domingo, 24 de setembro de 2017

MANFRED MANN

Manfred Mann foi uma banda britânica de R&B, formada por Mike Vickers, guitarra; Dave Richmond, baixo; e Paul Jones, vocal.
Os Manfred Mann originalmente classificam-se como uma banda de rhythm and blues. Foi fundada na Grã-Bretanha, em 1962, pelo próprio Manfred Mann, nascido em 21 de outubro de 1940, em Joanesburgo, África do Sul,. Com Manfred Mann (nas teclas) estava o seu amigo Mike Hugg (na bateria). O vocalista era Paul Jones (que se tornaria mais tarde num actor de sucesso). Os outros membros foram Tom McGuinness (baixo) e Mike Vickers (flauta, sax, guitarra).

O seus primeiros ‘hits’ foram "Do Wah Diddy Diddy" (um original dos Exciters) e "Pretty Flamingo". Jones saíu em 1966 e foi substituído por Mike D'Abo, mas o grupo manteve a senda de sucessos (caso raro quando ocorre mudança de vocalista) de que se salienta, em 1968 uma versão de "Mighty Quinn" de Bob Dylan. Outros temas de Dylan gravados pelo grupo foram: "Just Like A Woman" (1966) e "If You Got To Go - Go Now". Outro popular tema do grupo foi: "Ha! Ha! Said the clown", de 1967.

O nome dos Manfred Mann encontra-se associado a uma das inovações técnicas da música pop-rock: o sintetizador. No Verão de 1968, Mick Vikers (então nos Manfred Mann) estava nos estúdios de Abbey Road quando este fora equipado pela primeira vez com um "moog", e trabalhou na sua afinação para o álbum homónimo dos Beatles.


Este grupo esteve no Festival de Vilar de Mouros em 1971. O grupo separou-se em 1969. Mann e Hugg formaram então um grupo de jazz-rock, o Chapter Three, que não teve grande sucesso. O nome significava que este era o "terceiro capítulo" das formações de Manfred Mann, diferindo as duas primeiras apenas no vocalista. O grupo gravou os álbuns Chapter Three (lançado em Dezembro de 1969) e Chapter Three – volume 2 (lançado em 1970).

Em 1971, juntamente com Mick Rogers (guitarras e vocais) Chris Slade (bateria) e Colin Pattenden (baixo) Mann formou a Manfred Mann's Earth Band. A nova banda iniciou a sua actividade com uma versão de "Please Mrs Henry", mais um original de Bob Dylan, mas sem grande sucesso; seguiu-se "Living without you" (escrita por Randy Newman). O primeiro LP, com a mesma designação da banda, incluindo as duas referidas canções, só surgiu em 1972. Também de 1972 é o álbum "Glorified Magnified", que incluía nova versão de um outro êxito de Dylan: "It's All Over Now Baby Blue". No entanto, só em 1973, com o álbum "Messin’", é que a banda voltou novamente a retomar o caminho do sucesso.

Existe uma biografia muito completa das formações de Manfred Mann, "Mannerisms: The Five Phases of Manfred Mann", de Greg Russo. Os Manfred Mann's Earth Band continuam actualmente em actividade, com espectáculos ao vivo, mas nos últimos anos apenas têm sido lançadas complilações das suas gravações.
Os Manfred Mann constituíram uma das atracções do festival de Vilar de Mouros de 1971, tendo actuado na noite de 7 de Agosto. Tocaram os seguintes Temas: Dealer, Ashes To The Wind, Happy Being Me, Captain Bobby Stout e Mighty Quinn.


domingo, 17 de setembro de 2017

GRAND FUNK RAILROAD


Grand Funk Railroad (ou simplesmente Grand Funk) é uma banda de rock da década de 1970, descoberta em 1969 no Atlanta Pop Festival, que chegou a ser uma grande sensação do rock para os jovens no final dos anos 60 e começo dos anos 70.

O grupo Grand Funk Railroad nasceu em 1964, na cidade de Flint, Michigan, Estados Unidos, quando quatro amigos se juntaram para formar uma banda. Seu nome original era Jazzmasters e não tocavam jazz como o nome sugere, "mestres do Jazz", mas faziam um rock'n roll tão alto quanto seus amplificadores podiam suportar. Era formado por: Mark Farner, guitarra e vocal; Don Brewer, bateria e vocal; Craig Frost, órgão e piano e Mel Schacher, baixo elétrico.
Tocavam em clubes e escolas da cidade, até que em 1967, Terry Knight, um rapaz de 20 anos, um ano mais velho do que os músicos do "Jazzmasters", assistiu a apresentação daquela noite. Knight era mais maduro e ambicioso, um visionário que já tivera seu próprio programa na rádio local, tinha trabalhado em uma emissora em Detroit e nesta noite de 67 ele, desempregado, estava decidido a se tornar vocalista de uma banda de rock. Da reunião entre Terry Knight e Jazzmasters, nasceu o "Terry Knight & The Pack".
"The Pack" era a união dos esforçados rapazes do "Jazzmasters" com as propostas do ex disk-jockey Terry Knight. Knight fez grandes planos com Mark Farner e o restante do grupo, mas só conseguiu um tímido contrato de gravação para a etiqueta "Cameo/Parkway", do serviço local, embora já tivessem lançado artistas de peso como Chubby Cheker e Dee Dee Sharp entre outros. Na visão de Knight, o som do grupo seguia aproximadamente o estilo dos "Rolling Stones", embora sóbrios e fez sucesso na região, chegando à cidade de Detroit, que tem certa tradição em rock.

No início de 1968 o "Pack" e Knight se separam e seguem cada um seu próprio caminho. O "Pack" retorna aos shows em clubes, boates e colégios e Knight tenta carreira solo como cantor romântico, estilo Donovan, mas nenhum deles decolou. Pack e Knight se reencontram no final de 1968 e, na versão de Knight, foi Don Brewer que escreveu para ele em Detroit, solicitando novamente a sua ajuda porque os rapazes do "Pack" estariam passando fome, quase a ponto do grupo se dissolver. Aliás, já tinham perdido dois dos seus integrantes. Mas o grupo diz em sua versão que Knight, após perceber que não levava jeito mesmo como cantor, tentou arrumar emprego em rádios e gravadoras e como não conseguiu, voltou a procurar o pessoal do "Pack" em Cape Cod. É provável que as duas versões sejam a expressão da verdade, pois a esta altura, havia sobrado apenas Mark Farner e Don Brewer no Pack, e enquanto este procurava um novo baixista, Knight corria para tentar um novo e salvador contrato para o grupo.
Desta vez foram bem sucedidos. O novo baixista era um antigo amigo de Don, Mel Schacher, ex integrante da banda Question Mark & The Misterians, que fez sucesso com 96 Tears, e o contrato foi com a gravadora Capitol, por apenas seis meses. O grupo agora é um trio e tinha novo nome, Grand Funk Railroad, inspirada na estrada de ferro Grand Trunk Western, da cidade de Flint. Há quem diga que o contrato se deveu às estratégias de Knight, que envolveram a influência de conhecidos seus como a modelo Twiggy e o seu namorado Justin de Villeneuve junto aos executivos da Gravadora Apple, embora a versão oficial do grupo de que tudo se deu a partir de uma revisão de posição da Capitol, que resolvera dar uma segunda chance aos ex integrantes do antigo "Pack", que já havia gravado lá e não fora bem sucedido. Terry Knight desiste de ser cantor e agora empresaria e produz o grupo a partir de 1969, um bom ano para os novos grupos de rock.

No clima da época, os jovens norte-americanos já não acreditavam mais em seu país e nem nos seus líderes. Estavam cheios de dúvidas, medos e incertezas, como a guerra do Vietnam, que se prolongava e roubava cada vez mais as vidas dos adolescentes convocados para lutar no conflito. Foi neste ambiente que floresceu a contra-cultura que o "Grand Funk" desenvolveu, com suas letras contestadoras, pacifistas, porém, ao mesmo tempo, com um rock rebelde, inovador, harmônico e bastante agressivo para a época, transformando-se num alvo de identificação para aquela multidão de jovens esmorecidos.
Mais comerciais e mais americanos, não são mais os jovens contestadores, nem muito menos "três rostos anônimos na multidão", mas agora estrelas do show business e com seu novo empresário, Andy Cavaliere, a estrada de ferro do Grand Funk volta a seus trilhos de ouro e platina, agora com milhões de dólares e de público. E seus críticos, já menos jovens e tanto mais conservadores, agora aplaudem esta fase do grupo e passam a apreciar sua habilidade com o balanço do velho rock que ainda conseguem tirar.
Segundo a Melody Maker, Terry Knight teria comentado no fim das batalhas judiciais que acabaram empatadas para cada lado, condenados a pagar multas equivalentes um ao outro: "eles foram tolos! Poderiam ter sido clássicos, eternos, como Elvis antes do coronel Tom Parker, mas não quiseram, cismaram em ser sérios e importantes homens de negócio, transformando a banda numa empresa, em vez de serem apenas artistas e músicos e aperfeiçoar seu trabalho, por isso puseram tudo que tínhamos a perder." Religioso, o novo líder do Grand Funk, Mark Farner, o fazendeiro rock, agora com cabelos curtinhos estilo anos 1950, rebate, "a nossa base é a fé, nós acreditamos em Deus, que nos sustentou esse tempo todo, e onde vamos sempre nos apoia."

domingo, 10 de setembro de 2017

MAJORITY ONE

Majority One foi um conjunto inglês, fundado  em 1964, Kingston upon Hull, Yorkshire.  fazia um rock pop psicodélico bem melódico e se formaram em 1964 com o nome de "The Mustangs". Depois mudaram para Londres onde lançaram oito singles e foi quando resolveram também mudar o nome da banda para "The Majority One". Isto já era 1968.

No final deste mesmo ano gravaram com Barry Ryan a música"Eloise ", que foi hit de sucesso ficando entre as 10 mais tocadas na Inglaterra. O primeiro sucesso da banda propriamente foi o single "Charlotte Rose", escrito por George Alexander, do Grapefruit.
Mas, verdadeiramente, os dois grandes sucessos  comerciais, que alcançaram reconhecimento mundial, vieram em 1971 com a música "Because I Love" e "Rainbow Rockin' Chair", que fizeram muito sucesso aqui no Brasil, inclusive.


A banda era formada por: Barry Graham (vocals), Roger France (lead guitar), Rob Long (guitar), Ken Smith (bass) e Don Lill (drums). Segue o video do maior sucesso da banda aqui no Brasil .

domingo, 3 de setembro de 2017

10CC

10cc foi uma banda britânica de art rock famosa na década de 1970.

A banda era inicialmente formado por quatro músicos que já tinham composições em parceria e que gravaram juntos por cerca de três anos até assumirem o nome "10cc" em 1972.

Em 1975, a banda atingiu o seu maior sucesso com a canção I'm Not in Love além de outros hits como: Silly Love, Wall Street Shuffle e Dreadlock Holiday.

Desde 1999, Gouldman tem feito uma turnê com uma versão da banda formada por Rick Fenn, Paul Burgess, Mick Wilson, Mike Stevens e/ou Keith Hayman, com aparições ocasionais convidado por Kevin Godley. A banda lançou duas turnês nacionais no Reino Unido e Europa, tocando os sucessos do 10cc, além de composições de Gouldman que foram sucessos na voz de outros artistas.

domingo, 27 de agosto de 2017

NANCY SINATRA

Nancy Sandra Sinatra (Jersey City, 8 de junho de 1940) é uma cantora e atriz norte-americana. É filha do lendário cantor Frank Sinatra com sua primeira esposa Nancy Barbato. Seu maior sucesso como cantora foi a canção "These Boots Are Made for Walkin'", que, lançada na metade dos anos 60, se tornou um hino do movimento feminista. Uma das canções que gravou, "Bang Bang" (originalmente gravada por Cher) é trilha sonora do filme Kill Bill de Quentin Tarantino. Em 1967 gravou a música tema do quinto filme de James Bond, You Only Live Twice, estrelado por Sean Connery no papel de 007.

Nancy Sinatra começou sua carreira como cantora e atriz no começo dos anos 60, mas obteve sucesso apenas na Europa e no Japão. Porém, em fevereiro de 1966, ela teve um transatlântico hit número-um nas paradas musicais com These Boots Are Made for Walkin', que exibiu sua sensualidade mas com estilo de boa menina, que a popularizou e a fez sinônimo de go-go boots. O clip da canção mostrou uma cabeluda Sinatra e seis belas garotas em tops de lã, go go boots e minissaias, e é considerado um clássico exemplo de moda sessentista. A canção foi feita por Lee Hazlewood, que escreveu e produziu a maioria de suas canções e cantou com ela em vários duetos, inclusive no importante e cult Some velvet morning.

Em seu quarto aniversário, Phil Silvers e Jimmy Van Heusen cantaram a canção Nancy with the laughing face, que haviam composta em 1942 para o aniversário de Bessie, a esposa de Juhnny Burke (Bessie with the laughing face). Frank não resistiu e caiu no choro pensando que fora composta especialmente para o aniversário da filha (os autores, sabiamente, não fizeram o esclarecimento). Depois que Frank gravou a canção para a Columbia, em 1944, Jimmy transferiu os direitos autorais para a pequena Nancy.


Entre 1966 e 1967, sozinha, Nancy Sinatra emplacou com 13 canções, todas tendo Billy Strange como produtor e arranjador. Em 1967, ela se uniu ao seu pai para o seu segundo número-um, Something stupid. Embora de certa forma limitada, sua voz possui uma singularidade expressiva e irônica, no estilo clássico moderno.

Em 1968, ela atuou com Elvis Presley no filme Speedway.
Em 1995, aos 55 anos, Nancy Sinatra foi capa da Playboy, aparecendo toda nua.
Em 2004, ela desfrutou de um certo sucesso com um álbum marcando o retorno à sua carreira e uma turnê internacional. Nancy atualmente está no selo "Sanctuary/Attack Records".
Em 2004-2005 sai em turnê com Clem Burke, conhecido como Elvis Ramone, ex-baterista do Blondie e provisório baterista dos Ramones.
A música These boots are made for walking, consta na trilha sonora do filme "Full Metal Jacket" de Kubrick.


A música These boots are made for walking está no álbum Killing is my business... and business is good! da Banda de Thrash Metal Megadeth, como These Boots.Esta música foi cantada na turné de Siouxsie Sioux,lançada em DVD sob o título de Finale em 2009.

Em 2009, foi lançada uma versão da música These boots are made for walking no álbum Femina de Legendary Tigerman com a interpretação da actriz Maria de Medeiros.
Em 2013 sua canção, "Summer Wine", foi regravada pela cantora vintage norte-americana Lana Del Rey e seu ex-namorado e líder da banda Kassidy, Barrie James O'Neill.Casou-se duas vezes:
  com o ídolo juvenil Tommy Sands, entre 1960 e 1965.
  com Hugh Lambert, dentre 1970 e 1985.
Em 1974 deu à luz A.J. Lambert dando à Frank Sinatra seu primeiro neto. Teve tambèm uma filha, Amanda Lambert.
Nancy Sinatra é a irmã mais velha de Frank Sinatra Jr. e Tina Sinatra.

domingo, 20 de agosto de 2017

ACKER BILK

Bernard Stanley " Acker " Bilk , MBE (28 de janeiro de 1929 - 2 de novembro de 2014)foi um clarinetista e vocalista inglês conhecido por sua aparência - goatee , chapéu de jogador e colete listrado - e estilo de clarinete de baixo registro e respiração, rico em vibrato.

A música instrumental de Bilk em 1962 " Stranger on the Shore " tornou-se o single mais vendido do Reino Unido em 1962: ficou  nas paradas do Reino Unido há mais de 50 semanas, atingindo o segundo lugar e foi o primeiro single no 1 nos Estados Unidos por um Artista britânico na era da moderna Billboard Hot 100 pop chart.
Bilk nasceu em Pensford , Somerset , em 1929.  Ele ganhou o apelido de "Acker" da gíria Somerset "amigo" ou "companheiro". Seus pais tentaram ensinar-lhe o piano, mas, como menino, Bilk descobriu que restringia seu amor às atividades ao ar livre, incluindo o futebol . Ele perdeu dois dentes da frente em uma luta na escola e metade do dedo em um acidente de trenó , o que ele afirmou afetou seu eventual estilo de clarinete.

Bilk tocou com amigos no circuito de jazz de Bristol e, em 1951, mudou-se para Londres para tocar na banda de Ken Colyer .  Bilk não gostou de Londres, então voltou para o oeste e formou sua própria banda em Pensford, chamado Chew Valley Jazzmen, que foi renomeado como o Bristol Paramount Jazz Band quando se mudaram para Londres em 1951. Seu agente os contratou para um show de seis meses Em Düsseldorf , na Alemanha,tocando no bar de cerveja sete horas por noite, sete noites por semana.  Durante este tempo, Bilk e a banda desenvolveram seu estilo e aparência distintas, com coletes de listras e chapéus de tocador .
Depois de retornar da Alemanha, Bilk e sua banda tocava em clubes de jazz de Londres

Bilk continuou a fazer turnês com sua Paramount Jazz Band, além de realizar concertos com seus dois contemporâneos, Chris Barber e Kenny Ball , ambos nascidos em 1930, como "The 3Bs". Bilk também forneceu vocais em muitas de suas faixas, incluindo "I'm an Old Cowhand", "The Folks Who Live on the Hill", "White Cliffs of Dover", "Travellin On" e "That's My Home".
Em 2005, recebeu o Prêmio de Ouro da BBC Jazz Awards .
Uma de suas gravações foi com a banda de Chris Barber, compartilhando o ponto do clarinete com os corujos regulares da banda, John Crocker e Ian Wheeler. Bilk fez um CD com Wally Fawkes para o selo do lago em 2002. Ele apareceu em três álbuns de Van Morrison : Down the Road ;  What's Wrong With This Picture?;  Born to Sing: No Plan B.
Em 2012, Bilk disse que, depois de cinquenta anos, ele estava "cansado" de tocar sua música mais famosa, "Stranger on the Shore".
Bilk morreu em Bath , Somerset, em 2 de novembro de 2014, com a idade de 85. 
A última entrevista gravada do Bilk foi para a estação da comunidade Cornish Penwith Radio e foi transmitida no domingo 16 de novembro de 2014 às 9:00 da tarde.

domingo, 13 de agosto de 2017

ANÔNIMO VENEZIANO

Enrico é um músico e maestro veneziano com uma doença terminal, que convida sua esposa Valeria, de quem está separado, para visitá-lo em Veneza sem revelar a razão do convite.

Embora ainda estejam casados, por não haver divórcio na Itália (em 1970), eles estão separados um do outro há sete anos. Valeria vive com seu filho e seu novo companheiro, um rico industrial em Ferrara.
Quando eles se reencontram, eles caminham por Veneza e recordam seu relacionamento desde o primeiro encontro, revelando o intenso amor deles através de flashbacks. Enrico vive um momento emocional conflitivo em sua vida enquanto está gravando o concerto Anônimo Veneziano para oboé e cordas.


“Anônimo Veneziano” é um romance belo e melancólico, uma elegia à um homem terminal em uma cidade que está morrendo.
Existe um paralelo na história entre a saúde de Enrico e a decadência de Veneza. Embora sendo de 1970, este filme surpreendentemente resistiu ao tempo e permanence atualizado. Até mesmo o vestuário não está totalmente fora de moda, pois é clássico e elegante.

A magistral trilha sonora de Stelvio Cipriani é, sem dúvida, um dos pontos mais altos deste melodrama italiano. A partir do “Adágio do Concerto para Oboé e Cordas”, de Benedetto Marcello, compositor italiano do século XVIII, Cipriani criou uma romântica melodia para o filme.

O elenco basicamente se restringe a dois personagens vividos pelo ator ítalo-americano Tony Musante, e pela bela cearense Florinda Bolkan, com ótimos desempenhos, o que valeu à Florinda o prêmio David di Donatello de Melhor atriz.