domingo, 30 de outubro de 2011

THE BEACH BOYS E A SURF MUSIC



Surf music é um gênero de música popular associado à cultura do surfe, especialmente de Orange County e de outras regiões do sul da Califórnia. Foi particularmente popular entre 1961 e 1965, exercendo grande influência no rock.
Deu origem a dois formatos: o surf rock instrumental, com a guitarra elétrica e o saxofone como bases da melodia e artistas como Dick Dale & his Del-Tones como principais precurssores, e o surf pop vocal, incluindo tanto baladas quanto músicas dançantes, com harmonias fortes comumente associadas ao The Beach Boys. Muitas das principais bandas de surf music são conhecidas por transitar entre os dois formatos, e sendo assim o gênero é considerado um só, apesar de sua variedade de estilos.


The Beach Boys é uma banda de rock dos Estados Unidos formada em Hawthorne, Califórnia, em 1961, e é tida como uma das mais influentes da história do rock e do pop. Emplacou dúzias de canções nas paradas de sucesso (também emplacou quatro compactos no primeiro lugar entre os mais vendidos nos Estados Unidos da América), além de álbuns recordistas de venda. Foi incluída no Hall da Fama do Rock and Roll em 1988. Seu álbum Pet Sounds, de 1966, que contém clássicos como "Wouldn't It Be Nice", "Sloop John B", "God Only Knows" e "Caroline, No", é considerado umas das maiores obras primas da história da música pop.

O grupo original consistia do cantor-músico-compositor Brian Wilson, seus irmãos Carl e Dennis, o primo Mike Love e o amigo Alan Jardine. Inúmeras mudanças tanto no estilo musical quanto na formação ocorreram durante a turbulenta existência da banda: os problemas psicológicos, abuso de drogas e o eventual afastamento de Brian; as mortes de Dennis em 1983 e Carl em 1998 e as batalhas legais entre os integrantes sobreviventes do grupo.

Foi um grupo que fez praticamente de tudo, surf rock (que foi o estilo inicial, sendo predominantemente do gênero até o sexto álbum, o All Summer Long), passando pela música erudita, country, blues, soul, bossa nova, música havaiana, até hard rock como a All I Want To Do do álbum 20/20 de 1969, entre vários outros já discriminados na discografia. Ajudaram a definir o pop barroco e sunshine pop em 1965 com o Today e Summer Days (And Summer Nights), estilos onde já se encontram os primeiros traços do art rock e do rock psicodélico divulgados pelo Pet Sounds em 1966.


DISCOGRAFIA

Álbuns de estúdio

Surfin' Safari (1962)
Surfin' USA (1963)
Surfer Girl (1963)
Little Deuce Coupe (1963)
Shut Down Volume 2 (1964)
All Summer Long (1964)
The Beach Boys' Christmas Album (1964)
The Beach Boys Today! (1965)
Summer Days (and Summer Nights!) (1965)
Beach Boys' Party! (1965)
Pet Sounds (1966)
The Smile Sessions, gravado entre 1966 e 1967. Desentendimentos entre os músicos e um aparente desequilíbrio mental do carismático Brian Wilson fizeram com que a editora Capitol Records rejeitasse o trabalho e nunca o editasse. Vai ser editado em 2011
Smiley Smile (1967)
Wild Honey (1967)
Friends (1968)
20/20 (1969)
Sunflower (1970)
Surf's Up (1971)
Carl and the Passions - "So Tough" (1972)
Holland (1973)
15 Big Ones (1976)
Love You (1977)
M.I.U. Album (1978)
L.A. (Light Album) (1979)
Keepin' the Summer Alive (1980)
The Beach Boys (1985)
Still Cruisin' (1989)
Summer in Paradise (1992)
Stars and Stripes Vol. 1 (1996)
Smile (2011

Álbuns ao vivo

Beach Boys Concert (1964)
Live in London (1970)
The Beach Boys in Concert (1973)
Good Timin': Live at Knebworth England 1980 (2002)

Coletâneas

Best of The Beach Boys (1966)
Best of The Beach Boys Vol. 2 (1967)
Best of The Beach Boys Vol. 3 (1968)
Good Vibrations - Best of The Beach Boys (1975)
Ten Years of Harmony (1981)
Made in U.S.A. (1986)
Ultimate Christmas (1998)
The Greatest Hits - Volume 1: 20 Good Vibrations (1999)
The Greatest Hits - Volume 2: 20 More Good Vibrations (1999)
Greatest Hits Volume Three: Best of the Brother Years 1970-1986 (2000)
Classics selected by Brian Wilson (2002)
Sounds of Summer: The Very Best of The Beach Boys (2003)



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

" Ray "



Sinopse:

Em 1932 Ray Charles (Jamie Foxx) nasce em Albany, uma pequena e pobre cidade do estado da Georgia. Ray fica cego aos 7 anos, logo após testemunhar a morte acidental de seu irmão mais novo. Inspirado por uma dedicada mãe independente, que insiste que ele deve fazer seu próprio caminho no mundo, Ray encontrou seu dom em um teclado de piano. Fazendo um circuito através do sudeste, ele ganha reputação. Sua fama explode mundialmente quando, pioneiramente, incorpora o gospel , country e jazz, gerando um estilo inimitável. Ao revolucionar o modo como as pessoas apreciam música, ele simultaneamente luta conta a segregação racial em casas noturnas que o lançaram como artista. Mas sua vida não está marcada só por conquistas, pois sua vida pessoal e profissional é afetada ao se tornar um viciado em heroína.

ASSISTA O TRAILER

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

CHUCK BERRY



Charles Edward Anderson Berry foi um dos precursores do rock and roll e um de seu maiores representantes. Ainda criança se iniciou na música, em corais evangélicos, levado pelo pai que era pastor protestante. Aos 14 anos teve seu primeiro contato com uma guitarra, pouco antes de passar uma temporada em um reformatório, por furto.

Ao ficar livre, Berry havia se desinteressado pela música e trabalhou alguns anos em uma fábrica de automóveis. Por pouco não se tornou cabeleireiro. Apenas em 1946, voltou a tocar. Em 1952 tocava profissionalmente em uma banda de estilo blues-country. A medida que o guitarrista se destacava como atração principal dos palcos onde se apresentava, o nome do grupo foi mudado para Chuck Berry Combo. Participavam da banda Eddie Hardy (baterista) e Johnnie Johnson (o homenageado oficial da música Johnny B. Goode) e a quem Berry chamada de "o melhor pianista".




Em 1955 iniciou sua carreira na Chess Records em Chicago. Gravou (com Willie Dixon no piano) duas músicas: "Ida May" (mais tarde regravada como "Maybellene") e "Wee Wee Hours". O single chegou ao quinto lugar nas paradas de sucesso dos Estados Unidos. Menos de um ano depois, Berry já vendia mais discos que todo o staff da gravadora. Misturando o country e o blues, com narrativas sobre o cotidiano da juventude, o amor e carros velozes, estourou naquele mesmo ano com "Maybellene".

O toque inconfundível de sua guitarra imortalizou hits como: "Johnny B. Goode" (1958), "Roll Over Beethoven" (l956) e "Sweet Little Sixteen" (1958). O segredo para conquistar seus ouvintes era prestar atenção na reação de sua audiência e dar a ela o que queria. Tinha uma incrível presença no palco, tocando a guitarra, gesticulando, correndo e fazendo o seu clássico "duck-walk". Por essa razão sua música atravessou gerações, sempre falando diretamente aos jovens.

Não era raro o músico estar envolvido em polêmicas. Devido a uma delas, por levar uma prostituta de quinze anos para trabalhar em um de seus bares, foi condenado em 1962 e cumpriu dois anos da sentença.

Depois disso sua carreira nunca foi totalmente recobrada, embora em 1972 "My Ding A Ling" tenha sido a maior gravação de sucesso de sua carreira. Em 1979 teve novamente problemas com a justiça e em 1990 foi preso sobre acusação de ter instalado uma micro-câmera no banheiro feminino de seu restaurante.

Em 1986 tornou-se um membro inaugural do Hall da Fama do rock and roll. Suas autobiografia foi publicada em 1988.

Chuck Berry é um ícone que estabeleceu o rock como uma forma musical e uniu o mundo dos negros e brancos na música. Influenciou Elvis Presley, The Beatles, Rolling Stones e mais recentemente, Eric Clapton, que declarou que, se não fosse Chuck Berry, ele jamais teria pegado em uma guitarra.





Em 1987, foi lançado um filme como forma de comemorar os 60 anos de Berry. É um documentário permeado por um excelente show, com uma super-banda formada por músicos exemplares, entre eles Keith Richards, guitarrista dos Rolling Stones. Os arranjos das canções estão muito superiores aos dos discos originais, muito por conta da banda e dos convidados. Além da super-banda, Berry está muito bem acompanhado com suas participações especiais: Robert Cray, Eric Clapton, Julian Lennon, Etta James entre outros. O documentário também é legal, mas fica ofuscado pelo excelente show. Tem depoimentos interessantes de grandes fãs como John Lennon, Clapton e de seus contemporâneos Little Richards, Roy Orbison e Bo Diddley. E ainda uma breve entrevista com o diretor.

ASSISTA O TRAILER




ASSISTA O FILME INTEIRO

Para baixar o filme é preciso baixar as 02 partes e juntá-las numa mesma pasta. Quando extrair a primeira parte, a outra virá junto automaticamente.

PARTE 1

PARTE 2

domingo, 16 de outubro de 2011

CELLY CAMPELLO " Rainha do rock Brasileiro"


CELLY CAMPELLO


Dançou "Tico-Tico no Fubá" aos cinco anos numa apresentação infantil. Com seis anos cantou na Rádio Cacique de sua cidade natal e se tornou uma das participantes do “Clube do Guri” (Rádio Difusora). Estudou piano, violão e balé durante a infância.
Aos doze anos já tinha seu próprio programa de rádio, também na Rádio Cacique. Com quinze (1958) foi para São Paulo junto com o irmão Tony Campello que a acompanhou em boa parte de sua carreira como cantora e atriz, e grava o primeiro disco. Estreou na televisão no programa "Campeões do Disco", da TV Tupi, em 1958. Em 1959 ganhou programa próprio junto com seu irmão Tony Campello, chamado "Celly e Tony em Hi-Fi", na Rede Record, o qual apresentou por dois anos.




                                  


Sua carreira explodiu em 1959 com a versão brasileira de Stupid Cupid, que no Brasil virou Estúpido Cupido. A música foi lançada no programa do Chacrinha e se tornou um sucesso em todo país no ano de 1959. Nesse mesmo ano filma com Mazzaropi “Jeca Tatu”.
Durante sua vida gravou vários outros sucessos como: Lacinhos Cor-de-Rosa, Billy, Banho de Lua entre muitos que lhe renderam inúmeros prêmios e troféus, inclusive no exterior e lhe deram o título de "Rainha do Rock Brasileiro".




Para tristeza de toda uma geração que se espelhou no seu trabalho, Celly abandonou a carreira no auge aos 23 anos, para se casar e morar em Campinas. Foi em 1962, com José Eduardo Gomes Chacon, seu namorado desde a adolescência.
Celly vinha sendo cogitada para apresentar o programa Jovem Guarda na TV Record, ao lado de Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Como abandonou a carreira, Wanderléa tomou seu lugar.
Em 1976, foi trazida de novo ao sucesso graças a telenovela Estúpido Cupido (mesmo nome de seu maior sucesso, de 1958) na TV Globo, na qual gravou uma participação especial. Incentivada pelo sucesso da novela, tentaria retomar a carreira, chegando a gravar um disco e fazendo alguns shows. Mas com o término da novela, voltou ao ostracismo.






Celly foi uma mulher de extremo talento, sua voz era linda, seu jeito, encantador.
Vítima de um câncer de mama, Celly faleceu em 3 de Março de 2003, no Hospital Samaritano em Campinas. A morte do "Brotinho de Taubaté", como era chamada, foi uma grande perda para o Brasil
Para  nós dos "Bons tempos", Celly Campello será sempre a  a rainha do rock brasileiro.


TONY E CELLY CAMPELLO  NO CLIP DE 1959  TEMPO PARA AMAR


quarta-feira, 12 de outubro de 2011

THE PLATTERS


                                                               THE PLATTERS


O Grupo vocal The Platters, foi organizado no limiar dos anos cinquenta e o
primeiro no gênero, a atingir lugar de destaque nas "Paradas de Sucesso" no
rádio e na venda de discos. Com estilo e tradição semelhantes aos Mills Brothers
e Ink Spots, igualmente conjuntos vocais negros de importante presença nos anos
trinta e quarenta, o grupo tornou-se fenômeno de sucesso nos primeiros cinco
anos de atividade.
   Sob orientação do produtor de discos e compositor Buck Ram, em 1953, os jovens
Tony Williams (líder tenor), David Linch (tenor), Alex Hodge (barítono) e Herb Redd
(baixo), fazem as primeiras gravações para o selo Federal, incluindo em três faixas,
a irmã de Williams, Linda Hayes; registros fonográficos que não alcançaram bons
índices de vendagem.
   Baseado nesse primeiro fracasso, Buck Ram reformulou o grupo, substituindo
Alex Hodge por Paul Robi e colocando a jovem Zola Taylor (contralto), então com
quinze anos de idade, como membro permanente. Ao assinar contrato com a
gravadora Mercury Records, o agora quinteto vocal começa a escalada para a
fama, com uma série de registros de alto nível artístico. Entre 1955 e 1964, a
Mercury teve bons lucros com The Platters, aparecendo no primeiro 78 rotações
os hits "Only You" no lado A e "The Great Pretenders" no B, vendendo mais de um
milhão de cópias. Em seguida vieram "My Prayer", "Smoke Gets In Your Eyes"
(famosa canção escrita por Jerome Kern com irrepreensível interpretação ,
destacando-se a bela voz do líder Tony Williams), "Twilight Time", "You´ll Never
Know", "If I Had You", "I´m Sorry", "Red Sails In The Sunset" e outros mais.


  A partir de 1958, o quinteto já era internacionalmente conhecido, fazendo 
regularmente temporadas na Europa, Japão e América do Sul (inclusive no Brasil),
sempre com espetáculos em casas repletas. Em 1961, o lider Tony Williams deixa o
grupo para seguir carreira como cantor solista. Seu lugar foi preenchido por Sony
Turner. Em seguida, Zola Taylor e Paul Robi deixam seus lugares, para Sandra
Dawn e Nate Nelson respectivamente.
   O lamentável é que, no final dos anos sessenta, trocas constantes de seus
membros criaram enorme confusão, tornando-se difícil identificar o legítimo 
The Platters, com Sony Turner e Herb Reed formando uma versão, enquanto Tony
Williams, ao desistir da carreira solo, forma a sua. Com essa inusitada situação, o
prestígio junto ao público começa a desmoronar, não mais atingindo o nível dos
primeiros anos.
   Até nossos dias, várias formações reivindicam o legado do lendário quinteto 
vocal The Platters de retumbante sucesso a partir da metade do século XX. Nas
temporadas que fizeram no Brasil a partir de 1966, os fãs sentiam-se frustados
com as constantes mudanças dos componentes, inclusive com Paul Robi 
(ex-componente) formando uma terceira versão.


A grande vitrine que tornou o grupo vocal The Platters conhecido em todo o
mundo, foi a película "No Balanço Das Horas" (Rock Around The Clock), produzida
nos estúdios da Columbia em 1956. Com direção de Fred F. Sears e produção de
Sam Katzman, tem 77 minutos de duração e a primeira a lançar o movimento 
musical que ficou conhecido como "Rock´n Roll". No elenco também estão
Bil Halley e seus Cometas, Frankie Bell e seus Bellboys e a Tony Martinez Band,
entre outros. Produção realizada com modesto orçamento e que se transformou
em êxito de bilheteria em todo o mundo.
   O quinteto vocal negro The Platters, marcou presença na música popular 
norte-americana, vendendo até hoje milhões de discos e atualmente convertidos
para compact discs. 





sábado, 8 de outubro de 2011

BRENDA LEE



Brenda Mae Tarpley (Atlanta, 11 de Dezembro de 1944) mais conhecida por Brenda Lee, é uma cantora estadunidense que cantou rockabilly, pop e música sertaneja, e teve 37 hits gráficos estadunidenses durante a década de 1960, um número superado apenas por Elvis Presley, The Beatles, Ray Charles e Connie Francis. Ela é mais conhecida por seu hit 'I'm Sorry" (1960) e "Rockin' Around the Christmas Tree" (1958), um padrão de férias por mais de 50 anos nos Estados Unidos.
Com 1m44 de altura, ela recebeu o apelido de Little Miss Dynamite, em 1957, após gravar a canção "Dynamite", e foi um dos primeiros astros da música pop a ter uma importante carreira contemporânea internacional.
A popularidade de Lee diminuiu no final dos anos 1960, a sua voz amadureceu, porém ela continuou fazendo uma carreira musical de sucesso, retornando às suas raízes como uma cantora de música country com uma sequência de hits nas décadas de 1970 e 1980. Ela é membro da Rock and Roll, Country Music e Rockabilly Hall of Fame, e atualmente vive em Nashville (Tennessee).




Lee nasceu com pouco mais de 2 kg, em 11 de dezembro de 1944, na enfermaria de caridade Grady Memorial Hospital em Atlanta, Geórgia. Ela frequentou colégios de ensino fundamental, onde seu pai trabalhou, principalmente, na rota entre Atlanta e Augusta. Sua família era pobre e vivia precariamente numa casa de 3 cômodos, sem água corrente. Ali, Brenda dividia a mesma cama com 2 irmãos. Sua vida resumia-se em ver seus pais procurando emprego, na sua família e na Igreja Batista, onde ela cantava 'solos' a cada domingo.

A voz de Lee, o seu rosto bonito e as suas apresentações nos palcos começaram a despertar a atenção de todos a partir dos seus 5 anos. Aos 6 anos, ela ganhou um concurso de canto patrocinado por um estabelecimento de ensino fundamental local. A recompensa foi uma aparição ao vivo em um programa de rádio de Atlanta, Starmakers Revue, onde ela voltou a se apresentar no ano seguinte.
Seu pai morreu em 1953, e, já aos 10 anos, ela tornou-se a principal fonte de sustento de sua família por cantar em programas radiofônicos locais e apresentações em televisão. Em 1955, Grayce Yarbrough Tarpley, casou com Jay Rainwater. Jay levou a família para Cincinnati, Ohio, onde trabalhou na Skinner Jimmy Music Center. Lee realizou com Skinner na loja de discos em 2 programas de radiodifusão sábado sobre Newport, Kentucky e a estação de rádio WNOP-AM. A família logo retornou à Geórgia, no entanto, desta vez para Augusta e Lee apareceu em um show especial em WJAT-AM em Swainsboro. O produtor do show, Sammy Barton, 'rebatizou-a' como Brenda Lee, pois acreditava que o nome Tarpley era muito difícil de lembrar.

Seu grande sucesso no show business veio em fevereiro de 1955, quando ela ganhou $30 para aparecer em uma estação de rádio Swainsboro para ver Red Foley e uma unidade de turnê promocional do seu programa TV ABC Ozark Jubilee, em Augusta. O DJ Foley foi convencido a ouvi-la cantar antes do show. Foley ficou tão surpreso, como todas as outras pessoas que ouviram a potente voz da pequena menina, que imediatamente concordou em deixá-la cantar "Jambalaya". A música foi ensaiada e, mais tarde, apresentada. Ao término, Foley declarou:

" Ainda fico com arrepios de frio pensando na primeira vez que ouvi essa voz. Um dos meus pés começou a acompanhar febrilmente o rítmo da música, como se eu estivesse me afastando de 'um terreno em chamas'. E quando ela fez aquele truque de 'quebrar' a voz, ela interrompeu o meu transe, o suficiente para que eu percebesse que eu tinha esquecido de sair do palco. Ali estava eu, após 26 anos de suposto aprendizado sobre como conduzir-me diante de um auditório, com a boca aberta "2 milhas de largura" e um olhar petrificado. "

A plateia irrompeu em aplausos e se recusou a deixá-la sair do palco até que ela tivesse cantado mais 3 músicas. Em 31 de março de 1955, aos 10 anos de idade, ocorreu a sua estreia na rede Ozark Jubilee, em Springfield, Missouri. Apesar de o seu contrato com o show ser de 5 anos, ele foi interrompido por causa de uma ação judicial movida em 1957 por sua mãe e pelo seu empresário, onde ela fez aparições regulares no programa ao longo de sua execução.

Menos de dois meses depois, em 30 de julho de 1956, a Decca Records lhe ofereceu um contrato, e seu primeiro disco foi um Vinyl, 7", Single, 45 RPM, "Jambayala", apresentando no lado 'B' "Bigelow 6-200". O segundo Single de Lee apresentou duas músicas de Natal: "I'm Gonna Lasso Santa Claus" e "Christy Natal". Embora ela 'já tivesse completado 12 anos de idade em 12 de dezembro de 1956, os créditos de seus 2 Singles distribuídos pela Decca Records falavam em "Little Brenda Lee" (9 anos)." Sua primeira edição foi em 1957, "One Step at a Time", se tornou um hit em ambos os campos, pop e country. Seu hit seguinte, "Dynamite", mostra-a saindo de um quadro com 1m44, o que levou-a a ser apelidada de Little Miss Dynamite.
Lee chamou a atenção primeiramente atuando em locais de música country e mostra, no entanto, sua etiqueta e gestão considerou melhor para o seu mercado exclusivamente como artista pop, o resultado é que nenhum de seus discos mais conhecidos da década de 1960 foram liberados para alguma rádio do país, e apesar de seu som, com pessoas sessão top em Nashville, ela não tem outro país atingido até 1969, e "Johnny One Time".

Lee chegou à votação final à indução para a Rock and Roll Hall of Fame em 1990 e em 2001 sem ser induzido, mas foi eleita para o Hall em 2002. Até a data, nos 11 anos, entre 1990 e 2001, seu voto de aparências é a maior lacuna desta natureza na história do Rock and Roll Hall of Fame.



Comemorando 50 anos como um artista de gravação, em setembro de 2006 ela foi a segunda ganhadora do Meador-Walker Lifetime Achievement Award Jo pela Fonte da Fundação em Nashville. Em 2007, foi introduzido no Country Music Hall of Fame e é membro da Rockabilly Hall of Fame e os passos do Hit Parade of Fame.

Em 2008, sua gravação de "Rockin' Around the Christmas Tree" marcou 50 anos como um padrão de férias, e em fevereiro de 2009, a National Academy of Recording Arts and Sciences deu um Lifetime Achievement Grammy a Lee.



Discografia (álbuns)

1959: Grandma, What Great Songs You Sang! (Decca) 
1960: Brenda Lee (Decca)
1960: This Is Brenda (Decca)
1961: Emotions (Decca)
1961: Lover, Come Back To Me (Decca)
1961: All The Way (Decca)
1962: Sincerely, Brenda Lee (Decca)
1962: Brenda-That's All (Decca)
1962: Everybody Loves Me But You (Decca)
1963: All Alone Am I (Decca)
1963: Fly Me To The Moon (Decca)
1963: Let Me Sing (Decca)
1964: By Request (Decca)
1964: Merry Christmas From Brenda Lee (Decca)
1965: Thanks A Lot (Decca)
1965: The Versatile Brenda Lee (Decca)
1965: Too Many Rivers (Decca)
1966: Bye Bye Blues (Decca)
1966: Coming On Strong (Decca)
1967: Reflections In Blue (Decca)
1968: For The First Time (Decca)
1969: Johnny One Time (Decca)
1970: Memphis Portrait (Decca)
1972: A Whole Lotta (MCA)
1973: Brenda (MCA)
1973: New Sunrise (MCA)
1974: Memphis Portrait (MCA)

Fonte: Wikipédia




quarta-feira, 5 de outubro de 2011

DREAMGIRLS Em busca de um sonho


Sinopse

Detroit, década de 60. Curtis Taylor Jr. (Jamie Foxx) é um vendedor de carros, que sonha em deixar seu nome marcado no mundo da música. Ele deseja abrir sua própria gravadora, mas ainda não tem o formato e o produto certo para vender ao público. Curtis encontra o que procura ao conhecer o grupo The Dreamettes, formado pelas cantoras Deena Jones (Beyoncé Knowles), Lorrell Robinson (Anika Noni Rose) e Effie White (Jennifer Hudson). Elas se apresentam em um show de talentos local, usando perucas baratas e vestidos feitos em casa. Suas vidas mudam quando Curtis, já seu agente, consegue que elas façam o backup do show de James "Thunder" Early (Eddie Murphy), o pioneiro de um novo som em Detroit

Posteriormente o grupo alça vôo solo, mudando de nome para The Dreams. Porém Curtis sabe que para alcançar o sucesso o grupo precisará apostar na beleza provocante e tímida de Deena, mesmo que tenha que deixar de lado a voz potente de Effie.