quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

TO SIR WITH LOVE ( Ao mestre com carinho)



Sinopse

Um jovem professor enfrenta alunos indisciplinados, neste filme Clássico que refletiu alguns dos problemas e medos dos adolescentes dos anos 60. Sidney Poitier tem uma de suas melhores atuações como Mark Thackeray, um engenheiro desempregado que resolve dar aulas em Londres, no bairro operário de East End. A classe, liderada por Denham (Christian Roberts) Pamela (Judy Geeson) e Barbara (Lulu, que também canta a canção título) estão determinados a destruir Thackeray como fizeram com seu predecessor, ao quebrar-lhe o espírito. Mas Thackeray acostumado à hostilidade enfrenta o desafio tratando os alunos como jovens adultos que breve estarão se sustentando por conta própria. Quando recebe um convite para voltar a engenharia, Thackeray deve decidir se pretende continuar


Elenco

Sidney Poitier … Mark Thackeray
Christian Roberts … Denham
Judy Geeson … Pamela Dare
Suzy Kendall … Gillian Blanchard
Lulu … Barbara "Babs" Pegg
Faith Brook … Grace Evans
Geoffrey Bayldon … Theo Weston
Edward Burnham … Headmaster Florian
Gareth Robinson … Tich Jackson
Grahame Charles … Femman
Fiona Duncan … Euphemia Phillips
Patricia Routledge … Clinty Clintridge
Adrienne Posta … Moira Joseph
Ann Bell … Mrs. Dare
Christopher Chittell … Potter
Rita Webb … Mrs. Joseph
Anthony Villaroel … Seales
Roger Shepherd … Buckley
Dervis Ward … Mr. Bell
Lynne Sue Moon … Miss Wong

Assista o trailer

video

Ouça e veja a cantora e atriz Lulu,  cantando " To sir with love " tema do referido filme que fez grande sucesso na decada de 60. Ah!!... Bons tempos.



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

domingo, 18 de dezembro de 2011

RENATO E SEUS BLUE CAPS

 

Grupo formado no final dos anos 50 pelos irmãos Renato, Edson e Paulo César, jovens moradores do bairro da Piedade, no Rio de Janeiro, com o nome Bacaninhas do Rock da Piedade. O primeiro nome foi censurado e o radialista Jair de Taumaturgo sugeriu o nome definitivo, inspirado no conjunto norte-americano Gene Vincent And His Blue Caps. Tocaram no rádio e em programas de televisão, como Os Brotos Comandam, da TV Rio, apresentado por Carlos Imperial. Gravaram o primeiro compacto em 1962 e se notabilizaram principalmente pelas versões que faziam de músicas de língua inglesa (a maioria britânicas), como "Menina Linda", versão de "I Should Have Known Better", "Até o Fim", versão de You Won't See Me" (ambas de Lennon/McCartney) e "Escândalo", versão de "Shame And Scandal In The Family" (Donaldson/ Brown). Já em 1963 Edson saiu do grupo e iniciou carreira solo com o nome Ed Wilson. Foi substituído por Erasmo Carlos, que teve uma participação breve no grupo. Tornaram-se um sucesso se apresentando no programa Jovem Guarda, em shows, festas e bailes. Em 1966 apareceram em dois filmes: Na onda do iê-iê-iê (p&b) e Rio, Verão & Amor (colorido).


Renato teve composições gravadas por outros artistas, como Roberto Carlos e Leno e Lilian. O grupo era formado por Renato Barros, voz; Erasmo Carlos, substituto de Edson Barros, voz; Carlinhos, guitarra; Tony e mais tarde Gelson, bateria; Paulo César Barros, baixo; e Cid, saxofone.

    DISCOGRAFIA

   Twist (1962 - Copacabana)
    Renato e Seus Blue Caps (1963 - SOM)
    Viva a Juventude (1965 - CBS)
    Isto é Renato e Seus Blue Caps (1965 - CBS)
    Um Embalo Com Renato e Seus Blue Caps (1966  CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1967 - CBS)
    Especial (1968 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1969 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1970 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1971 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1972 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1973 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1974 - CBS)
    10 Anos de Renato e Seus Blue Caps (1976 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1977 - CBS)
    Suco de Laranja (1979 - CBS)
    Renato e Seus Blue Caps (1981 - CBS)
    Pra Sempre - Renato e Seus Blue Caps (1983 - RCA)
    Batom Vermelho (1987 - Continental)
    Renato e Seus Blue Caps 1996 (1996 - Globo/Columbia)
    Renato e Seus Blue Caps - Ao Vivo! 2001 (2001 - WEA)

  Assistam à um trecho do filme na onda do iê, iê, iê , com a 
  participação de Renato e seus Blue Caps.  Ah !!... Bons Tempos



quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

VIDEO ANOS 60/70 "Oldies but Goldies "


Olá Pessoal dos " bons tempos "  !!!

Hoje estou postando um video intitulado " Oldies but Goldies " que faz parte de minha pequena coleção, trata-se de clips originais e apresentações em shows e programas de tvs realizado com cantores e bandas dos anos 60/70, uma tremenda raridade, a qual gostaria de compartilhar com os amigos (as), lembrando que devem baixar todas as partes em uma unica pasta, e ao descompactar a primeira as outras virão automáticamente formando todo video.

Bem turma é isso , gostaria se possível, que fizessem comentários a respeito do video.





domingo, 11 de dezembro de 2011

JAMES BROWN



James Joseph Brown Jr., conhecido também como "Mr. Dinamite", Nasceu em Barnwell, Carolina do Sul em 3 de Maio de 1933, Cantor , compositor e produtor musical norte-americano reconhecido como uma das figuras mais influentes do século XX na música. Foi o principal impulsionador da evolução do gospel e do rhythm and blues para o soul e o funky, sendo a invenção deste último gênero creditada a ele. Também deixou sua marca em outros gêneros musicais, incluindo rock, jazz, reggae, disco, no hip-hop e na música dançante e eletrônica em geral. Foi abandonado, aos 4 anos, por seus pais e deixado aos cuidados de parentes e amigos. Cresceu nas ruas de Augusta (Geórgia), onde cantava e dançava para pagar por sua vaga no quarto de um bordel. Abandonou a escola aos quinze anos e entrou no grupo de música gospel "Three Swanees", tocando bateria e cantando rhythm and blues. Aos 16 anos, passou três anos em um reformatório por roubar carros. Sua carreira de músico profissional iniciou-se em 1953, atingindo a fama no fim da década de 1950 e início da década de 1960, graças à força de suas performances ao vivo e a uma seqüência de grandes sucessos.


Apesar de numerosos problemas pessoais e alguns insucessos, ele continuou a produzir sucessos nas duas décadas seguintes. Nas décadas de 1960 e 1970, Brown era uma presença em assuntos políticos norte-americanos, especialmente no ativismo em favor dos negros e dos pobres.
Para tentar acalmar as tensões geradas nos dias após o assassinato de Martin Luther King Jr., em 1968, Brown entrou ao vivo em uma emissora de rádio de Boston e cantou durante a noite para conter os ânimos das revoltas.

Gravou mais de cinqüenta discos e teve mais de 119 singles nas paradas de sucesso. Todos os discos que ele gravou entre 1960 e 1977 ficaram entre os top 100. Gravou mais de oitocentas canções durante sua carreira. Entrou no Hall da Fama do Rock and Roll e recebeu um prêmio Grammy pela carreira musical, em 1992. Brown costumava trocar de terno uma dúzia de vezes durante um show e dançava freneticamente no palco.

Cinema

O cinema não foi ignorado por James Brown.
O músico participou como ator, em 1980, do filme The Blues Brothers (Os Irmãos Cara de Pau), estrelado por John Belushi e Dan Aykroid, e Rock IV, em 1986, que teve como tema musical a canção Living in América, especialmente composta por Brown para a trilha sonora do filme. Sua fama cresceu ainda mais com sua participação nos filmes Ski Party e The T.A.M.I. Show. E ainda retornou no Blues Brothers 2000


Cadeia

Complicações com a justiça também cercaram a vida de James Brown. O episódio mais marcante protagonizado por ele foi quando ameaçou com um revólver e um rifle um grupo de pessoas que invadiram sua propriedade. O músico foi perseguido pela polícia por vários Estados, preso e condenado por porte ilegal de armas e drogas.
Em 1988, Brown foi preso por agredir a mulher, Adrienne, e por consumo de drogas.

Condenado a seis anos de detenção, cumpriu metade da pena. Em 1991, depois de libertado, recomeçou sua carreira artística. Além de lançar discos e fazer shows, construiu também um império de negócios, incluindo várias estações de rádio e sua própria empresa de produções. Tinha uma grande frota de carros caros e um avião. Durante sua vida, ganhou fama de ser o homem que mais trabalhava na área artística. James Brown morreu aos 73 anos em 25 de dezembro de 2006, em Atlanta, Geórgia, EUA, após internação devido a severa pneumonia.Até o dia 5 de fevereiro, 40 dias após a sua morte, seu corpo ainda não tinha sido sepultado em virtude da ferrenha disputa entre os seus diversos supostos herdeiros.





quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

KING CREOLE Filme com ELVIS PRESLEY


King Creole (br / pt: Balada Sangrenta) é um filme estadunidense de 1958, do gênero drama musical, dirigido por Michael Curtiz e estrelado por Elvis Presley. O roteiro é baseado no romance A Stone for Danny Fisher, de Harold Robbins.
Primeiramente o roteiro seria oferecido a James Dean, mas com sua morte prematura em 1955 o projeto foi adiado, sendo poucos anos depois oferecido a Elvis. Foram feitas algumas alterações na história, entre elas, a mudança de Danny Fischer que passou de boxeador para cantor..
Uma das atrizes do filme, e atualmente freira Dolores Hart, trabalhou com Elvis em outro filme, Loving You, de 1957. Ela é sobrinha do tenor estadunidense Mario Lanza, grande ídolo de Elvis.
King Creole também é o nome do álbum da trilha sonora, avaliado como um dos melhores da carreira de Elvis.
Elvis demonstra nesse filme que só precisava de bons roteiros e bons diretores para mostrar o seu talento como ator, sendo bastante elogiado na época do lançamento da película, inclusive pelo próprio diretor, que a princípio não via com bons olhos trabalhar com Elvis, mas aos poucos se rendeu ao talento do garoto, segundo suas próprias palavras; outro que também o elogiou bastante, principalmente anos mais tarde, foi o seu companheiro de cena, o ator Walter Matthau.




SINOPSE

Danny Fisher é um rapaz em conflito com a sociedade em que vive, tornando-o assim um jovem rebelde. Nesse momento conturbado de sua existência, ele não tem total certeza do rumo que deve tomar em sua vida; acrescenta-se a isso o fato de que ele não é um bom exemplo como aluno. Em meio a essa fase problemática, ele começa a se apresentar em um bar na cidade de New Orleans (cidade onde se passa a história), contudo, o seu pai não aceita de forma alguma que ele troque os estudos pela carreira de cantor. Mesmo indo de encontro a vontade de seu pai, ele continua suas apresentações, tornando-se um enorme sucesso. Em paralelo a isso, o mau-caráter Maxie Fields faz de tudo para que seu concorrente seja colocado como atração principal em seu estabelecimento, e tudo isso em meio a duas mulheres que se apaixonam por ele.

ASSISTA O TRAILER




domingo, 4 de dezembro de 2011

EDDIE COCHRAN

Eddie Cochran ou Edward Ray Cochrane (Oklahoma City, Oklahoma, 2 de outubro de 1938  Bath, 17 de abril de 1960) foi um músico americano de rockabilly.

Começou a sua carreira musical em 1955 com seu amigo Hank Cochram (sem parentesco), que mais tarde viraria compositor country. A dupla gravava como The Cochran Brothers, enquanto Eddie trabalhava como músico de sessão e compunha suas próprias músicas.

Em 1956, Boris Petroff convidou Cochran para participar do filme The Girl Can't Help It. Ele aceitou, apresentando a música "Twenty-Flight Rock". Mas seu primeiro sucesso só emplacaria em 1957, uma de suas poucas canções escritas por outra pessoa, chamada "Sittin' in the Balcony". Cochran é mais lembrado por sua composição "Summertime Blues", que ajudou a modelar o formato do rock nos anos 60, tanto liricamente quanto musicalmente. Sua curta carreira foi marcada por mais alguns sucessos, como "C'mon Everybody", "Somethin' Else", "My Way", "Weekend", "Nervous Breakdown" e seu hit póstumo "Three Steps to Heaven".



Em 1960 Cochran morreu em um acidente de trânsito em Londres. O táxi em que viajava numa curta turnê capotou e o arremessou para fora. Sua namorada, a compositora Sharon Sheeley e seu amigo, o cantor Gene Vincent, sobreviveram.


Cochran foi levado ainda com vida para o hospital (St. Martin Hospital), mas faleceu às 4:10 horas. Curiosamente, o motorista chamava-se George Martin (homônimo do produtor dos Beatles). Ele reconheceu que dirigia em alta velocidade, foi multado em 50 Libras, suspenso 15 anos de dirigir e cumpriu pena de 6 meses na prisão.

Eddie Cochran está enterrado no cemitério Forrest Lawn Cypress em Cypress, Califórnia. Um álbum póstumo, My Way, foi lançado em 1964.

O selo britânico Rockstar Records pesquisa até hoje por canções inéditas de Cochran e conseguiu lançar mais material dele nos anos 70 do que quando ele estava vivo.

Cochran também é conhecido por seu instrumento favorito, a guitarra Gretsch 6120.

Discografia

    Singin' To My Baby Liberty LRP-3061 (Novembro de 1957)[2]
    12 of His Biggest Hits Liberty LRP-3172 (Abril de 1960) relançado como The Eddie  Cochran Memorial Album (Maio de 1960)
    Never To Be Forgotten Liberty LRP-3220 (5 de Janeiro de 1962)[2]
    Cherished Memories (December 1962)
    The Best Of Eddie Cohran Liberty-EMI U.K. (1985) (A faixa mono nº 16 do LP/cassette é  originada do The Rock 'N' Roll Masters series.)
    Greatest Hits Curb Records (1990)
    Singin' to My Baby and Never To Be Forgotten EMI Records (1993)
    The Very Best of Eddie Cochran (Junho de 2008)
    Eddie Cochran Story (6 de Julho de 2009)



quarta-feira, 30 de novembro de 2011

RITMO ALUCINANTE " Don't knock the rock "



Rock'n Roll vai salvar o dia!!!com este clássico filme de rock ’n’ roll dos anos 50! O roqueiro Arnie Haynes (Alan Dale) e sua banda resolvem tirar merecidas férias da turnê e, ao retornarem para sua cidade natal descobrem que o prefeito baniu o rock ’n’ roll ! Com a ajuda do DJ e o publicitário Alan Freed e com lendárias performances de Bill Haley & Seus Cometas (Hot Dog Buddy Buddy, Rip It Up) e Little Richard (Tutti Frutti, Long Tall Sally), Arnie e a sua gangue querem provar para todos que rock ’n’ roll pode ser maluco, mas não é tão perigoso quanto parece!

ASSISTA O TRAILER




domingo, 27 de novembro de 2011

GENE VICENT



Gene Vincent ou Eugene Vincent Craddock (11 de fevereiro de 1935 - 12 de outubro de 1971) foi um músico norte-americano de rockabilly, mais conhecido por seu sucesso "Be-Bop-A-Lula".
Começou sua carreira tocando em diversas bandas de música country em Norfolk, Virgínia, depois de deixar a Marinha norte-americana com uma lesão permanente na perna. Assinou contrato com a Capitol Records com sua banda de apoio, The Blue Caps.


Depois que "Be-Bop-A-Lula" transformou-se num grande sucesso em 1956, Gene Vincent & os Blue Caps não conseguiram emplacar outros hits de tamanha repercusão, mas tiveram uma carreira pontilhada de sucessos como: "Bluejean Bop", "Race With the Devil", "Lotta Lovin'", "Crazy Legs" et "Baby Blue". Vincent inclusive foi um dos primeiros astros de rock a estrelar um filme, chamado The Girl Can't Help It.
Um fato marcante na carreira do cantor foi a morte de seu melhor amigo Eddie Cochran em um acidente automobilistico, durante uma turnê que ambos faziam pela Inglaterra no ano de 1960. Gene que também estava no veículo teve a antiga lesão de sua perna agravada e até o fim de sua vida não se recuperou psicologicamente do ocorrido.


                                                GENE VICENT AND HIS BLUE CAPS

A carreira de Gene teve uma enorme perda de popularidade a partir da metade dos anos 60, com a chegada das "english bands", embora ele continuasse a fazer sucesso na Europa, principalmente na Inglaterra e França.
Passou os últimos anos de sua vida tentando reconquistar o antigo sucesso, mas acabou afundando-se cada vez mais no álcool e na depressão. Faleceu na California em 1971, de cirrose gástrica.

Gene Vincent está sepultado no Eternal Valley Memorial Park em Newhall, Califórnia.
Forma junto com Buddy Holly e Eddie Cochran a quintessencia do rockabilly, sendo sem sombra de dúvidas, os maiores nomes do gênero.

DISCOGRAFIA
Albuns

Blue Jean Bop (Capitol T764 US) (8/13/56)
Gene Vincent and His Blue Caps (Capitol T811 US) (3 de abril de 1957)
Gene Vincent Rocks! And The Blue Caps Roll (Capitol T970 US) (3/58)
Gene Vincent Record Date (Capitol T1059 US) (11/58)
Sounds Like Gene Vincent (Capitol T1207 US) (6/59)
Crazy Times (Capitol T1342 US mono) (Capitol ST1342 US stereo) (3/60)

Singles

"Woman Love"/"Be-Bop-A-Lula" (Capitol F 3450 US) (6 de abril de 1956)
"Race With the Devil"/Gonna Back Up Baby" (Capitol F3530 US) (9 de outubro de 1956)
"Blue Jean Bop"/"Who Slapped John" (Capitol F3558 US) (10/56)
"Crazy Legs"/"Important Words" (Capitol F3617 US) (1 de julho de 1957)
"Five Days"/"Bi Bickey Bi Bo Bo Go" (Capitol F3678 US) (3/25/57)
"Lotta Lovin'"/"Wear My Ring" (Capitol F3763 US) (7/22/57)
"Dance to the Bop"/"I Got It" (Capitol F3839 US) (11/18/57)
"Lotta Lovin'"/Be Bop A Lula" (Capitol F3871 US) (11/20/57) (Re-issue)
"I Got a Baby"/"Walking Home From School" (Capitol F3874 US) (1/58)
"Baby Blue"/"True to You" (Capitol F3959 US) (5/58)
"Rocky Road Blues"/"Yes I Love You Baby" (Capitol F4010 US) (7/58)
"Git It"/"Little Lover" (Capitol F4051 US) (9/58)
"Say Mama"/"Be Bop Boogie Boy" (Capitol F4105 US) (11/58)
"Over the Rainbow"/"Who's Pushing Your Swing" (Capitol F4153 US) (1/59)
"The Night is So Lonely"/"Right Now" (Capitol F4237 US) (6/59)
"Wild Cat"/"Right Here on Earth" (Capitol F4313 US) (11/59)
"Anna Annabelle"/"Pistol Packin' Mama" (Capitol F4442 US) (9/60)

EP's

Hot Rod Gang (Capitol EAP 1-985 US) (9/58)




quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A HISTÓRIA DE KAREN CARPENTER ( O filme )


A trágica história da cantora Karen Carpenter, de sua meteórica ascensão com o grupo The Carpenters, que formou ao lado de seu irmão Richard, às graves crises provocadas por distúrbios alimentares, que acabariam lhe custando a vida.

domingo, 20 de novembro de 2011

CARPENTERS



Os Carpenters foram uma dupla musical da década de 1970, composta pelos irmãos Karen (1950-1983) e Richard Carpenter (1946). Com seu estilo melódico, eles levaram à parada de sucessos muitas canções no Top 40 da música americana, tornando-se representantes do soft rock e se incluindo entre os artistas mais representativos da década. Embora fossem referidos como "The Carpenters", sendo "the" o artigo definido em inglês, o nome oficial do duo era simplesmente "Carpenters" . Durante a década de 1970, quando bandas de rock pesado faziam muito sucesso, Richard e Karen produziram uma música suave e bem distinta daquilo, o que os colocou entre os artistas que mais venderam discos em todos os tempos.

No meio da década de 1970, o excesso de turnês e as longas sessões de gravação começaram a cobrar caro da dupla o esforço e contribuíram para as dificuldades profissionais enfrentadas no final dessa década. Karen fazia dietas obsessivamente e desenvolveu anorexia nervosa, a qual se manifestou pela primeira vez em 1975, quando uma exausta e enfraquecida Karen foi forçada a cancelar apresentações no Reino Unido e no Japão. Richard, enquanto isso, desenvolveu dependência de soníferos, que começaram a afetar seu desempenho no final dos anos 1970 e levaram ao fim das apresentações ao vivo da dupla em 1978 e à sua internação em uma clínica.

 No início de 1979, Karen, não desejando permanecer parada enquanto seu irmão se recuperava na clínica, decidiu gravar e lançar um álbum solo com o produtor Phil Ramone em Nova York. Seu disco (Karen Carpenter) tinha um estilo mais adulto e disco, em um esforço para mudar sua imagem. O resultado do projeto teve uma recepção morna de Richard e os executivos da A&M Records e no início de 1980 Karen primeiramente hesitou, abandonando por fim seu disco solo, que seria lançado apenas em 1996, 16 anos depois, 13 após sua morte. Karen preferiu lançar outro disco com Richard (já recuperado da dependência de soníferos), que se transformou no álbum Made in America, lançado em 1981.
Os problemas pessoais, entretanto, diminuíram as possibilidades de um retorno às paradas e Karen teve um casamento que não deu certo com Thomas Burris, a separação ocorreu um ano depois. Em 1982, Karen foi a Nova York procurar tratamento com o psicoterapeuta Steven Levenkrom para suas desordens alimentares decorrentes da anorexia nervosa, voltando naquele mesmo ano disposta a refazer sua carreira. Ela rapidamente ganhou 5 quilos em uma semana, o que aumentou os danos a seu coração, resultado de anos de dieta e abusos (especialmente - conforme se diz - com o uso do Xarope de Ipecac, um forte emético - para induzir vômito). Em 4 de fevereiro de 1983, Karen sofreu uma parada cardíaca na casa de seus pais em Downey e teve sua morte declarada no Hospital Memorial de Downey aos 32 anos. Karen, vestida de rosa, foi posta em um caixão aberto. Entre os que foram ao seu funeral estavam suas melhores amigas, Olivia Newton-John e Dionne Warwick



Durante sua carreira de aproximadamente 14 anos, os Carpenters gravaram 11 álbuns, cinco dos quais continham músicas que atingiram o Top 10 das paradas. Fizeram turnês nos Estados Unidos, no Reino Unido, no Japão, na Austrália, nos Países Baixos e na Bélgica. A carreira da dupla chegou ao fim com a morte de Karen em 1983 de parada cardíaca em função de complicações da anorexia nervosa. A cobertura jornalística dada ao fato na época aumentou a consciência da opinião pública sobre as consequências das disfunções alimentares.

Muitas das canções dos Carpenters são populares ainda hoje, tais como: "Close to You", que é cantada em bares de karaokê e "We've only just begun" continua popular em casamentos. A dupla ainda marcaria presença em duas trilhas sonoras de novelas brasileiras: "I Need To Be In Love" foi tema da personagem Lina (Renata Sorrah) na novela O Casarão, em 1976; e "Make Believe It's Your First Time" embalava a história de Liliane, personagem de Cristina Mullins na novela Voltei Pra Você, em 1983.

DISCOGRAFIA

1969 - Ticket to Ride (originalmente lançado como Offering)
1970 - Close to You
1971 - Carpenters
1972 - A Song For You
1973 - Now & Then
1975 - Horizon
1976 - A Kind of Hush
1977 - Passage
1978 - Christmas Portrait
1981 - Made in America
1983 - Voice of the Heart



OUÇAM OS GRANDES SUCESSOS DOS CARPENTERS

BAIXAR CD

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

ROCK AROUND THE CLOCK " Ao balanço das horas "



Quando um promotor de grandes bandas frustrado e um músico (Johnny Johnston e Henry Slate) decidem passar a noite em uma pequena cidade no caminho para Nova York, eles descobrem um amável grupo de garotos dançando e cantando em um novo tipo de ritmo que eles chamam de rock ´n´ roll! É o tipo de som novo que eles estavam procurando e esses caras farão de tudo para levar o rock ´n´ roll para o resto do mundo.

AO BALANÇO DAS HORAS é a aventura do rock ´n´ roll onde tudo começou! Apresentando grandes sucessos e performances de Bill Haley & Seus Cometas (See You Later Alligator, Razzle Dazzle) e The Platters (The Great Pretender, Only You).

ASSISTA O TRAILER



domingo, 13 de novembro de 2011

LITTLE RICHARD



Nasceu Richard Wayne Penniman, no dia 5 de dezembro de 1932 em Macon, Georgia, Estados Unidos.

Little Richard tem lugar cativo na história do rock’n’roll como um de seus pioneiros e maiores nomes em todos os tempos. Sua postura cênica, seu confrontamento radical aos tabus raciais e sexuais, o ritmo selvagem e primitivo de sua música, seu estilo de vida, seu jeito de vestir-se, falar e dançar o transformaram-no perante a juventude, num símbolo da rejeição aos valores da classe média.

Assim que sua música e sua voz começaram a ser ouvidas para além dos pequenos bares e clubes da Georgia, Richard conheceu o sucesso com hits inesquecíveis como “Tutti Frutti” (de onde veio o grito de guerra “A wop-bop-a-loo-mop-alop-bam-boom”), “Rip it up”, “Ready Teddy”, “Long Tall Sally”, “Good Golly Miss Molly” e tantos outros.

No início dos anos 60 (após escapar ileso de um acidente aéreo), Richard abandonou o rock e tornou-se pastor evangélico. Tentou voltar em 1975 com uma turnê desastrosa (vibrante pela Europa), mas a morte de um irmão o levou de volta à igreja para somente na segunda metade da década de 80 voltar a emplacar um sucesso nas paradas, “Great Gosh a Mighty” do filme Beverly Hills Cop.


Isto lhe permitiu uma volta também ao meio artístico e uma aparição histórica na entrega dos prêmios Grammy ao clamar para si próprio o troféu que deveria entregar.

Continua a atuar e a ser uma das figuras mais bizarras e revolucionárias do rock




quarta-feira, 9 de novembro de 2011

AMERICAN HOT WAX



Esta é a história  baseada em  Alan Freed um disc jockey de Cleveland, que introduziu o rock'n'roll para adolescentes em audiências de rádio americana em 1950. Freed foi uma fonte de grande controvérsia: criticado pelos conservadores por corromper a juventude com a "música do diabo"; odiado pelos racistas para a promoção da música americana para o consumo de branco; perseguidos por agentes da lei e, finalmente, derrubado pelo "jabá" escândalos.

O filme estrelado por Tim McIntire como Freed, assim como Fran Drescher , Laraine Newman , Melanie Chartoff , e Jay Leno , em papéis coadjuvantes.
Gravado em 1978, American Hot Wax ainda não foi lançado em DVD no Brasil, mas aqui você poderá conferir a trajetória do disk-jockey Alan Freed ao lado de ícones como Chuck Berry, Jerry Lee Lewis, Screamin' Jay Hawkins,  Frankie Ford, Kenny Vance and the Planotones. O filme é um tributo ao rock dos anos 50, com muitas cenas de doo wop e rockabilly. Outra curiosidade é uma pontinha do grupo Cadillacs realizando uma performance nos bastidores.

Assistam aqui um trecho do filme com The Planotones




domingo, 6 de novembro de 2011

CHUBBY CHECKER


 Ernest Evans nasceu em Spring Gulley, na Carolina do Sul,e foi criado, durante sua infância, nos conjuntos habitacionais (projects) de South Philadelphia, na Pensilvânia, onde viveu com seus pais e seus dois irmãos. Com oito anos de idade Evans formou um grupo harmônico que se apresentava nas ruas, e ao entrar na high school já havia aprendido a tocar o piano, bem como entreter seus colegas de classe como imitações de cantores populares da época, como Jerry Lee Lewis, Elvis Presley e Fats Domino.

Após concluir a escola, Evans passou a entreter, com canções e piadas, os clientes em seus diversos empregos, vendendo produtos agrícolas em lojas e mercados da cidade. E teria sido seu chefe num destes empregos - no Produce Market - Tony A., que lhe deu o apelido de "Chubby" ("Gorducho"). Henry Colt, proprietário do seu outro emprego, Fresh Farm Poultry, teria ficado tão impressionado com a performance de Ernest que, juntamente com seu colega e amigo Karl Mann, compositor que trabalhava para a Cameo-Parkway Records,conseguiram que o jovem 'Chubby' fizesse uma gravação privada com Dick Clark, apresentador do programa de televisão American Bandstand. Foi nesta sessão de gravação que Evans adotou definitivamente seu nome artístico; a esposa de Clark perguntou-lhe qual era seu nome e ele respondeu: "Bem, meus amigos me chamam de 'Chubby'". Como ele havia terminado de fazer uma imitação de Fats Domino, ela sorriu e perguntou-lhe: "Como damas (checkers, em inglês)?" A brincadeira de palavras envolvendo o 'dominó' do nome de Fats e outro jogo de tabuleiro gerou risadas instantâneas entre os presentes, e foi adotada como nome a partir daquele momento.


Durante o auge de seu sucesso, na década de 1960, lançou seus discos pela Cameo-Parkway Records que, juntamente com todo o resto do material da gravadora, tornou-se indisponível depois do início da década de 1970 por disputas legais internas da companhia. Por décadas, quase todas as compilações dos sucessos de Checker eram feitas a partir de regravações.


Checker lançou uma versão dançante de "Back in the USSR", dos Beatles, em 1969, que alcançou apenas o segundo lugar nas paradas de sucesso. Foi a sua última aparição nas paradas até 1982. Também gravou um álbum psicodélico no início dos anos 70 foi lançado inicialmente apenas na Alemanha. O lançamento original não recebeu nome, porém a frase Chubby Checker Goes Psychedelic, escrita na contracapa, passou a ser tomada como o título.

Apesar de ter opiniões ambíguas sobre o seu single mais bem-sucedido, "The Twist", Checker sempre conseguiu capitalizar sua popularidade duradoura. Em 1987 gravou uma nova versão da canção com o trio de rappers The Fat Boys. As letras desta nova versão deixavam implícito que estava satisfeito com esta associação. Checker também interpretou a canção num comercial dos biscoitos Oreo, no início da década de 1990.

Em 2008 "The Twist" foi nomeado o maior hit de todos os tempos pela revista Billboard, que analisou todos os singles que estiverem entre os 10 maiores sucessos das paradas entre os anos de 1958 e 2008. Checker ainda obteve, em julho do mesmo ano, o posto de primeiro lugar na parada de sucessos na categoria dance, com "Knock Down the Walls". Proprietário de seu próprio restaurante, Chubby Checker continua a se apresentar em público regularmente.

Fonte: Wikipédia



domingo, 30 de outubro de 2011

THE BEACH BOYS E A SURF MUSIC



Surf music é um gênero de música popular associado à cultura do surfe, especialmente de Orange County e de outras regiões do sul da Califórnia. Foi particularmente popular entre 1961 e 1965, exercendo grande influência no rock.
Deu origem a dois formatos: o surf rock instrumental, com a guitarra elétrica e o saxofone como bases da melodia e artistas como Dick Dale & his Del-Tones como principais precurssores, e o surf pop vocal, incluindo tanto baladas quanto músicas dançantes, com harmonias fortes comumente associadas ao The Beach Boys. Muitas das principais bandas de surf music são conhecidas por transitar entre os dois formatos, e sendo assim o gênero é considerado um só, apesar de sua variedade de estilos.


The Beach Boys é uma banda de rock dos Estados Unidos formada em Hawthorne, Califórnia, em 1961, e é tida como uma das mais influentes da história do rock e do pop. Emplacou dúzias de canções nas paradas de sucesso (também emplacou quatro compactos no primeiro lugar entre os mais vendidos nos Estados Unidos da América), além de álbuns recordistas de venda. Foi incluída no Hall da Fama do Rock and Roll em 1988. Seu álbum Pet Sounds, de 1966, que contém clássicos como "Wouldn't It Be Nice", "Sloop John B", "God Only Knows" e "Caroline, No", é considerado umas das maiores obras primas da história da música pop.

O grupo original consistia do cantor-músico-compositor Brian Wilson, seus irmãos Carl e Dennis, o primo Mike Love e o amigo Alan Jardine. Inúmeras mudanças tanto no estilo musical quanto na formação ocorreram durante a turbulenta existência da banda: os problemas psicológicos, abuso de drogas e o eventual afastamento de Brian; as mortes de Dennis em 1983 e Carl em 1998 e as batalhas legais entre os integrantes sobreviventes do grupo.

Foi um grupo que fez praticamente de tudo, surf rock (que foi o estilo inicial, sendo predominantemente do gênero até o sexto álbum, o All Summer Long), passando pela música erudita, country, blues, soul, bossa nova, música havaiana, até hard rock como a All I Want To Do do álbum 20/20 de 1969, entre vários outros já discriminados na discografia. Ajudaram a definir o pop barroco e sunshine pop em 1965 com o Today e Summer Days (And Summer Nights), estilos onde já se encontram os primeiros traços do art rock e do rock psicodélico divulgados pelo Pet Sounds em 1966.


DISCOGRAFIA

Álbuns de estúdio

Surfin' Safari (1962)
Surfin' USA (1963)
Surfer Girl (1963)
Little Deuce Coupe (1963)
Shut Down Volume 2 (1964)
All Summer Long (1964)
The Beach Boys' Christmas Album (1964)
The Beach Boys Today! (1965)
Summer Days (and Summer Nights!) (1965)
Beach Boys' Party! (1965)
Pet Sounds (1966)
The Smile Sessions, gravado entre 1966 e 1967. Desentendimentos entre os músicos e um aparente desequilíbrio mental do carismático Brian Wilson fizeram com que a editora Capitol Records rejeitasse o trabalho e nunca o editasse. Vai ser editado em 2011
Smiley Smile (1967)
Wild Honey (1967)
Friends (1968)
20/20 (1969)
Sunflower (1970)
Surf's Up (1971)
Carl and the Passions - "So Tough" (1972)
Holland (1973)
15 Big Ones (1976)
Love You (1977)
M.I.U. Album (1978)
L.A. (Light Album) (1979)
Keepin' the Summer Alive (1980)
The Beach Boys (1985)
Still Cruisin' (1989)
Summer in Paradise (1992)
Stars and Stripes Vol. 1 (1996)
Smile (2011

Álbuns ao vivo

Beach Boys Concert (1964)
Live in London (1970)
The Beach Boys in Concert (1973)
Good Timin': Live at Knebworth England 1980 (2002)

Coletâneas

Best of The Beach Boys (1966)
Best of The Beach Boys Vol. 2 (1967)
Best of The Beach Boys Vol. 3 (1968)
Good Vibrations - Best of The Beach Boys (1975)
Ten Years of Harmony (1981)
Made in U.S.A. (1986)
Ultimate Christmas (1998)
The Greatest Hits - Volume 1: 20 Good Vibrations (1999)
The Greatest Hits - Volume 2: 20 More Good Vibrations (1999)
Greatest Hits Volume Three: Best of the Brother Years 1970-1986 (2000)
Classics selected by Brian Wilson (2002)
Sounds of Summer: The Very Best of The Beach Boys (2003)



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

" Ray "



Sinopse:

Em 1932 Ray Charles (Jamie Foxx) nasce em Albany, uma pequena e pobre cidade do estado da Georgia. Ray fica cego aos 7 anos, logo após testemunhar a morte acidental de seu irmão mais novo. Inspirado por uma dedicada mãe independente, que insiste que ele deve fazer seu próprio caminho no mundo, Ray encontrou seu dom em um teclado de piano. Fazendo um circuito através do sudeste, ele ganha reputação. Sua fama explode mundialmente quando, pioneiramente, incorpora o gospel , country e jazz, gerando um estilo inimitável. Ao revolucionar o modo como as pessoas apreciam música, ele simultaneamente luta conta a segregação racial em casas noturnas que o lançaram como artista. Mas sua vida não está marcada só por conquistas, pois sua vida pessoal e profissional é afetada ao se tornar um viciado em heroína.

ASSISTA O TRAILER

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

CHUCK BERRY



Charles Edward Anderson Berry foi um dos precursores do rock and roll e um de seu maiores representantes. Ainda criança se iniciou na música, em corais evangélicos, levado pelo pai que era pastor protestante. Aos 14 anos teve seu primeiro contato com uma guitarra, pouco antes de passar uma temporada em um reformatório, por furto.

Ao ficar livre, Berry havia se desinteressado pela música e trabalhou alguns anos em uma fábrica de automóveis. Por pouco não se tornou cabeleireiro. Apenas em 1946, voltou a tocar. Em 1952 tocava profissionalmente em uma banda de estilo blues-country. A medida que o guitarrista se destacava como atração principal dos palcos onde se apresentava, o nome do grupo foi mudado para Chuck Berry Combo. Participavam da banda Eddie Hardy (baterista) e Johnnie Johnson (o homenageado oficial da música Johnny B. Goode) e a quem Berry chamada de "o melhor pianista".




Em 1955 iniciou sua carreira na Chess Records em Chicago. Gravou (com Willie Dixon no piano) duas músicas: "Ida May" (mais tarde regravada como "Maybellene") e "Wee Wee Hours". O single chegou ao quinto lugar nas paradas de sucesso dos Estados Unidos. Menos de um ano depois, Berry já vendia mais discos que todo o staff da gravadora. Misturando o country e o blues, com narrativas sobre o cotidiano da juventude, o amor e carros velozes, estourou naquele mesmo ano com "Maybellene".

O toque inconfundível de sua guitarra imortalizou hits como: "Johnny B. Goode" (1958), "Roll Over Beethoven" (l956) e "Sweet Little Sixteen" (1958). O segredo para conquistar seus ouvintes era prestar atenção na reação de sua audiência e dar a ela o que queria. Tinha uma incrível presença no palco, tocando a guitarra, gesticulando, correndo e fazendo o seu clássico "duck-walk". Por essa razão sua música atravessou gerações, sempre falando diretamente aos jovens.

Não era raro o músico estar envolvido em polêmicas. Devido a uma delas, por levar uma prostituta de quinze anos para trabalhar em um de seus bares, foi condenado em 1962 e cumpriu dois anos da sentença.

Depois disso sua carreira nunca foi totalmente recobrada, embora em 1972 "My Ding A Ling" tenha sido a maior gravação de sucesso de sua carreira. Em 1979 teve novamente problemas com a justiça e em 1990 foi preso sobre acusação de ter instalado uma micro-câmera no banheiro feminino de seu restaurante.

Em 1986 tornou-se um membro inaugural do Hall da Fama do rock and roll. Suas autobiografia foi publicada em 1988.

Chuck Berry é um ícone que estabeleceu o rock como uma forma musical e uniu o mundo dos negros e brancos na música. Influenciou Elvis Presley, The Beatles, Rolling Stones e mais recentemente, Eric Clapton, que declarou que, se não fosse Chuck Berry, ele jamais teria pegado em uma guitarra.





Em 1987, foi lançado um filme como forma de comemorar os 60 anos de Berry. É um documentário permeado por um excelente show, com uma super-banda formada por músicos exemplares, entre eles Keith Richards, guitarrista dos Rolling Stones. Os arranjos das canções estão muito superiores aos dos discos originais, muito por conta da banda e dos convidados. Além da super-banda, Berry está muito bem acompanhado com suas participações especiais: Robert Cray, Eric Clapton, Julian Lennon, Etta James entre outros. O documentário também é legal, mas fica ofuscado pelo excelente show. Tem depoimentos interessantes de grandes fãs como John Lennon, Clapton e de seus contemporâneos Little Richards, Roy Orbison e Bo Diddley. E ainda uma breve entrevista com o diretor.

ASSISTA O TRAILER


video


ASSISTA O FILME INTEIRO

Para baixar o filme é preciso baixar as 02 partes e juntá-las numa mesma pasta. Quando extrair a primeira parte, a outra virá junto automaticamente.

PARTE 1

PARTE 2

domingo, 16 de outubro de 2011

CELLY CAMPELLO " Rainha do rock Brasileiro"


CELLY CAMPELLO


Dançou "Tico-Tico no Fubá" aos cinco anos numa apresentação infantil. Com seis anos cantou na Rádio Cacique de sua cidade natal e se tornou uma das participantes do “Clube do Guri” (Rádio Difusora). Estudou piano, violão e balé durante a infância.
Aos doze anos já tinha seu próprio programa de rádio, também na Rádio Cacique. Com quinze (1958) foi para São Paulo junto com o irmão Tony Campello que a acompanhou em boa parte de sua carreira como cantora e atriz, e grava o primeiro disco. Estreou na televisão no programa "Campeões do Disco", da TV Tupi, em 1958. Em 1959 ganhou programa próprio junto com seu irmão Tony Campello, chamado "Celly e Tony em Hi-Fi", na Rede Record, o qual apresentou por dois anos.




                                  


Sua carreira explodiu em 1959 com a versão brasileira de Stupid Cupid, que no Brasil virou Estúpido Cupido. A música foi lançada no programa do Chacrinha e se tornou um sucesso em todo país no ano de 1959. Nesse mesmo ano filma com Mazzaropi “Jeca Tatu”.
Durante sua vida gravou vários outros sucessos como: Lacinhos Cor-de-Rosa, Billy, Banho de Lua entre muitos que lhe renderam inúmeros prêmios e troféus, inclusive no exterior e lhe deram o título de "Rainha do Rock Brasileiro".




Para tristeza de toda uma geração que se espelhou no seu trabalho, Celly abandonou a carreira no auge aos 23 anos, para se casar e morar em Campinas. Foi em 1962, com José Eduardo Gomes Chacon, seu namorado desde a adolescência.
Celly vinha sendo cogitada para apresentar o programa Jovem Guarda na TV Record, ao lado de Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Como abandonou a carreira, Wanderléa tomou seu lugar.
Em 1976, foi trazida de novo ao sucesso graças a telenovela Estúpido Cupido (mesmo nome de seu maior sucesso, de 1958) na TV Globo, na qual gravou uma participação especial. Incentivada pelo sucesso da novela, tentaria retomar a carreira, chegando a gravar um disco e fazendo alguns shows. Mas com o término da novela, voltou ao ostracismo.






Celly foi uma mulher de extremo talento, sua voz era linda, seu jeito, encantador.
Vítima de um câncer de mama, Celly faleceu em 3 de Março de 2003, no Hospital Samaritano em Campinas. A morte do "Brotinho de Taubaté", como era chamada, foi uma grande perda para o Brasil
Para  nós dos "Bons tempos", Celly Campello será sempre a  a rainha do rock brasileiro.


TONY E CELLY CAMPELLO  NO CLIP DE 1959  TEMPO PARA AMAR


quarta-feira, 12 de outubro de 2011

THE PLATTERS


                                                               THE PLATTERS


O Grupo vocal The Platters, foi organizado no limiar dos anos cinquenta e o
primeiro no gênero, a atingir lugar de destaque nas "Paradas de Sucesso" no
rádio e na venda de discos. Com estilo e tradição semelhantes aos Mills Brothers
e Ink Spots, igualmente conjuntos vocais negros de importante presença nos anos
trinta e quarenta, o grupo tornou-se fenômeno de sucesso nos primeiros cinco
anos de atividade.
   Sob orientação do produtor de discos e compositor Buck Ram, em 1953, os jovens
Tony Williams (líder tenor), David Linch (tenor), Alex Hodge (barítono) e Herb Redd
(baixo), fazem as primeiras gravações para o selo Federal, incluindo em três faixas,
a irmã de Williams, Linda Hayes; registros fonográficos que não alcançaram bons
índices de vendagem.
   Baseado nesse primeiro fracasso, Buck Ram reformulou o grupo, substituindo
Alex Hodge por Paul Robi e colocando a jovem Zola Taylor (contralto), então com
quinze anos de idade, como membro permanente. Ao assinar contrato com a
gravadora Mercury Records, o agora quinteto vocal começa a escalada para a
fama, com uma série de registros de alto nível artístico. Entre 1955 e 1964, a
Mercury teve bons lucros com The Platters, aparecendo no primeiro 78 rotações
os hits "Only You" no lado A e "The Great Pretenders" no B, vendendo mais de um
milhão de cópias. Em seguida vieram "My Prayer", "Smoke Gets In Your Eyes"
(famosa canção escrita por Jerome Kern com irrepreensível interpretação ,
destacando-se a bela voz do líder Tony Williams), "Twilight Time", "You´ll Never
Know", "If I Had You", "I´m Sorry", "Red Sails In The Sunset" e outros mais.


  A partir de 1958, o quinteto já era internacionalmente conhecido, fazendo 
regularmente temporadas na Europa, Japão e América do Sul (inclusive no Brasil),
sempre com espetáculos em casas repletas. Em 1961, o lider Tony Williams deixa o
grupo para seguir carreira como cantor solista. Seu lugar foi preenchido por Sony
Turner. Em seguida, Zola Taylor e Paul Robi deixam seus lugares, para Sandra
Dawn e Nate Nelson respectivamente.
   O lamentável é que, no final dos anos sessenta, trocas constantes de seus
membros criaram enorme confusão, tornando-se difícil identificar o legítimo 
The Platters, com Sony Turner e Herb Reed formando uma versão, enquanto Tony
Williams, ao desistir da carreira solo, forma a sua. Com essa inusitada situação, o
prestígio junto ao público começa a desmoronar, não mais atingindo o nível dos
primeiros anos.
   Até nossos dias, várias formações reivindicam o legado do lendário quinteto 
vocal The Platters de retumbante sucesso a partir da metade do século XX. Nas
temporadas que fizeram no Brasil a partir de 1966, os fãs sentiam-se frustados
com as constantes mudanças dos componentes, inclusive com Paul Robi 
(ex-componente) formando uma terceira versão.


A grande vitrine que tornou o grupo vocal The Platters conhecido em todo o
mundo, foi a película "No Balanço Das Horas" (Rock Around The Clock), produzida
nos estúdios da Columbia em 1956. Com direção de Fred F. Sears e produção de
Sam Katzman, tem 77 minutos de duração e a primeira a lançar o movimento 
musical que ficou conhecido como "Rock´n Roll". No elenco também estão
Bil Halley e seus Cometas, Frankie Bell e seus Bellboys e a Tony Martinez Band,
entre outros. Produção realizada com modesto orçamento e que se transformou
em êxito de bilheteria em todo o mundo.
   O quinteto vocal negro The Platters, marcou presença na música popular 
norte-americana, vendendo até hoje milhões de discos e atualmente convertidos
para compact discs. 





sábado, 8 de outubro de 2011

BRENDA LEE



Brenda Mae Tarpley (Atlanta, 11 de Dezembro de 1944) mais conhecida por Brenda Lee, é uma cantora estadunidense que cantou rockabilly, pop e música sertaneja, e teve 37 hits gráficos estadunidenses durante a década de 1960, um número superado apenas por Elvis Presley, The Beatles, Ray Charles e Connie Francis. Ela é mais conhecida por seu hit 'I'm Sorry" (1960) e "Rockin' Around the Christmas Tree" (1958), um padrão de férias por mais de 50 anos nos Estados Unidos.
Com 1m44 de altura, ela recebeu o apelido de Little Miss Dynamite, em 1957, após gravar a canção "Dynamite", e foi um dos primeiros astros da música pop a ter uma importante carreira contemporânea internacional.
A popularidade de Lee diminuiu no final dos anos 1960, a sua voz amadureceu, porém ela continuou fazendo uma carreira musical de sucesso, retornando às suas raízes como uma cantora de música country com uma sequência de hits nas décadas de 1970 e 1980. Ela é membro da Rock and Roll, Country Music e Rockabilly Hall of Fame, e atualmente vive em Nashville (Tennessee).




Lee nasceu com pouco mais de 2 kg, em 11 de dezembro de 1944, na enfermaria de caridade Grady Memorial Hospital em Atlanta, Geórgia. Ela frequentou colégios de ensino fundamental, onde seu pai trabalhou, principalmente, na rota entre Atlanta e Augusta. Sua família era pobre e vivia precariamente numa casa de 3 cômodos, sem água corrente. Ali, Brenda dividia a mesma cama com 2 irmãos. Sua vida resumia-se em ver seus pais procurando emprego, na sua família e na Igreja Batista, onde ela cantava 'solos' a cada domingo.

A voz de Lee, o seu rosto bonito e as suas apresentações nos palcos começaram a despertar a atenção de todos a partir dos seus 5 anos. Aos 6 anos, ela ganhou um concurso de canto patrocinado por um estabelecimento de ensino fundamental local. A recompensa foi uma aparição ao vivo em um programa de rádio de Atlanta, Starmakers Revue, onde ela voltou a se apresentar no ano seguinte.
Seu pai morreu em 1953, e, já aos 10 anos, ela tornou-se a principal fonte de sustento de sua família por cantar em programas radiofônicos locais e apresentações em televisão. Em 1955, Grayce Yarbrough Tarpley, casou com Jay Rainwater. Jay levou a família para Cincinnati, Ohio, onde trabalhou na Skinner Jimmy Music Center. Lee realizou com Skinner na loja de discos em 2 programas de radiodifusão sábado sobre Newport, Kentucky e a estação de rádio WNOP-AM. A família logo retornou à Geórgia, no entanto, desta vez para Augusta e Lee apareceu em um show especial em WJAT-AM em Swainsboro. O produtor do show, Sammy Barton, 'rebatizou-a' como Brenda Lee, pois acreditava que o nome Tarpley era muito difícil de lembrar.

Seu grande sucesso no show business veio em fevereiro de 1955, quando ela ganhou $30 para aparecer em uma estação de rádio Swainsboro para ver Red Foley e uma unidade de turnê promocional do seu programa TV ABC Ozark Jubilee, em Augusta. O DJ Foley foi convencido a ouvi-la cantar antes do show. Foley ficou tão surpreso, como todas as outras pessoas que ouviram a potente voz da pequena menina, que imediatamente concordou em deixá-la cantar "Jambalaya". A música foi ensaiada e, mais tarde, apresentada. Ao término, Foley declarou:

" Ainda fico com arrepios de frio pensando na primeira vez que ouvi essa voz. Um dos meus pés começou a acompanhar febrilmente o rítmo da música, como se eu estivesse me afastando de 'um terreno em chamas'. E quando ela fez aquele truque de 'quebrar' a voz, ela interrompeu o meu transe, o suficiente para que eu percebesse que eu tinha esquecido de sair do palco. Ali estava eu, após 26 anos de suposto aprendizado sobre como conduzir-me diante de um auditório, com a boca aberta "2 milhas de largura" e um olhar petrificado. "

A plateia irrompeu em aplausos e se recusou a deixá-la sair do palco até que ela tivesse cantado mais 3 músicas. Em 31 de março de 1955, aos 10 anos de idade, ocorreu a sua estreia na rede Ozark Jubilee, em Springfield, Missouri. Apesar de o seu contrato com o show ser de 5 anos, ele foi interrompido por causa de uma ação judicial movida em 1957 por sua mãe e pelo seu empresário, onde ela fez aparições regulares no programa ao longo de sua execução.

Menos de dois meses depois, em 30 de julho de 1956, a Decca Records lhe ofereceu um contrato, e seu primeiro disco foi um Vinyl, 7", Single, 45 RPM, "Jambayala", apresentando no lado 'B' "Bigelow 6-200". O segundo Single de Lee apresentou duas músicas de Natal: "I'm Gonna Lasso Santa Claus" e "Christy Natal". Embora ela 'já tivesse completado 12 anos de idade em 12 de dezembro de 1956, os créditos de seus 2 Singles distribuídos pela Decca Records falavam em "Little Brenda Lee" (9 anos)." Sua primeira edição foi em 1957, "One Step at a Time", se tornou um hit em ambos os campos, pop e country. Seu hit seguinte, "Dynamite", mostra-a saindo de um quadro com 1m44, o que levou-a a ser apelidada de Little Miss Dynamite.
Lee chamou a atenção primeiramente atuando em locais de música country e mostra, no entanto, sua etiqueta e gestão considerou melhor para o seu mercado exclusivamente como artista pop, o resultado é que nenhum de seus discos mais conhecidos da década de 1960 foram liberados para alguma rádio do país, e apesar de seu som, com pessoas sessão top em Nashville, ela não tem outro país atingido até 1969, e "Johnny One Time".

Lee chegou à votação final à indução para a Rock and Roll Hall of Fame em 1990 e em 2001 sem ser induzido, mas foi eleita para o Hall em 2002. Até a data, nos 11 anos, entre 1990 e 2001, seu voto de aparências é a maior lacuna desta natureza na história do Rock and Roll Hall of Fame.



Comemorando 50 anos como um artista de gravação, em setembro de 2006 ela foi a segunda ganhadora do Meador-Walker Lifetime Achievement Award Jo pela Fonte da Fundação em Nashville. Em 2007, foi introduzido no Country Music Hall of Fame e é membro da Rockabilly Hall of Fame e os passos do Hit Parade of Fame.

Em 2008, sua gravação de "Rockin' Around the Christmas Tree" marcou 50 anos como um padrão de férias, e em fevereiro de 2009, a National Academy of Recording Arts and Sciences deu um Lifetime Achievement Grammy a Lee.



Discografia (álbuns)

1959: Grandma, What Great Songs You Sang! (Decca) 
1960: Brenda Lee (Decca)
1960: This Is Brenda (Decca)
1961: Emotions (Decca)
1961: Lover, Come Back To Me (Decca)
1961: All The Way (Decca)
1962: Sincerely, Brenda Lee (Decca)
1962: Brenda-That's All (Decca)
1962: Everybody Loves Me But You (Decca)
1963: All Alone Am I (Decca)
1963: Fly Me To The Moon (Decca)
1963: Let Me Sing (Decca)
1964: By Request (Decca)
1964: Merry Christmas From Brenda Lee (Decca)
1965: Thanks A Lot (Decca)
1965: The Versatile Brenda Lee (Decca)
1965: Too Many Rivers (Decca)
1966: Bye Bye Blues (Decca)
1966: Coming On Strong (Decca)
1967: Reflections In Blue (Decca)
1968: For The First Time (Decca)
1969: Johnny One Time (Decca)
1970: Memphis Portrait (Decca)
1972: A Whole Lotta (MCA)
1973: Brenda (MCA)
1973: New Sunrise (MCA)
1974: Memphis Portrait (MCA)

Fonte: Wikipédia