuras mais bizarras e revolucionárias do rock




quarta-feira, 9 de novembro de 2011

AMERICAN HOT WAX



Esta é a história  baseada em  Alan Freed um disc jockey de Cleveland, que introduziu o rock'n'roll para adolescentes em audiências de rádio americana em 1950. Freed foi uma fonte de grande controvérsia: criticado pelos conservadores por corromper a juventude com a "música do diabo"; odiado pelos racistas para a promoção da música americana para o consumo de branco; perseguidos por agentes da lei e, finalmente, derrubado pelo "jabá" escândalos.

O filme estrelado por Tim McIntire como Freed, assim como Fran Drescher , Laraine Newman , Melanie Chartoff , e Jay Leno , em papéis coadjuvantes.
Gravado em 1978, American Hot Wax ainda não foi lançado em DVD no Brasil, mas aqui você poderá conferir a trajetória do disk-jockey Alan Freed ao lado de ícones como Chuck Berry, Jerry Lee Lewis, Screamin' Jay Hawkins,  Frankie Ford, Kenny Vance and the Planotones. O filme é um tributo ao rock dos anos 50, com muitas cenas de doo wop e rockabilly. Outra curiosidade é uma pontinha do grupo Cadillacs realizando uma performance nos bastidores.

Assistam aqui um trecho do filme com The Planotones




domingo, 6 de novembro de 2011

CHUBBY CHECKER


 Ernest Evans nasceu em Spring Gulley, na Carolina do Sul,e foi criado, durante sua infância, nos conjuntos habitacionais (projects) de South Philadelphia, na Pensilvânia, onde viveu com seus pais e seus dois irmãos. Com oito anos de idade Evans formou um grupo harmônico que se apresentava nas ruas, e ao entrar na high school já havia aprendido a tocar o piano, bem como entreter seus colegas de classe como imitações de cantores populares da época, como Jerry Lee Lewis, Elvis Presley e Fats Domino.

Após concluir a escola, Evans passou a entreter, com canções e piadas, os clientes em seus diversos empregos, vendendo produtos agrícolas em lojas e mercados da cidade. E teria sido seu chefe num destes empregos - no Produce Market - Tony A., que lhe deu o apelido de "Chubby" ("Gorducho"). Henry Colt, proprietário do seu outro emprego, Fresh Farm Poultry, teria ficado tão impressionado com a performance de Ernest que, juntamente com seu colega e amigo Karl Mann, compositor que trabalhava para a Cameo-Parkway Records,conseguiram que o jovem 'Chubby' fizesse uma gravação privada com Dick Clark, apresentador do programa de televisão American Bandstand. Foi nesta sessão de gravação que Evans adotou definitivamente seu nome artístico; a esposa de Clark perguntou-lhe qual era seu nome e ele respondeu: "Bem, meus amigos me chamam de 'Chubby'". Como ele havia terminado de fazer uma imitação de Fats Domino, ela sorriu e perguntou-lhe: "Como damas (checkers, em inglês)?" A brincadeira de palavras envolvendo o 'dominó' do nome de Fats e outro jogo de tabuleiro gerou risadas instantâneas entre os presentes, e foi adotada como nome a partir daquele momento.


Durante o auge de seu sucesso, na década de 1960, lançou seus discos pela Cameo-Parkway Records que, juntamente com todo o resto do material da gravadora, tornou-se indisponível depois do início da década de 1970 por disputas legais internas da companhia. Por décadas, quase todas as compilações dos sucessos de Checker eram feitas a partir de regravações.


Checker lançou uma versão dançante de "Back in the USSR", dos Beatles, em 1969, que alcançou apenas o segundo lugar nas paradas de sucesso. Foi a sua última aparição nas paradas até 1982. Também gravou um álbum psicodélico no início dos anos 70 foi lançado inicialmente apenas na Alemanha. O lançamento original não recebeu nome, porém a frase Chubby Checker Goes Psychedelic, escrita na contracapa, passou a ser tomada como o título.

Apesar de ter opiniões ambíguas sobre o seu single mais bem-sucedido, "The Twist", Checker sempre conseguiu capitalizar sua popularidade duradoura. Em 1987 gravou uma nova versão da canção com o trio de rappers The Fat Boys. As letras desta nova versão deixavam implícito que estava satisfeito com esta associação. Checker também interpretou a canção num comercial dos biscoitos Oreo, no início da década de 1990.

Em 2008 "The Twist" foi nomeado o maior hit de todos os tempos pela revista Billboard, que analisou todos os singles que estiverem entre os 10 maiores sucessos das paradas entre os anos de 1958 e 2008. Checker ainda obteve, em julho do mesmo ano, o posto de primeiro lugar na parada de sucessos na categoria dance, com "Knock Down the Walls". Proprietário de seu próprio restaurante, Chubby Checker continua a se apresentar em público regularmente.

Fonte: Wikipédia